Acorda Cidade - Dilton Coutinho

26 de Janeiro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Artigos e Crônicas

Todas as notícias
Publicado em 12/06/2020 08h03.

Brasileiros se preocupam mais com segurança pessoal e patrimonial

Cresce interesse em brasileiros por segurança pessoal a patrimonial por conta da atual pandemia.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Brasileiros se preocupam mais com segurança pessoal e patrimonial
Foto: Divulgação

Acorda Cidade

Uma mudança no comportamento do brasileiro está chamando atenção, para a felicidade do mercado de seguros. Hoje em dia, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a segurança pessoal e patrimonial, o que leva a contratação de seguros.

Seja nos seguros pessoais, como o de vida ou os planos de saúde, como nos patrimoniais, como o seguro auto e o seguro de imóvel, a população está se precavendo melhor. Cada vez mais brasileiros estão se preparando para as intempéries que a vida pode trazer.

O que muitos antes achavam um gasto desnecessário, hoje é um serviço essencial. Muitas pessoas estão preferindo gastar mensalmente uma quantia para evitarem surpresas piores no caso de uma eventualidade.

Segurança pessoal

A segurança pessoal vem numa constante crescente no Brasil, a adesão aos seguros de vida e planos de saúde vem crescendo de forma significativa. No ano de 2020, principalmente, por conta da pandemia do novo coronavírus, os brasileiros sentiram a necessidade de se preparar para eventuais momentos de necessidade.

Dentre as pessoas que contratar o serviço, o público que mais se destaca é justamente o grupo de risco da Covid-19, que incluem idosos ou pessoas que portam outro tipo de condição médica, como os diabéticos.

Já o seguro de vida cresceu porque as pessoas estão cada vez mais preocupadas com o futuro e a qualidade de vida da sua família. No caso de morte ou doença grave, o seguro tem opções para garantir a estabilidade financeira e a segurança dos familiares. Por mais que esteja crescendo, esse tipo de seguro ainda não é tão comum no Brasil, por conta de seu custo um pouco elevado. Mas a tendência é que a população comece a tomar providências para proteger a vida, além dos bens materiais.

Segurança patrimonial

A violência urbana é um dos grandes desafios nas cidades, além do trânsito diário e os perigos que podem vir com ele. Os seguros patrimoniais, seguro de automóvel e do imóvel, estão no mercado há anos e continuam crescendo em adesões.

O seguro do imóvel pode cobrir furtos e roubos, incêndios, raios elétricos, explosões de qualquer origem, além de danos causados por equipamentos elétricos ou eletrônicos. Os seguros também possuem uma gama variada de consertos em sua apólice, como serviços elétricos, limpezas de caixa d’água, entre outros.

Mas o seguro patrimonial mais vendido no Brasil ainda é o seguro de automóvel. Cada vez mais os brasileiros percebem o como é importante a contratação de um seguro auto, especialmente pelo fato de que, mesmo na quarentena, o número de veículos roubados só aumenta.

Esse seguro é item essencial para muitas pessoas, que já incluem a despesa como básica no orçamento. Isso se dá pela quantidade de carros andando pelas ruas todos os dias, e os perigos que podem estar em qualquer via.

A violência aumenta cada dia mais, e ser ressarcido no caso de furto ou roubo é um alívio para quem sofre esse tipo de crime. Mas um dos motivos que mais leva as pessoas a contratar o seguro auto são os acidentes e batidas.

Uma simples colisão pode levar o dono do automóvel gastar muito mais que o esperado no conserto. O seguro de automóvel, além de cobrar um valor fixo de franquia para os consertos mecânicos e de funilaria, oferecem o ressarcimento total caso o carro seja considerado perda total. O seguro automóvel também oferece outros benefícios como carro reserva, guincho e outros serviços de emergência.

Por: Andreia Silveira, editora no SeguroAuto.org.

 

 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Das coisas que aprendi nos discos: Especial O Clube dos 27 - Janis Joplin, 1943/1970
Resenhas Musicais

Das coisas que aprendi nos discos: Especial O Clube dos 27 - Janis Joplin, 1943/1970

Joplin rompeu completamente com o arquétipo de garotinha exemplar e era conhecida por suas roupas escuras, sa...

Das coisas que aprendi nos discos: Especial O Clube dos 27 - Jimi Hendrix, 1942/1970
Resenhas Musicais

Das coisas que aprendi nos discos: Especial O Clube dos 27 - Jimi Hendrix, 1942/1970

Fora das forças armadas, Hendrix dedicou-se única e exclusivamente à música. Entendia que ela era uma esp...

Das coisas que aprendi nos discos: Especial O Clube dos 27 - Brian Jones, 942/1969
Resenhas musicais

Das coisas que aprendi nos discos: Especial O Clube dos 27 - Brian Jones, 942/1969

Brian era incrível, embora não tivesse a mesma facilidade de Jagger e Richards para compor, o que causava al...

Vídeo

Rodoviários não aceitam proposta das empresas de ônibus e paralisam as atividades nesta terça-feira (26) Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta terça-feira 26.01:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram