Acorda Cidade - Dilton Coutinho

28 de Maio de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 21/05/2020 08h45.

Chefs de cozinha incentivam pessoas a desenvolverem dotes culinários durante a pandemia

Eles criaram o projeto 'No combate com os chefs', que apresentam receitas simples e com ingredientes fáceis que tem sido um grande sucesso nas redes sociais.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Chefs de cozinha incentivam pessoas a desenvolverem dotes culinários durante a pandemia
Foto: Arquivo Pessoal

Rachel Pinto

A pandemia do coronavírus (Covid-19) e o fato do distanciamento social que fez com que muitas pessoas ficassem em casa para evitar a contaminação pelo vírus, trouxe também uma nova realidade de trabalho, lazer e relacionamentos no ambiente domiciliar.

O trabalho em muitos casos passou a ser remoto, o chamado home office, o estudo incorporou as regras do ensino à distância e as relações familiares estão reconfiguradas a manter à distância e evitar o contato físico. O lazer, que ajudava a extravasar a rotina, também precisou ser modificado e passou a ser associado a descoberta de hobbies e talentos.

A culinária tem sido uma atividade que está aparecendo forte neste cenário de pandemia, tanto como forma das pessoas cozinharem seu próprio alimento, economizarem e evitarem sair de casa para comprar alimento na rua, como também, como forma de distração, descoberta e conexão com experiências de vida.

Dois conhecidos chefs de cozinha que atuam em Feira de Santana, chef Iran Vivas e chef Luciana Soares, encontraram uma forma diferente se conectarem com as pessoas e com a cozinha neste período e contaram à reportagem do Acorda Cidade como tem sido esta atividade.

Eles criaram o projeto “No combate com os chefs’’, onde cada um faz uma receita com a mesma base de ingredientes e divulgam nas redes sociais o passo a passo de cada etapa. A iniciativa tem somado muitos simpatizantes, pessoas que se identificam com a culinária e outras que a partir deste momento resolveram se aventurar pela cozinha.

O chef Iran Vivas, que começou a sua história como chef de cozinha há 12 anos, disse que sua relação com a cozinha vem desde muito cedo, quando ainda era criança e em uma família cheia de irmãos, ele gostava de ajudar a mãe nas receitas familiares. Com a matriarca ele aprendeu a cozinhar e desenvolveu o amor por este universo. Na opinião dele, a afetividade é um dos principais ingredientes que não pode faltar em uma cozinha e no cenário atual de distanciamento social, esta mesma afetividade, tem confortado muitos corações.

Iran Vivas afirmou que sempre gostou de divulgar sobre o seu trabalho, as receitas nas redes sociais e a ideia da "No combate com os chefs", veio como uma forma de ajudar as pessoas a superarem esse período se aproximando mais da cozinha, dos sabores e inclusive de memórias vividas que tem relação com a culinária.

Foto: Arquivo Pessoal

“Sempre tive o hábito de registrar e divulgar o meu trabalho nas redes sociais e tenho muitos seguidores. Neste momento de pandemia, muitos deles contam que cozinhar tem ajudado muito a superar o distanciamento. Eles reaplicam as receitas e vão lembrando de histórias e de pessoas. Marcam outros amigos e assim, isso cria um movimento muito bacana”, disse.

O chef tem tido grande retorno dos seguidores nas redes sociais, principalmente quando apresenta receitas simples e que fizeram parte da infância das pessoas. Ele divulgou recentemente uma receita de um ovo de codorna coberto e foi sucesso absoluto entre os seguidores. Vários deles fizeram a receita, se lembraram de momentos vividos e se sentiram alegres ao reviverem momentos felizes através da comida.

Foto: Arquivo Pessoal

“As pessoas interagem bastante. Dão sugestões e eu acho isso extremamente interessante. São pessoas que sempre estão comentando e relatam o quanto tem sido bom esse contato. Sempre tenho o cuidado de adaptar, o cuidado do reaproveitamento do alimento no sentido de que o frango de meio dia, pode virar a torta salgada da noite, pode virar uma massa ao molho de frango, o lombo que usou meio dia, pode se transformar em uma esfirra. Temos que ter muito esse jogo de cintura nesse momento que é um momento crítico. Um momento que não podemos estar nos expondo e a gente pode sim, abrir a geladeira, olhar com criatividade e fazer muita coisa. Fico muito feliz quando as pessoas entram em contato”, comentou.

O chef, que também é professor de gastronomia, teve como aluna Luciana Soares, que é farmacêutica por formação, mas tornou-se chef de cozinha há seis anos. Ela já foi estagiária dele e ambos desenvolveram além de uma relação profissional, uma relação de amizade, carinho e muito afeto.

Luciana que já desenvolvia o projeto “Cozinhaterapia”, que compartilha momentos da cozinha com o seu filho Luizinho, com receitas fáceis para que as mamães possam fazer com os seus filhos, o convidou para juntos protagonizarem o projeto “No combate com os chefs”.

A iniciativa que não tem nenhum perfil de disputa é uma forma de mostrar as inúmeras possibilidades com os ingredientes e como é fundamental a criatividade na cozinha.

Iran afirma que tanto ele como Luciana buscam trazer ingredientes simples e fazer com que as pessoas usem produtos que têm em casa.

Foto: Arquivo Pessoal

“Ela me convidou para fazer parte junto com ela desse projeto. Com isso, chegou março, o período do distanciamento e nós não queríamos perder essa interação, com os nossos alunos, com os nossos clientes dos cursos e os nossos seguidores. Ela teve essa ideia do “No combate com os chefs", em que ela faz um prato e eu faço o mesmo prato, sempre usando a criatividade e a mesma base. Usamos os produtos que temos em casa para evitar a saída e a exposição. Fazemos coisas retrôs e tivemos também a participação do produtor de eventos Will Bitencourt, com receitas que nos remetem às coisas da infância. Outro dia fiz um sanduíche americano de quitute, um alimento que marcou muito a minha infância”, relatou.

Iran ressaltou que assim como o amor, o afeto manifestado através da cozinha, as receitas que ele tem feito durante o distanciamento social tem lhe levado para as lembranças do colo de sua mãe, principalmente e lhe trazem muita esperança.

“Eu acho que toda essa história da cozinha traz amor e no distanciamento tem me levado para o colo de minha mãe que está em Salvador. Cozinhar, lembrar de determinados pratos que eram feitos em casa. Isso traz muita esperança de que logo isso vai passar e será uma fase. Um grande aprendizado e nesse momento, nós estamos também aprendendo a interagir através da gastronomia”, frisou.

A chef Luciana Soares relatou que cozinhar sempre foi um refúgio e uma atividade muito prazerosa em sua vida. Hoje essa atividade é também uma profissão e ela ministra vários cursos de culinária na cidade. Tem um perfil na rede social Instagram, onde divulga um pouco do seu dia a dia e os pratos que faz, assim como várias dicas que atraem muitos seguidores.

Foto: Arquivo Pessoal

“Sou movida pelo amor que tenho pela gastronomia, e o quanto posso ajudar outras pessoas a descobrirem o quanto cozinhar faz bem. As redes sociais são a forma mais fácil e rápida de interagir com as pessoas e tenho focado nisso nos últimos anos. Com a pandemia esse foco em rede social acabou aumentando por que tive que interromper a programação de cursos presenciais. Aí foram surgindo várias ideias para estar mais perto dos meus alunos e seguidores e incentivar outras pessoas a aproveitarem esse momento de isolamento para praticar a cozinhaterapia. O número de seguidores tem aumentado, tudo isso me fez refletir e foram surgindo ideias para engajar as pessoas. O resultado superou todas as minhas expectativas”, contou.

Foto: Arquivo Pessoal

A chef observa que também está muito feliz com o retorno das pessoas. Recebe muitas mensagens e fotos dos pratos. As pessoas tiram dúvidas e apesar do distanciamento social, há uma interação muito grande. Segundo ela, quando mais simples as receitas, mais os seguidores se identificam e as preferidas são as receitas de pães e bolos.

Ela fez uma receita de um sequilho junto com o filho Luizinho e várias pessoas reaplicaram a receita em família, lembrando das reuniões entre parentes e festas da infância.

Foto: Arquivo Pessoal

Ela disse que o “No combate com os chefs”, que realiza junto com o amigo, o chef Iran Vivas, é uma forma divertida e simples de ambos compartilharem o conhecimento que têm da gastronomia.

“Trazemos um pouco do nosso dia a dia durante o isolamento. Focando em ingredientes de fácil acesso para que todos possam reproduzir as receitas em casa. Acredito que cozinhar é uma forma de resgatar o afeto e a esperança. Muitas pessoas estão sendo obrigadas a cozinhar por conta do isolamento, fechamento de restaurantes e contenção de despesas. Mas, já tenho ouvido muitos relatos do quanto isso tem feito bem nesse período. Cozinhar nos ajuda a controlar o estresse e ansiedade, desperta a criatividade e nos une, seja no fogão ou à mesa. Convido a todos para praticarem essa terapia”, pontuou.

Conheça mais sobre o trabalho dos chefs Iran Vivas e Luciana Soares através dos perfis o Instagram: @ iran_vivas e @omundodelu

Foto: Arquivo Pessoal

Leia também:
Feirenses se dedicam a atividades de jardinagem e cultivo de plantas para enfrentar o distanciamento social

Para sobreviver à crise, palhaço se reinventa e cria kit de pipocas pré-pago

Igreja católica cria alternativas para manter atividades religiosas em tempos de pandemia

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Cerca de 30 pessoas apresentam sintomas de chikungunya em bairro de Feira de Santana
Feira de Santana

Cerca de 30 pessoas apresentam sintomas de chikungunya em bairro de Feira de Santana

O gerente de endemias Edvaldo Correia esteve no local a convite do Acorda Cidade.

2.230 pessoas perderam empregos com carteira assinada no mês de abril Feira de Santana
Desemprego

2.230 pessoas perderam empregos com carteira assinada no mês de abril Feira de Santana

Os dados são do Caged. Depois de Salvador, Feira de Santana foi a cidade da Bahia que mais perdeu postos de e...

Bancos e casas lotéricas têm longas filas nesta quinta-feira (28) em Feira de Santana
Feira de Santana

Bancos e casas lotéricas têm longas filas nesta quinta-feira (28) em Feira de Santana

Mesmo com o comércio fechado, há grande circulação de pessoas e veículos nas ruas da cidade. Em algumas c...

Vídeo

Auxílio emergencial: filas tranquilas em agências da Caixa neste feriado antecipado de São João Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram