Acorda Cidade - Dilton Coutinho

05 de Julho de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Mundo

Todas as notícias
Publicado em 24/04/2020 17h08.

Covid-19 pode causar retrocesso de 20 anos no combate à fome no mundo

Avaliação é do ex-diretor da FAO, José Graziano
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

Acorda Cidade

Agência Brasil - A crise causada pela pandemia do novo coronavírus pode fazer com que o mundo retroceda 20 anos no enfrentamento à fome, avalia o ex-diretor geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano.

Segundo Graziano, as projeções indicam que pode haver um aumento de 140 milhões no número de pessoas em pobreza extrema, levando para 1 bilhão a quantidade de pessoas que passam fome no mundo. “É o número que nós tínhamos 20 anos atrás, no início dos anos 2000. É retroceder 20 anos no combate à fome”, enfatizou ao participar de um seminário online promovido pelo Instituto Brasil África.

Nutrição e obesidade

Para além do problema da falta de alimentos, Graziano chamou a atenção para necessidade de que seja promovida uma dieta balanceada para as populações. “Se nós dependermos só de comida processada ou ultraprocessada, e deixarmos de lado frutas, legumes, nós podemos aumentar o nosso problema de obesidade”, disse.

Graziano defende que sejam feitas políticas que permitam o acesso a frutas e legumes frescos. “Se nos tornarmos comedores de batatas, de arroz importado e de cachorro-quente, isso vai aumentar o sobrepeso”, disse.

De acordo com a FAO, dentre os dez países líderes da obesidade no mundo, quatro estão nas Américas, sendo dois na América Latina. A liderança é exercida pelos Estados Unidos, com 38,2%; seguido do México, com 32,4%; Canadá, com 25,8%; e Brasil (20,8%). Em todo o mundo, há em torno de 672 milhões de pessoas obesas.

Graziano lembrou que o sobrepeso e a obesidade são fatores que estão associados ao agravamento da doença causada pelo coronavírus, mesmo em pacientes jovens. “Isso também vai comprometer as futuras gerações. Pessoas que são obesas vão ter mais problemas de saúde no futuro”, disse.

Para contornar o problema, o ex-diretor acredita que seja necessário reforçar as cadeias locais de produção de alimentos, abrindo caminho para os pequenos agricultores. “Não podemos confiar só nos mercados, nas commodities e nas importações em relação à comida”, disse.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Diante da atual pandemia, Testemunhas de Jeová realizam congresso on-line histórico
Brasil

Diante da atual pandemia, Testemunhas de Jeová realizam congresso on-line histórico

A partir de 11 de julho, as sessões do congresso começarão a estar disponíveis no site jw.org.

Brasileira é selecionada para curso da Nasa nos Estados Unidos
Mundo

Brasileira é selecionada para curso da Nasa nos Estados Unidos

Isadora Stefanhak Costa Arantes, de 17 anos, quer ser astrofísica. Alunos terão aulas de astronomia e engenh...

Mundo

Argentinos monitoram nuvem de gafanhotos

Autoridades pedem que população avise se avistar os insetos

Vídeo

Entregadores de apps de Feira de Santana aderem a greve nacional e reivindicam melhores condições de trabalho Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram