Acorda Cidade - Dilton Coutinho

30 de Maio de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Política

Todas as notícias
Publicado em 25/03/2020 16h44.

Autoridades da Bahia repudiam pronunciamento de Bolsonaro sobre o coronavírus

O prefeito de Salvador, ACM Neto, e a União dos Municípios da Bahia repudiaram a fala do presidente da república, enquanto Fábio Villas-Boas, secretário de saúde do estado, se disse “estarrecido”.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Autoridades da Bahia repudiam pronunciamento de Bolsonaro sobre o coronavírus
Foto: Reprodução

Acorda Cidade

Assim como políticos e instituições de todo o país, autoridades da Bahia reagiram em tom crítico ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, que contrariou a orientação de especialistas em saúde em relação ao coronavírus e pediu o fim do “confinamento em massa”.

O prefeito de Salvador, ACM Neto, e a União dos Municípios da Bahia repudiaram a fala do presidente da república, enquanto Fábio Villas-Boas, secretário de saúde do estado, se disse “estarrecido”.

ACM Neto, prefeito de Salvador (DEM-BA)

“Eu considero as declarações do presidente também irresponsável, porque até essa altura do campeonato, a gente precisa é união de todos, e o presidente quando trata o que nós estamos enfrentando como uma ‘gripezinha’, ele também, na minha opinião, está desconsiderando a dor e o sofrimento das famílias que já perderam seus entes, de pessoas que já morreram pelo coronavírus".

"Ele está desrespeitando, na minha opinião, as pessoas que estão nesse momento enfermas, que estão reclusas, que estão em isolamento já acometidas pelo coronavírus. Não é justo que o presidente da república traga esse tipo de declaração, não é razoável que diante de um problema tão sério, tão crítico, a gente tenha o presidente minimizando e atenuando o que pode significar o sacrifício e a vida de milhares de brasileiros. E eu, com a responsabilidade que tenho como prefeito, mas também com o sentimento que tenho também como cidadão, como pai de família, eu não aceito e portanto repudio as declarações que o presidente deu no seu pronunciamento à nação na noite de ontem”.

Fábio Villas-Boas, secretário de saúde da Bahia

“Nós, secretários de saúde, assistimos ontem estarrecidos ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro desfazendo tudo que se construiu no combate ao coronavírus ao longo das últimas semanas no Brasil. Quero dizer que enquanto o SUS tiver sendo conduzido por técnicos, como do Ministério da Saúde, e as secretarias estaduais e municipais, enquanto tivermos lideranças como o governador Rui Costa, o Brasil estará protegido, mesmo que as lideranças maiores de Brasília estejam trabalhando pelo pior cenário”.

União dos Municípios da Bahia

“A União dos Municípios da Bahia (UPB) assistiu com grande preocupação ao pronunciamento do Presidente Jair Bolsonaro na noite de terça-feira (24). Após esforços concentrados em ações locais de conscientização da população para manter o distanciamento social, fechar escolas, rodoviárias e estabelecimentos comerciais, os prefeitos foram descredibilizados em rede nacional pelo presidente da República, em um ato contraditório das orientações dadas pelo seu próprio governo, através do Ministério da Saúde".

'Aos prefeitos baianos, o pronunciamento do presidente passou a sensação de que o Brasil está desgovernado, sem uma liderança coerente e responsável, que respalde as decisões dos gestores locais nesse momento de crise. Deixa a certeza de que, ao seguir seus delírios de que trata-se de uma "gripezinha", serão as lideranças municipais criminalizadas pelas mortes diante da total falta de estrutura para atender casos graves, como vêm sendo registrados em diversos países".

"A União dos Municípios da Bahia (UPB) orienta que os prefeitos sigam tendo responsabilidade com seus munícipes, garantindo o direito fundamental à vida, implementando as medidas necessárias já orientadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Governo do Estado da Bahia, na contenção do vírus que deixa um rastro de morte por onde passa”.

Nelson Leal, presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA)

“Estamos com um baixo nível de infectados pelo Covid-19 graças à ação do Governo do Estado, com o apoio dos deputados desta Assembleia que votaram, por unanimidade, nos dois decretos – estadual e municipal – pelo estado de calamidade pública. Portanto, esqueçam a fala de ontem, desproposital e incoerente, do Sr. Presidente da República, Jair Bolsonaro: continuem em casa, porque é a nossa chance de ganhar esta batalha.

O Presidente foi muito infeliz no seu pronunciamento, indo na contramão do que estão fazendo os EUA, a Europa, a China, a Índia, a Austrália. O que os governadores e prefeitos – inclusive o governador da Bahia, Rui Costa – estão fazendo é tentando salvar vidas. A economia vai sofrer grandes impactos, mas a hora agora é de tentar reduzir, ao máximo, o número dos que vão morrer com o Covid-19.

Depois de tudo que estamos assistindo no mundo, esperava-se que o Presidente nos enviasse uma mensagem de segurança e de proteção aos brasileiros. Ao contrário, ele jogou o país em um abismo maior do que o já vivemos, conseguindo a proeza de ser dissonante do seu próprio governo, do seu país e do mundo. Vamos ficar em casa, diminuir a curva do contágio e ter um amanhã de mais alegrias e menos tristeza”.

As informações são do G1.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Aras se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro
Política

Aras se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro

Pedido para apreensão foi feito por partidos da oposição.

Câmara aprova negociação de dívidas de micro e pequenas empresas
Política

Câmara aprova negociação de dívidas de micro e pequenas empresas

Empresas devem participar do Simples Nacional.

Câmara aprova MP que fixou salário mínimo para R$ 1.045; entenda
Política

Câmara aprova MP que fixou salário mínimo para R$ 1.045; entenda

A proposta entrou em vigor em fevereiro, mas precisa ser aprovada pelo Congresso para virar lei em definitivo....

Vídeo

Manifestantes protestam contra o fechamento do comércio em frente a Hospital de Campanha e pedem informações sobre obra Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram