Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Senac
  • Senac
  • Senac
27 de Fevereiro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Educação

Todas as notícias
Publicado em 12/02/2020 14h12.

Colégios cívico-militares estão sendo implementados gradativamente

O governo federal prevê o regime em 216 unidades nos próximos três anos
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Colégios cívico-militares estão sendo implementados gradativamente
Foto: Divulgação

Agência Educa Mais Brasil

Implementada em algumas instituições como projeto-piloto, as escolas cívico-militares, propostas pelo governo federal, por meio do Ministério da Educação (MEC), estão em funcionamento no Brasil. Por isso, com o início do ano letivo nas unidades da educação básica, tanto pública quanto privada, algumas escolas começaram as atividades com uma rotina diferente.

A atual gestão pretende implementar, gradativamente, 216 escolas nesse modelo até 2023, logo, serão 54 unidades a cada ano, distribuídas em todas as unidades federativas e no Distrito Federal. O programa pretende melhorar a qualidade de ensino na rede pública e transmitir valores éticos aos jovens estudantes, segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante a apresentação do projeto. A iniciativa também deve contribuir para reduzir a evasão escolar, ainda crescente no ensino médio.

Ex-aluna de Colégio Militar, Laiane Ribeiro, 21, fala sobre sua qualificação na época escolar. “Eu sou formada em um sistema militar. Apesar da rigidez e disciplina, eu reconheço que é um ensino diferenciado. Dificilmente encontraria um colégio público que me proporcionasse a infraestrutura e qualidade de ensino ofertada pela instituição militar”, conta a estudante do 4º semestre do curso de Direito.

A pedagoga Miraildes Santos, atuante na área de educação há 28 anos, trabalha em uma instituição municipal integrante do programa desde julho de 2019 e comenta sobre a mudança que presenciou no comportamento dos estudantes. “A mudança foi notória quanto à disciplina dos alunos. Eles permanecem em sala, mesmo com aulas vagas, passaram a respeitar mais os colegas e professores, houve limite no horário de usarem os sanitários e beberem água e isto refletiu na aprendizagem deles”, conta.

A coordenadora ressalta a importância sobre a interferência dos militares no processo de gerenciamento da escola. “Foram cinco policiais atuando neste processo de Vetor Militar - 1 diretor disciplinar, 1 coordenador disciplinar e 3 tutores militares, que muito nos ajudaram na disciplina e orientação dos alunos. Desta forma foi bastante válido este processo de militarização, sendo que um dos objetivos é o combate à violência e ao uso de drogas”, explica.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Plataforma online concentra dados sobre cientistas brasileiras; o intuito é promover os estudos
Educação

Plataforma online concentra dados sobre cientistas brasileiras; o intuito é promover os estudos

É possível encontrar artigos relevantes das cientistas

Educação

Pré-selecionados no Fies devem complementar informações até 2 de março

Com o documento em mãos, o próximo passo é ir, em até dez dias — contados a partir da data de emissão do...

Escola Thaiane Pinheiro comemora 30 anos de compromisso com a educação, trabalho e perseverança
Educação

Escola Thaiane Pinheiro comemora 30 anos de compromisso com a educação, trabalho e perseverança

A escola foi fundada em fevereiro de 1990, em Feira de Santana

Vídeo

Funcionários terceirizados do Fórum Filinto Bastos paralisam as atividades Veja mais Vídeos ›

Podcast

Corpo encontrado em Feira de Santana com sinais de tortura é de Policial Militar
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram