Acorda Cidade - Dilton Coutinho

03 de Dezembro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Vladimir Aras

Todas as notícias
Publicado em 05/02/2020 11h06.

Proibição do bis in idem a partir de julgamento no exterior

Na etapa investigatória, há ensejo para investigações conjuntas, por meio de Joint investigative teams, ou para investigações paralelas coordenadas entre dois ou mais países.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Proibição do bis in idem a partir de julgamento no exterior
Foto : Divulgação

Por Vladimir Aras 

Em novembro de 2019, ao julgar o HC 171.718/SP, a 2ª Turma do STF decidiu que a ordem jurídica brasileira veda a dupla persecução penal mesmo quando a ação penal for proposta no exterior.

A proibição do bis in idem na sua faceta transnacional ocorre quando dois ou mais países têm jurisdição sobre o mesmo fato. A aptidão de jurisdições concorrentes pode acarretar a dupla persecução penal, que é vedada pelas convenções de direitos humanos, notadamente pelo Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos – PIDCP (1966) e o Pacto de São José da Costa Rica (1969), também conhecida como CADH.

Segundo o art. 8.4, da Convenção América de Direitos Humanos (CADH), “o acusado absolvido por sentença passada em julgado não poderá ser submetido a novo processo pelos mesmos fatos”

Por sua vez, o art. 14.7 do PIDCP determina que “Ninguém poderá ser processado ou punido por um delito pelo qual já foi absolvido ou condenado por sentença passada em julgado, em conformidade com a lei e os procedimentos penais de cada país”.

Deste modo, se o julgamento condenatório ou absolutório noutro país tiver como objeto os mesmos fatos sujeitos à jurisdição criminal brasileira, está vedada a dupla persecução penal. Isto é, observa-se o non bis in idem.

Porém, se houver comprovação de que o julgamento no estrangeiro “não se realizou de modo justo e legítimo, desrespeitando obrigações processuais positivas, a vedação de dupla persecução pode ser eventualmente ponderada para complementação em persecução interna.”

O exame do acórdão e dos votos dos ministros da 2ª Turma permitirá aferir o exato alcance dessa decisão, e contextualizá-la no Código Penal e na Lei de Migração, sobretudo quanto aos resquícios de bis in idem presentes no CP.

Quanto ao primeiro ponto, importa saber, por exemplo, se o STF considera a identidade de fatos tal como relatados pelos Ministérios Públicos de cada um dos países ou se teve em conta as imputações efetivamente apresentadas em juízo contra a pessoa, considerando previsões típicas similares nos dois países. Podemos ter fatos simetricamente narrados em países diferentes, mas com imputações substancialmente distintas, à luz do direito penal local.

À luz do acórdão, também será possível aferir os apontamentos que se espera tenham sido feitos pelo STF quanto à jurisdição no contexto da soberania estatal.

Sabe-se que tal tema merece atenção do direito internacional e também do direito interno de federações. O mais notável exemplo está nos Estados Unidos, país no qual, tal como aqui, é vedado o double jeopardy (bis in idem), mas cuja Suprema Corte reconhece a sobreposição de soberanias (dual sovereignty doctrine), entre a Justiça da União e a Justiça dos Estados federados.

Enquanto não sai o acórdão da 2ª Turma do STF, de pronto pode-se antever que ganha importância a coordenação de jurisdições de países distintos, desde a fase inicial da persecução penal até o encerramento da instância penal, sob três formas, isolada ou conjuntamente consideradas.

Na etapa investigatória, há ensejo para investigações conjuntas, por meio de Joint investigative teams, ou para investigações paralelas coordenadas entre dois ou mais países. Montar forças tarefas transnacionais, entre órgãos do Ministério Público e da Polícia, reduz o risco de duplicação de esforços sobre os mesmos fatos.

Na etapa processual propriamente dita, surge ocasião para a transferência de processos penais (delegação de jurisdição) de um país a outro, em prol da boa administração da Justiça. Um dos países renuncia à persecução penal em proveito de outro, o que naturalmente impede o bis in idem internacional.

Na etapa da cumprimento da sentença condenatória, em lugar de pedidos de extradição ou de entrega de indivíduos para execuções penais sucessivas neste e depois naquele país, existe a possibilidade de optar-se pelo julgamento em um só deles. Obtida a condenação, faz-se a transferência da execução penal (enforcement of foreign judgments) para o juízo mais conveniente à boa administração da justiça. Esta opção somente se tornou possível para o Brasil em 2016, com a entrada em vigor da Lei de Migração.

Espero voltar a este tema.

Para ler mais sobre a double jeopardy no direitos dos Estados Unidos, veja este post: “Dupla persecução criminal, dual sovereignty e non bis in idem”.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

O conceito de organização criminosa e suas controvérsias
Blog do Vlad

O conceito de organização criminosa e suas controvérsias

A terceira tese pode encaminhar-se para assinalar que a Lei 12.694/2012 continua em vigor.

A convenção de Palermo contra o crime organizado
Blog do Vlad

A convenção de Palermo contra o crime organizado

Direta ou indiretamente, outras leis brasileiras cumprem o papel de normas implementadoras dos mandados conven...

O depoimento de altas autoridades no processo penal brasileiro
Blog do Vlad

O depoimento de altas autoridades no processo penal brasileiro

Em qualquer caso, fica intacto o direito ao silêncio.

Vídeo

Sinaleira desaba no cruzamento da Rua Bacelar de Castro com a Papa João XXIII Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram