Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
  • SECOM CLERISTON
  • SECOM
03 de Abril de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Polícia

Todas as notícias
Publicado em 10/01/2020 18h50.

'Se aproveitaram da fraqueza dele com relação ao álcool, diz irmã de catador de material reciclável que morreu após aceitar aposta

Polícia não descarta a possibilidade de crime no caso.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
'Se aproveitaram da fraqueza dele com relação ao álcool, diz irmã de catador de material reciclável que morreu após aceitar aposta
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Rachel Pinto

A Polícia Civil de Feira de Santana não descarta a possibilidade de existência de crime no caso da morte do catador de material reciclável Wellington Cardoso da Silva, de 39 anos. Ele morreu na quarta-feira (8), após ingerir toda a bebida alcoólica que estava em uma garrafa em troca de R$20. A bebida foi oferecida por supostos colegas da vítima e as imagens da aposta circularam nas redes sociais. Também circularam pelas redes sociais outros dois vídeos onde o catador aparece desacordado e os colegas despejam água em seu rosto no intuito de reanimá-lo e sem seguida outro vídeo no qual Wellington aparece em cima de uma carroça, sendo socorrido por dois homens para a policlínica do Conjunto George Américo.

Irmã da vítima (Foto: Ed Santos/Acorda Cidade)

Janaína Cardoso da Silva, irmã de Wellington, lamentou a morte do irmão e na opinião dela, as pessoas que fizeram a aposta para que ele ingerisse toda a bebida se aproveitaram da fraqueza dele com relação ao álcool. Ela afirmou em entrevista ao Acorda Cidade que desde pequeno, o irmão lutava contra o vício e inclusive a família estava buscando interná-lo em um centro de recuperação para alcoólatras. Ela salientou que a família quer justiça e que Wellington morava sozinho, trabalhava como catador de materiais para custear a bebida alcoólica e deixou uma filha de 13 anos.

“Foi uma brincadeira de mau gosto. Se aproveitaram da fraqueza dele para fazer essa maldade. Ele costumava beber com os amigos e bebia todos os dias. Até agora eu não sei direito como aconteceu. Recebi a notícia de que ele chegou à policlínica morto. Vamos dar uma queixa às autoridades e aguardar para ver o que acontece”, comentou.

Investigações

O delegado Alisson Cardoso afirmou em entrevista ao Acorda Cidade que a polícia analisa as imagens do fato e que aguarda o resultado do laudo da necropsia para saber qual foi a causa da morte de Wellington. Segundo ele, a hipótese de homicídio não é descartada e investigação vai ouvir também familiares, buscar informações sobre o comportamento da vítima e se era comum esse tipo de comportamento de ingerir bebidas alcoólicas. Ele informou que o fato foi registrado como morte a esclarecer.

Delegado Alisson Cardoso (Foto: Ed Santos/Acorda Cidade)

“Ainda não há um crime definido, mas nós não descartamos a possibilidade de que ao final de um inquérito policial nós cheguemos até a conclusão de um crime. Na verdade o laudo vai ser emitido pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT). A policlínica nos acionou em virtude de ter chegado até lá o corpo de um homem. Com remoção desse cadáver até o DPT, nós aguardamos o laudo da perícia para definir a causa da morte. A gente tem um leque de possibilidades e eu não descarto nenhuma possibilidade, inclusive a de não haver crime. A investigação está sendo feita com base na atipicidade. Não obstante, nós temos que ver vários fatores, ouvir pessoas, buscar outros indícios e caso seja vislumbrado pela Polícia Civil a existência de um crime, nós faremos os devidos indiciamentos e seguiremos conforme a lei determina”, explicou.

O delegado declarou que a morte de Wellington tem interesse policial e para toda a sociedade e que no primeiro momento a polícia não fala em pessoas acusadas.

“A Polícia Civil não descarta a possibilidade de um crime ainda. Mas, nós podemos chegar sim até a possibilidade também de um homicídio culposo, quando a gente verifica que houve uma imprudência , negligência, ou imperícia por parte de algumas pessoas. Podemos chegar a conclusão ainda de um homicídio doloso que é aquele que há intenção de matar. Caso a gente verifique que haja a existência de um homicídio doloso, as pessoas normalmente responderão pelo crime de homicídio. E, não basta que a pessoa tenha a intenção, mas que ela assuma o risco sabendo que a pessoa poderia sofrer o resultado. Configurado dessa maneira não há nada que impeça que a Polícia Civil faça os devidos indiciamentos por meio de um homicídio doloso daquelas pessoas que estejam envolvidas diretamente com a morte do referido senhor”, acrescentou.

Leia também: Polícia Civil investiga morte de catador de material reciclável que ingeriu garrafa de bebida alcoólica em troca de dinheiro

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade.
 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Suspeito de assaltos morre em troca de tiros com a polícia em Humildes
Feira de Santana

Suspeito de assaltos morre em troca de tiros com a polícia em Humildes

Os policiais apreenderam um revólver calibre 32 e uma motocicleta.

Operação conjunta resulta na apreensão de seis fuzis
Feira de Santana

Operação conjunta resulta na apreensão de seis fuzis

As armas foram apresentadas na Polícia Federal, em Salvador.

Homem morre após confronto com a PM em Feira
Polícia

Homem morre após confronto com a PM em Feira

De acordo com a polícia, ele é suspeito de participação no homicídio na passarela do conjunto Viveiros.

Vídeo

Prefeito Colbert Martins confirma prorrogação de fechamento do comércio Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta quinta-feira 02.04
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram