Acorda Cidade - Dilton Coutinho

09 de Julho de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 18/11/2019 07h00.

Prática que ajuda a salvar bebês prematuros completa 40 anos

Método Canguru é adotado no Brasil por cerca de 200 unidades do SUS
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Prática que ajuda a salvar bebês prematuros completa 40 anos
Foto: Agência Brasil

Acorda Cidade

Agência Brasil - Quando uma criança nasce prematura e abaixo do peso, o bebê é levado imediatamente para a incubadora. Até quatro décadas atrás, esse recém-nascido tinha que ficar isolado da mãe porque os médicos temiam principalmente o risco de infecções. Criado em 1979, em Bogotá, na Colômbia, o Método Canguru tira os bebês desse isolamento e estabelece o protagonismo materno no tratamento neonatal.

Os bebês são colocados em posição vertical no colo da mãe ou do pai, amparados por um tecido, como se fossem filhotes de canguru e podem ficar ali por horas. Não é que as incubadoras passem a ser substituídas, mas essa tecnologia humanizada funciona como um complemento importante no tratamento.

“As incubadoras são muito boas, a tecnologia é muito apropriada para a saúde e a sobrevivência das crianças. O que fizemos foi permitir que as mães entrassem em todos os serviços de recém-nascidos, assim o bebê ficava com a pessoa mais importante para ele,” afirma Hector Martinez, pediatra e criador do Método Canguru. Ele ressalta que a presença da mãe é fundamental para o desenvolvimento do bebê.

Além do vínculo afetivo que é fortalecido com esse contato pele a pele diário, os benefícios da prática incluem regularização da temperatura do bebê – por causa do calor do colo dos pais – e ganho de peso.

“O Método Canguru favorece muito o aleitamento materno. Todas as pesquisas realizadas demonstram que os bebês que utilizam o método mamam por mais tempo exclusivamente no peito, e a mãe tem facilidade maior para amamentar,” ressalta a pediatra neonatologista e consultora do Ministério da Saúde Zeni Lamy. Segundo a especialista, que é uma das precursoras da introdução da prática no Brasil, estudos demonstram que, a longo prazo, ela leva a uma melhor escolaridade e a menos comportamentos de desvios, como o uso de álcool e outras drogas, além da violência.

No Brasil, o Método Canguru é adotado há 20 anos e hoje é utilizado por 200 unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). A mãe fica em um leito próximo ao do bebê e pode ficar com a criança no colo quanto tempo quiser. No mundo, a metodologia está presente em cinco continentes e é uma ferramenta para ajudar os 20 milhões de bebês prematuros que nascem todos os anos.  

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Alunos de Feira de Santana escrevem cartas para profissionais de saúde do Hospital Clériston Andrade
Gratidão

Alunos de Feira de Santana escrevem cartas para profissionais de saúde do Hospital Clériston Andrade

As cartas contemplaram todos os setores, desde o administrativo ao assistencial.

Covid-19: Brasil tem 67,9 mil mortes e 1 milhão de curados
Boletim

Covid-19: Brasil tem 67,9 mil mortes e 1 milhão de curados

País acumula 1,7 milhão de casos confirmados do novo coronavírus.

4 mortes e 201 novos casos confirmados de covid-19 em 24 horas em Feira de Santana
Boletim

4 mortes e 201 novos casos confirmados de covid-19 em 24 horas em Feira de Santana

De acordo com o boletim, mais 119 pacientes estão recuperados da doença elevando para 2.296 o número total...

Vídeo

Paciente do município de Ruy Barbosa recebe homenagem em Centro de Hemodiálise após vencer Covid-19 Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram