Acorda Cidade - Dilton Coutinho

15 de Dezembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 15/11/2019 14h56.

Sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas

Pesquisa foi feita com 2 mil pessoas nas cinco regiões do país.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Acorda Cidade

Agência Brasil - Dez afirmações falsas recorrentes sobre vacinas foram apresentadas a mais de 2 mil entrevistados nas cinco regiões do Brasil, e o resultado preocupa a Sociedade Brasileira de Imunizações: mais de dois terços (67%) disseram que ao menos uma das informações era verdadeira.

A pesquisa foi feita pela sociedade médica em parceria com a organização não governamental Avaaz. Os questionários foram aplicados pelo Ibope entre 19 e 22 de setembro deste ano.

Entre os entrevistados, apenas 22% conseguiram identificar que as dez afirmações eram falsas. Mais 11% não souberam ou não responderam.

Para 24% dos entrevistados, "há boa possibilidade de as vacinas causarem efeitos colaterais graves", quando, na verdade, os efeitos adversos graves são raríssimos. A segunda afirmação falsa mais recorrente foi "há boa possibilidade de as vacinas causarem a doença que dizem prevenir", com 20% de concordância - uma em cada cinco entrevistas.

Apesar de as gestantes terem um calendário específico de vacinação formulado pelo Ministério da Saúde, 19% dos entrevistados concordaram com a afirmação falsa de que "mulheres grávidas não podem se vacinar".

O presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Juarez Cunha, chama a atenção que mesmo afirmações absurdas tiveram concordância de parcelas consideráveis dos entrevistados. Para 14%, é correto afirmar que "O governo usa vacinas como método de esterilização forçada da população pobre", e 12% disseram que "contrair a doença é, na verdade, uma proteção mais eficaz do que se vacinar contra ela".

Entre os entrevistados, 13% assumiram que deixaram de se vacinar ou deixaram de vacinar uma criança sob seus cuidados. Os motivos para essa ausência incluem falta de planejamento (38%) e difícil acesso aos postos de vacinação (20%), mas também foram citados o medo de ter um efeito colateral grave (24%), o medo de contrair a doença através da vacina (18%) e alertas e notícias vistos na internet (9%). Cada entrevistado citou até três motivos.

"Fica constatado que as pessoas estão recebendo muita informação inadequada, e que essa informação inadequada tem circulado com cada vez maior frequência. Com certeza, é mais um dos motivos que tem impactado as nossas coberturas vacinais", afirma Cunha.    

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Medicação com substância extraída da maconha para tratar doenças já está sendo prescrita em Feira de Santana
Saúde

Medicação com substância extraída da maconha para tratar doenças já está sendo prescrita em Feira de Santana

Octavio Guarçoni informou ainda que hoje em dia um tratamento com canabidiol pode variar entre 400 a 1000 rea...

Saúde

Saúde amplia público para vacinas contra febre amarela e gripe

As novas medidas passam a valer a partir de 2020

Proteção solar: o melhor remédio contra o câncer de pele
Saúde

Proteção solar: o melhor remédio contra o câncer de pele

No calendário da saúde, o dezembro laranja é voltado para a prevenção do câncer de pele e um dos aliados...

Vídeo

Aluno da UFRB é acusado de racismo por recusar documento de docente negra Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta sexta-feira 13.12:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram