Acorda Cidade - Dilton Coutinho

03 de Julho de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Política

Todas as notícias
Publicado em 31/10/2019 14h34.

Eduardo Bolsonaro diz que, 'se esquerda radicalizar', resposta 'pode ser via um novo AI-5'

Medida seria adotada na hipótese de haver sequestros de aviões e autoridades e mortes de policiais em protestos de rua.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Eduardo Bolsonaro diz que, 'se esquerda radicalizar', resposta 'pode ser via um novo AI-5'
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Acorda Cidade

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou em uma entrevista que, se a esquerda “radicalizar” no Brasil, uma das respostas do governo poderá ser “via um novo AI-5”. Eduardo deu a declaração ao falar sobre os protesto de rua que estão acontecendo em outros países da américa latina.

Leia também: Eduardo Bolsonaro se desculpa por declaração sobre AI-5

A entrevista do parlamentar, líder do PSL na Câmara dos Deputados, foi divulgada nesta quinta-feira (31) no canal do YouTube da jornalista Leda Nagle.

O Ato Institucional 5 (AI-5) foi baixado no dia 13 de dezembro de 1968, durante o governo de Costa e Silva, um dos cinco generais que governou o Brasil durante a ditadura militar (1964-1985).

O AI-5 é considerado um dos atos de maior poder repressivo tomados durante a ditadura, pois resultou na cassação mandatos políticos e suspensão de garantias constitucionais.

"Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual ao final dos anos 1960 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, quando se sequestravam, executavam-se grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, de militares”, disse Eduardo.

Ele continuou: "Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália, alguma resposta vai ter que ser dada, porque é uma guerra assimétrica, não é uma guerra onde você tá vendo seu oponente do outro lado e você tem que aniquilá-lo, como acontece nas guerras militares. É um inimigo interno, de difícil identificação aqui dentro do país. Espero que não chegue a esse ponto né? Vamos temos que ficar atentos".

Fonte: G1

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Audiência Pública discute contrato com a Embasa; investimento será de R$ 695 milhões
Feira de Santana

Audiência Pública discute contrato com a Embasa; investimento será de R$ 695 milhões

A lei prevê meta de cobertura de esgoto até 2033 de 90% e de fornecimento de água de 99%.

Rui Costa e ACM Neto participam de ato simbólico em homenagem ao Dois de Julho
Independência da Bahia

Rui Costa e ACM Neto participam de ato simbólico em homenagem ao Dois de Julho

Em função do isolamento social, somente autoridades civis e militares tiveram acesso à cerimônia.

 TSE reabre produção de provas em ações sobre hackeamento
Brasil

TSE reabre produção de provas em ações sobre hackeamento

Partidos de oposição protocolaram ações contra chapa Bolsonaro-Mourão.

Vídeo

Entregadores de apps de Feira de Santana aderem a greve nacional e reivindicam melhores condições de trabalho Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram