Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM - BAHIA AQUI É TRABALHO
  • SECOM - BAHIA AQUI É TRABALHO
19 de Novembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Variedades

Todas as notícias
Publicado em 21/09/2019 06h54.

Cegos também podem ser fotógrafos

Profissionais querem ser vistos como capazes e não só como exemplos de superação.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Cegos também podem ser fotógrafos
Foto: Marco Oton/divulgação

Acorda Cidade

Ganhou corpo nos últimos anos, no Brasil e no mundo, a prática de fotografia para pessoas com deficiência visual -- seja de forma amadora ou profissional. Os cegos fotógrafos se utilizam de outros sentidos para captar a foto e saber o que há no cenário a ser registrado, além de tomar como base algumas referências espaciais com a ajuda dos sons e de outras técnicas para poder se localizar.

Esses acontecimentos, por vezes, acabam sendo noticiados do ponto de vista da superação de obstáculos e desafios, mas a verdade é que grande parte dos fotógrafos cegos apenas quer se sentir em pé de igualdade com outros profissionais ou fotógrafos amadores. E utilizam a arte visual para representar sentimentos, desejos e comunicar a interpretação que possuem da realidade.

O simples fato de estar presente em um acontecimento e fazer parte daquele momento pode ser o suficiente para os fotógrafos cegos se recordarem de uma determinada foto. Com a ajuda de sons de pessoas, objetos ou alguma outra fonte sonora, conseguem criar uma imagem mental do registro que desejam fazer. Depois, basta perguntar para alguém como ficou a foto, para, por conta própria, saber se atingiu ou não os objetivos.

É o caso do fotógrafo esloveno naturalizado francês Evgen Bavcar. Ele constrói as fotos a partir do relato verbal das pessoas. Com a ajuda do tato, ele mede a distância entre a câmera e o item fotografado - seja um objeto ou uma pessoa. Bavcar tem memória visual, ou seja, pode se recordar das cores. Mas até mesmo quem nasceu cego pode desenvolver analogias e interpretações para cada cor existente.

No Brasil, alguns dos principais fotógrafos com deficiência visual são Teco Barbero, Marco Oton e João Maia. O último, inclusive, foi o primeiro fotógrafo com deficiência visual a registrar em imagens as olimpíadas, no ano de 2016. Mas existem diversas oficinas e iniciativas espalhadas ao redor do país para ensinar essa parcela da população a ter mais autonomia e independência para fazer seus registros, seja com uma câmera ou com um celular.

No caso do fotógrafo paulista Marco Oton, o contato com a fotografia começou ainda quando ele enxergava. A partir de 2004, passou a perder a visão de forma gradativa e foi no ano de 2008 que ele passou a desenvolver um método para ministrar um curso de fotografia para pessoas com deficiência visual no SENAC.

“Entendo que cada fotógrafo vai delineando o seu jeito de fotografar, por isso tenho minha própria técnica de eternizar momentos a partir da objetiva da câmera independentemente de ser câmera profissional, compacta ou celular”, diz. Para deixar a foto sempre alinhada, Marco sempre coloca a câmera embaixo do queixo para, assim, não perder a perspectiva do olhar.

O fotógrafo tenta romper com alguns paradigmas, como o fato das pessoas acreditarem que os registros fotográficos precisam ter um enquadramento perfeito e centralizado. Na opinião de Marco, a foto boa é aquela a qual o indivíduo conseguiu os objetivos pretendidos antes de dar o clique.

“Entendo que o maior fator limitador para expor o meu trabalho em grandes veículos de comunicação é a minha falta de visão, porque eles não param para ver o trabalho que executo, mas sim a minha deficiência visual como premissa avaliativa. Desta forma venho trabalhando incansavelmente para mostrar que a deficiência visual é apenas um charme no fotografar, porque tenho que potencializar todos os meus sentidos remanescentes no clique e assim registrar as fotos com muita qualidade”, ressalta o fotógrafo.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

3 dicas para mudar a decoração com pintura
Decoração

3 dicas para mudar a decoração com pintura

Veja sugestões de como você pode usar a tinta para mudar a decoração dos ambientes.

Pesquisa mostra maior preocupação das pessoas com coleta de seus dados
Vigilância e monitoramento

Pesquisa mostra maior preocupação das pessoas com coleta de seus dados

Entre os entrevistados, 79% se mostraram preocupados com a forma como empresas privadas tratam seus dados.

Consumidor terá mais informações sobre cobertura ao adquirir celular
Tecnologia

Consumidor terá mais informações sobre cobertura ao adquirir celular

A prestação do serviço de telefonia móvel depende de faixas radiofrequência, que devem ser utilizadas com...

Vídeo

Obras do Complexo Educacional, no Feira Tênis Clube, terão prédio de 7 andares e edifício garagem Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta terça-feira 19.11:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram