Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
17 de Outubro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 17/09/2019 19h15.

Acusado de matar esposa a facadas é condenado a 6 anos de prisão

O crime ocorreu dentro da casa do casal, situada na Rua Horizonte, no Conjunto Marco Figueiredo, bairro Sítio Novo, em Feira de Santana.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Acusado de matar esposa a facadas é condenado a 6 anos de prisão
Foto: Aldo Matos/ Acorda Cidade

Acorda Cidade

Foi condenado a seis anos de prisão, após julgamento no Fórum Filinto Bastos, Antônio Gonçalves da Silva, acusado de matar a companheira Rosângela dos Santos com golpes de faca, no dia 16 de novembro de 2018, por volta da 1h da madrugada. O crime ocorreu dentro da casa do casal, situada na Rua Horizonte, no Conjunto Marco Figueiredo, bairro Sítio Novo, em Feira de Santana. A pena foi aplicada pela juíza Márcia Simões.

Foto: Aldo Matos/Acorda Cidade

Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), a vítima e o acusado estavam ingerindo bebida alcoólica dentro de casa e foram dormir. Momentos depois, o acusado despertou percebendo que a companheira não estava mais na cama e ao sair da residência a avistou bebendo em um bar. Ele a levou para casa e voltaram a dormir. Ao acordar novamente, viu que ela não estava em casa e buscou no bar pela segunda vez.

O réu confessou o crime, mas disse que não se lembrava como tudo aconteceu. Ele prestou socorro à mulher, quando a viu ensanguentada, para a policlínica do bairro George Américo. No local, policiais da Base Comunitária o prenderam. A vítima morreu na policlínica e Antônio foi encaminhado ao Conjunto Penal, onde cumpre pena desde o dia do crime.

Foto: Aldo Matos/Acorda Cidade

De acordo com o Promotor de Justiça Ariomar, o acusado foi condenado a seis anos de reclusão em regime semiaberto. Com a retração penal, foi descontado o período em que ele já está preso. Antônio cumprirá mais cinco anos, mas certamente terá progressão de pena, se cumprir as exigências da Lei de Execuções Penais para ter o regime aberto.

“Nós sempre procuramos apresentar ao conselho de sentença as provas dentro da materialidade, tanto de que o crime ocorreu daquela forma, quanto da autoria, de que foi o réu que perpetrou o crime e o conselho de sentença julga e delibera em prol da sociedade feirense sempre. Seja a condenação, seja a absolvição é uma deliberação do Conselho de Sentença. Meu papel é apresentar as provas e o conselho de sentença deliberar da forma como for melhor dentro das suas consciências. O conselho de sentença rejeitou a tese da defesa de crime por lesão seguido de morte, e condenou pelo homicídio simples, que era a prova apresentada dos autos”, informou.

Foto: Aldo Matos/Acorda Cidade

A Defensora Pública Fernanda Morais disse que ficou parcialmente satisfeita com esse resultado.
“A gente não está aqui simplesmente para fazer a defesa de uma pessoa, mas no caso de Seu Antônio, ele é um senhor que a gente chama de hipervulnerável. Além da situação de miserabilidade financeira a que sempre esteve submetido, já esteve em situação de rua, morava em situação extremamente precária, e pela natureza das lesões, como ficou provado no processo e pela dinâmica das provas, no entendimento da Defensoria Pública, a intenção de matar não restou comprovada no processo. A gente entende que ele, apesar de nunca ter revelado essa periculosidade porque o problema dele era a dependência do álcool, ele já está preso há quase um ano e esse tempo de prisão não pode ser desprezado”, salientou ao Acorda Cidade.

A defensora afirmou ainda que esperava que o crime fosse desqualificado para lesão seguida de morte.
“Ficamos parcialmente satisfeitos porque ele foi condenado por homicídio simples, não incidiram qualificadores no caso concreto, mas em contrapartida a gente entende, com todo respeito à soberania dos jurados, que nesse caso a adequação jurídica do fato ao tipo penal previsto no código, não foi tão precisa quanto a gente esperava. A gente esperava que a conduta fosse desclassificada para lesão seguida de morte, e fomos vencidos para 4 a 3, tanto no pedido da desclassificação quanto da absolvição, que não foi formulada de maneira expressa pela defesa, mas exclusivamente nesse ponto de vista. A gente entende que fez um julgamento que respeitou a plenitude da defesa, a memória da vítima e toda a sociedade.”
 

Com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Chapa é assassinado próximo ao Parque de Exposições em Feira de Santana
Feira de Santana

Chapa é assassinado próximo ao Parque de Exposições em Feira de Santana

Vítima foi morta a tiros. A autoria é desconhecida.

Hackathon da Nasa movimenta Feira de Santana com desafios tecnológicos neste fim de semana
Feira de Santana

Hackathon da Nasa movimenta Feira de Santana com desafios tecnológicos neste fim de semana

O evento acontece de 18 a 20 de outubro no Campus da FTC, localizado na Avenida Artêmia Pires Freitas, no bai...

Em nota de esclarecimento, Feira Portal diz que não foi responsável pela alienação do direito de uso e fruição das lojas
Feira de Santana

Em nota de esclarecimento, Feira Portal diz que não foi responsável pela alienação do direito de uso e fruição das lojas

A nota diz que 'vem trabalhando incansavelmente com intuito de atender as demandas dos lojistas e dos consumid...

Vídeo

Incêndio em oficina destrói veículos e assusta moradores do bairro Pedra do Descanso Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta Quinta-Feira 17.10:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram