Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
20 de Setembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Ciência e Tecnologia

Todas as notícias
Publicado em 11/09/2019 19h08.

Laboratório produz pele humana para substituir testes em animais

O laboratório já produziu mais de 5 mil tecidos de pele reconstruídos.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Laboratório produz pele humana para substituir testes em animais
Foto: Samuel Allard / Laboratório Episkin

Acorda Cidade

Agência Brasil - A lei que estabelece novas regras para o uso de animais em testes estipulou o prazo de cinco anos para que os pesquisadores se adaptassem e utilizassem formas alternativas. O prazo de cinco anos termina no dia 24 de setembro deste ano.

A resolução normativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações reconhece o uso de métodos alternativos válidos que possam reduzir ou substituir o uso de animais em atividades de pesquisa. De acordo com a resolução, o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) reconhece 17 métodos alternativos. Um desses métodos permite teste da epiderme humana reconstituída.

Neste mês, o Laboratório Episkin, que é uma subsidiária da L´Oreal, foi inaugurado no Brasil. O laboratório fica no Centro de Pesquisa & Inovação da L’Oréal, na Cidade Universitária, no Rio de Janeiro.

Pioneiro mundial em reconstrução de pele, o laboratório de bioengenharia de tecidos vai disponibilizar pele reconstruída para testes em produtos. O material produzido pela unidade será utilizado em substituição ao uso de animais como cobaias em testes de produtos. O processo começa com a doação de restos de cirurgias plásticas para o laboratório. Daí se extraem os chamados queratinócitos. Essas células são cultivadas em placas de cultura e, depois de 17 dias em contato com o ar, se proliferam, formando múltiplas camadas de pele.

O laboratório já produziu mais de 5 mil tecidos de pele reconstruídos que foram utilizados no treinamento de mais de 100 pesquisadores no Mercosul, o que possibilitou a implementação de métodos alternativos em diversos laboratórios interessados em reduzir ou substituir os testes em animais.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Mestranda da Uefs desenvolve bioinseticida que combate o aedes aegypti
Ciência

Mestranda da Uefs desenvolve bioinseticida que combate o aedes aegypti

O estudo produzido em condições laboratoriais, derivou na mortalidade de até 76,6% das larvas, por meio do ...

Contas de menores de 13 anos serão apagadas do Instagram
Tecnologia

Contas de menores de 13 anos serão apagadas do Instagram

Celebridades mirins como Enrico Bacchi, ou as crianças da família Poncio, José, João e Davi devem ser atin...

Novo laser produzido na Bahia inova no ramo da nanotecnologia
Ciência

Novo laser produzido na Bahia inova no ramo da nanotecnologia

O cientista explica que a ideia é oferecer um material que seja mais eficiente, mais versátil e mais econôm...

Vídeo

Carro desgovernado invade clínica em Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta Quinta-Feira 19.09 (Parte 01):
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram