Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM - BAHIA AQUI É TRABALHO
11 de Novembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Dom Itamar Vian

Todas as notícias
Publicado em 09/09/2019 09h22.

Você e as bruxarias

O trovão, por exemplo, era explicado como admoestação divina.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

Há séculos atrás, entendia-se que o homem tivesse medo de supostas forças cósmicas. A ciência estava pouco desenvolvida e muitos fenômenos, próprios da natureza, eram encarados como de origem divina. O trovão, por exemplo, era explicado como admoestação divina.

COM O PROGRESSO científico, os fenômenos físicos passam a ser entendidos na sua própria estrutura, não sendo mais necessário buscar, na divindade ou em outras forças cósmicas a explicação que se encontra na própria natureza. Conseqüência direta é desaparecer o medo frente a supostas forças cósmicas. O homem se protege com os recursos naturais. Não necessita apelar para soluções sobrenaturais.

NESSE contexto, é cada vez mais estranho o avanço da superstição. Superstição é o medo frente a fenômenos da natureza, ou confiar o próprio destino à proteção de imaginárias forças que emanam de seres, plantas ou objetos. Certas datas do calendário amedrontam a pessoa supersticiosa: “Agosto dá desgosto”, “sexta-feira 13 é um perigo”... Em outras palavras, a pessoa renuncia ao próprio destino e o confia a objetos e forças naturais.

HÁ QUEM se declare livre da superstição, mas tem medo de passar por debaixo de uma escada, deixar o sapato virado para cima e se espanta ao ver um gato preto. Defende-se com galhos de arruda, figas pendurados ao peito e despachos. Pior ainda, deixa de buscar em Deus a proteção para sua vida, para buscá-la na natureza, na leitura dos astros, constelações e zodíacos, através dos horóscopos. Deve-se, porém, respeitar as pessoas que acreditam nessas “forças”.

O HOMEM “cientifico” se ajoelha diante da magia que, teoricamente, repudia. Uma parte da explicação para o renascimento da magia, da bruxaria, deve ser buscada na diminuição da fé em Deus. Deus fez o homem senhor da natureza, deu-lhe a missão de dominá-la e o homem, sem Deus, passa a ser servo dominado por ela. Acontece a renúncia à própria competência do homem de explicar e dominar os fenômenos naturais.

CERTA VEZ um autor escreveu que o homem sempre crê em alguma coisa: ou crê em Deus, ou crê em bruxas. Quanto maior a fé, menor a superstição. O nosso auxilio vem de Deus, que fez o céu e a terra. O Salmo 26 nos garante: “O Senhor é minha luz e salvação: a quem temerei? O Senhor é o protetor de minha vida: de quem terei medo?” (Sl 26,1)

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Artigo

Morrer de mãos vazias

Uma febre misteriosa atacou o rei, nas proximidades de Babilônia. De nada valeram os esforços médicos – mo...

Artigo

Ser mais do que ter

A finalidade é suscitar do espírito de solidariedade, mostrar quanto a vida é sagrada e que juntos somos ca...

Artigo

Gratidão aos médicos

Com dor, alegria e esperança, em suas mãos, colocamos nossa vida.

Vídeo

Jornalista Augusto Nunes dá tapa na cara de Glenn Greenwald Veja mais Vídeos ›

Podcast

Quadro Cá Entre Nós - 09.11
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram