Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
18 de Fevereiro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Política

Todas as notícias
Publicado em 04/09/2019 14h32.

Garotinho deixa presídio de Benfica no Rio

Garotinho afirmou que não se enriqueceu com a política e negou o recebimento de propinas conforme a denúncia do MPRJ.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Garotinho deixa presídio de Benfica no Rio
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Acorda Cidade

Agência Brasil - O ex-governador do Rio, Anthony Garotinho, deixou o presídio de Benfica, para onde foi levado, ontem (3), após a prisão decretada pelo juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense atendendo a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). Além dele, foram presos no âmbito da Operação Secretum Domus, a mulher de Garotinho, a ex-governadora e ex-prefeita de Campos, Rosinha Matheus; e Sérgio dos Santos Barcelos, Ângelo Alvarenga Cardoso Gomes e Gabriela Trindade Quintanilha, apontados, nas investigações, como intermediadores de propinas que, conforme o MPRJ, teriam sido recebidas pelo casal Garotinho no valor de R$ 25 milhões entregues pela construtora Odebrecht.

Na saída, junto com a filha, a deputada federal Clarissa Garotinho (PROS) e o advogado Vanildo José Júnior, o ex-governador atribuiu a sua prisão, em decisão de primeira instância, ao clima político de Campos, no norte fluminense, sua base eleitoral. Garotinho afirmou que não se enriqueceu com a política e negou o recebimento de propinas conforme a denúncia do MPRJ. “Se eu tivesse recebido propina não estava morando de aluguel no bairro do Flamengo”, afirmou.

Também na saída, Clarissa informou que seguiria com o pai para o presídio de Bangu, na zona oeste do Rio, onde sua mãe Rosinha Matheus estava presa.

A Operação Secretum Domus, foi deflagrada no Rio de Janeiro e em Campos dos Goytacazes, pelo MPRJ, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).

Conforme a denúncia as propinas da empresa Odebrecht foram obtidas em resultado do superfaturamento de R$ 62 milhões nos contratos, que somaram quase R$ 1 bilhão para a construção de casas populares nos programas Morar Feliz I e Morar Feliz II, durante os mandatos de Rosinha, de 2009 a 2016, na Prefeitura de Campos, no norte fluminense. De acordo com o ex-governador, as cinco mil casas do Programa Morar Feliz I foram construídas, entregues e pagas, mas quando o Morar Feliz II começou a crise com a queda do preço do petróleo e somente foram construídas 2700 moradias.

“Vamos em frente. Tenho minhas mãos limpas, minha consciência, a Rosinha também”, completou.

O ex-governador argumentou, que foi autor de denúncias no Ministério Público contra o também ex-governador Sérgio Cabral, incluindo pessoas de outras esferas, que, por isso, não estão satisfeitas com ele. “Espero que a Justiça julgue fatos e não fique julgando pessoas. Não podemos ter uma justiça nem partidária e nem personalista”.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), Rosinha Matheus, Sérgio dos Santos Barcelos, Ângelo Alvarenga Cardoso Gomes e Gabriela Trindade Quintanilha, ainda estão no sistema prisional do estado.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Targino Machado pede comparação de densidade eleitoral com Colbert e garante que estará no segundo turno
Eleições 2020

Targino Machado pede comparação de densidade eleitoral com Colbert e garante que estará no segundo turno

Os dois são pré-candidatos da situação a prefeito de Feira de Santana

Política

Em carta, governadores pedem diálogo e convidam Bolsonaro para reunião

Encontro deverá acontecer em abril.

Aumento do tempo de uso de veículo atende trabalhadores do transporte complementar, avalia Robinson
Bahia

Aumento do tempo de uso de veículo atende trabalhadores do transporte complementar, avalia Robinson

Antes, Subsistema Complementar Regional tinha a idade máxima de 5 anos de fabricação, no ato de assinatura ...

Vídeo

Duas pessoas morrem em colisão entre carro de funerária e caminhão Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta terça-feira 18.02:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram