Acorda Cidade - Dilton Coutinho

10 de Dezembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 13/08/2019 16h24.

Síndrome relacionada ao trabalho é classificada como doença pela OMS

A professora de psicologia da Unifacs, Roberta Machado, que é especialista em saúde mental, destacou que a Síndrome de Burnout está relacionada com a exaustão.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Síndrome relacionada ao trabalho é classificada como doença pela OMS
Foto: Reprodução

Daniela Cardoso e Ney Silva

O esgotamento profissional, conhecido como Síndrome de Burnout, foi incluído na Classificação Internacional de Doenças (CID) pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A lista é baseada nas conclusões de especialistas de todo o mundo e utilizada para estabelecer tendências e estatísticas de saúde.

A professora de psicologia da Unifacs, Roberta Machado, que é especialista em saúde mental, destacou que a Síndrome de Burnout está relacionada com a exaustão. Ela explica que antes as pessoas tinham uma noção de sobrecarga no trabalho, que poderia levar os trabalhadores ao sofrimento metal. Mas que agora criou-se a Síndrome de Burnout para entender que há sinais a mais para o trabalhador, que envolvem um adoecimento crônico, um adoecimento mental de gravidade.

“Não é só mais a sensação de cansaço. A Síndrome de Burnout acontece quando a pessoa não sabe mais quem é, não sabe o significado do trabalho, a pessoa apresenta alterações psíquicas, se perdem no tempo, no espaço, uma série de complicações até comportamentais, como agressividade e humor deprimido, tremores. É um conjunto de sinais e sintomas que caracterizam que o trabalhador está em exaustão física e emocional”, explicou.

Síndrome de Burnout e a depressão

A psicóloga falou ainda sobre as semelhanças e diferenças da Síndrome de Burnout e a depressão. Segundo ela, a síndrome não pode ser considerada como depressão, apesar de apresentar sintomas parecidos, pois a Síndrome de Burnout apresenta ainda outros sinais.

“A gente vai ver sinais de ansiedade e de episódios depressivos, mas a gente não pode considerar depressão, pois a essência pra dizer que tem Síndrome de Burnout, é aquele trabalhador, que tem vários sinais e sintomas, mas que estão relacionados com o trabalho, com a exaustão. Hoje é muito frequente a gente ter uma sobrecarga, para além da carga horária que foi contratado e isso causa exaustão física e emocional”, destacou.

Causas

De acordo com a psicóloga Roberta Machado, tem várias condições de trabalho que levam o sujeito a exaustão emocional. Ela exemplificou os profissionais de saúde, que trabalham em regime de plantão.

“Quem trabalha de plantão tem 24 horas de tensão e quando sai já vai trabalhar em outro local, então existe a extensão da carga horária. Hoje as pessoas são contratadas para trabalhar numa carga horária de 40 horas, mas devido a necessidade financeira que faz as pessoas terem que trabalhar em outro lugar, ou o próprio trabalho exige demais, chegando ao ponto do trabalhador ter a Síndrome de Burnout, por conta da estafa”.

A psicóloga Roberta Machado destaca a importância da Organização Mundial de Saúde colocar a Síndrome de Burnout como uma doença. Segundo ela, isso é um avanço, pois quando se considera como uma doença fica mais fácil provar a causa do acometimento do adoecimento pelo trabalhador.

“Quando a gente pensa em saúde mental do trabalhador, a área da psicologia, a gente entende que precisa associar sinais e sintomas com o trabalho. Às vezes o trabalhador pode apresentar determinados sintomas e que não necessariamente é por conta do trabalho. Com o adoecimento crônico, sendo considerado doença, a gente vai poder fazer um nexo causal realmente efetivo. O nosso problema é que quando a gente tinha um trabalhador acometido por acidente de trabalhado, era uma coisa visível. Mas quando o sujeito vem inteiro dizendo que está adoecido porque o chefe humilha, como vamos provar isso? Agora a gente tem como provar que o chefe passa trabalho demais e por isso que ele está em estafa, então isso é um avanço”, explicou.

Prevenção

Para a especialista, conciliar produtividade e saúde metal tem sido um grande desafio para a maioria dos trabalhadores. Ela destacou que é preciso relacionar os adoecimentos do momento com o cenário político e econômico que a gente vive e lembrou que vivemos em um momento neoliberal e capitalista, onde o capitalismo influencia as pessoas a trabalharem em excesso.

“É considerada uma pessoa produtiva aquela que faz a obrigação dela e ainda faz mais. Não há limites para trabalho e pra hora de trabalho. A pessoa está no celular resolvendo coisas de trabalho, nas horas em que deveria estar descansando, ou seja, o capitalismo faz você pensar que deve produzir e produzir e que você só vai ser bom e ficar no emprego se ir além, o que não é verdade, pois a gente precisa de lazer, precisa de um momento de ócio”, disse.

Maléficos da tecnologia e redes sociais

A especialista em saúde mental, Roberta Machado destaca que quando não se tinha tecnologia, as pessoas tinham tempo de reflexão. Hoje as pessoas não reservam mais esse tempo e a Síndrome de Burnout tem tomado um espaço grande. Ela frisa que é um desafio ter uma vida tranquila em meio a tantas demandas pessoais e profissionais e orienta que as pessoas devem refletir sobre suas prioridades na vida.

“O que é necessidade para mim? consigo controlar determinados comportamentos? Se eu saí do trabalho agora, porque tenho que ficar conversando no whatsapp no grupo de trabalho? A gente tem que desenvolver inteligência emocional e outras características que podem nos ajudar. É um desafio, pois o próprio mercado de trabalho, o próprio contexto nos obriga a entender que a gente só é bom quando produz em excesso. O uso ilimitado de redes sociais pode agravar e potencializar os sintomas da Síndrome de Burnout. A pessoa fica mais ansiosa, fica com o humor mais rebaixado quando não consegue atingir as metas estabelecidas pela empresa. Quando eu chego a exaustão emocional e física é quando já não tenho mais forças, pois cheguei no meu limite”, afirmou.

Tratamento

A psicóloga considera que a Síndrome de Burnout é algo bem sério e que mostra um panorama de como a sociedade está hoje, por isso tem o impacto de virar doença de acordo com a OMS. Segundo ela, isso mostra o perigo que o trabalhador está vivendo atualmente. Roberta considera que o tratamento deve ir além do acompanhamento com profissionais de saúde.

“As pessoas estão adoecidas por conta do trabalho, a maneira como o trabalho é conduzido. O tratamento não deve ser apenas com um profissional, pois trata de um conjunto. Além disso, o ambiente familiar é uma contribuição importante, os momentos de lazer. Tem pessoas que não sabem o que vai satisfazer, trazer um alivio para si. O autoconhecimento é importante. O psicólogo ajuda a lidar com as emoções, o psiquiatra em alguns momentos é importante, pois algumas pessoas tem insônia, perda de apetite ou compulsão alimentar, por conta da estafa. A pessoa vai precisar de remédios para tratar a questão do humor, o controle da ansiedade. Tem pessoas que podem ter comprometimento neurológico, tem gente que tem uma exaustão tão extensa, que tem comprometimento motor, então cada caso é avaliado em sua necessidade”, afirmou.
 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Ação de conscientização do HTLV será realizada nesta quarta-feira
Saúde

Ação de conscientização do HTLV será realizada nesta quarta-feira

A iniciativa é aberta ao público e acontece a partir das 7h no Ambulatório Municipal de Infectologia, local...

Equipe do Incardio participa de treinamento para transplante cardíaco, em São Paulo
Saúde

Equipe do Incardio participa de treinamento para transplante cardíaco, em São Paulo

Essa é a segunda equipe multidisciplinar do Incardio a viajar para São Paulo em treinamento para o novo serv...

Anvisa: termina hoje prazo para sugestões sobre rótulos de alimentos
Saúde

Anvisa: termina hoje prazo para sugestões sobre rótulos de alimentos

Para participar das consultas públicas é importante, antes, conhecer as propostas de RDC e de instrução no...

Vídeo

Aluno da UFRB é acusado de racismo por recusar documento de docente negra Veja mais Vídeos ›

Podcast

Quadro Cá Entre Nós - 07.12 (Viagens)
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram