Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  •  Reserva Lumiere
  •  Reserva Lumiere
24 de Agosto de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Ciência e Tecnologia

Todas as notícias
Publicado em 19/07/2019 07h59.

Libra: a nova criptomoeda do Facebook

Dinheiro da rede social será lançado em 2020, mas projeto já gera preocupações em instituições bancárias
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Libra: a nova criptomoeda do Facebook
Foto: Reprodução

Acorda Cidade

No mês passado, o Facebook anunciou uma moeda digital chamada Libra, que deverá estar pronta para ser usada em 2020 e permitir aos bilhões de usuários da plataforma ao redor do globo fazer transações financeiras online.

A nova tecnologia ameaça mudar o horizonte dos bancos, e não à toa já é objeto de escrutínio, à medida que o Facebook encontra cada vez mais pedidos de regulação e medidas antitruste das instituições bancárias. 

O Facebook diz que a Libra é uma "moeda global e uma infraestrutura financeira", ou, em outras palavras, um dinheiro digital construído pela plataforma e empoderado por uma recém-criada versão de blockchain, uma tecnologia encriptada usada pelo bitcoin e outras criptomoedas. O nome da moeda vem da medida romana básica utilizada para medir o peso das coisas. Segundo o Facebook, a abreviação lb será usada para significar a Libra, e o símbolo será o mesmo que se refere à moeda britânica - o L (£) de Libra.

A plataforma afirma que quer alcançar 1,7 bilhão de pessoas ao redor do mundo que não têm acesso a contas bancárias com sua nova moeda. No entanto, ela provavelmente passará por questões regulatórias e enfrentará preocupações antitrustes, especialmente em um momento em que muitas instituições querem frear o ímpeto do Facebook - ainda assim, ninguém indicou qual será a legislação específica para enquadrar o projeto.

Entre os rumores da expansão financeira do Facebook, membros do Senado dos Estados Unidos pediram ao CEO da empresa, Mark Zuckerberg, que torne as informações dos usuários privadas e das empresas, mais acessíveis.

A moeda do Facebook vai ser utilizada por um grupo de empresas chamado inicialmente de "Libra Association", e vai funcionar no modelo conhecido como "stablecoin", ficando atrelada a moedas já existentes, como o dólar e o euro, com o objetivo de torná-la menos sujeita à volatilidade das criptomoedas atuais. O modelo stablecoin é uma novidade no mercado mundial, avalia Pedro Ferraro, economista e professor de um curso de contabilidade EaD de São Paulo.

A "Libra Association" é, segundo a rede social, uma associação sem fins lucrativos e independente com sede na Suíça, e já tem duas funções principais: validar transações e administrar as reservas da Libra em relação às moedas com as quais estará atrelada e alocar fundos para causas sociais. A entidade vai ser controlada pelo que o Facebook chamou de Libra Association Council, formada por um representante de cada membro da associação com poder de voto em decisões políticas e operacionais.

O Facebook afirma que, apesar de já ter criado a associação e a moeda, apenas quando ela for lançada, no ano que vem, é que a empresa vai se retirar do papel de liderança da Libra Association e deixar que todos os membros tenham poder igual de voto no controle da criptomoeda. Empresas que contribuíram com um mínimo de lb$ 10 milhões (R$ 37,3 milhões, considerando o valor da libra britânica) são parte da lista de fundadores - entre elas, PayPal, Ebay, Spotify, Uber e Lyft, assim como consultorias e gigantes do mercado financeiro, tais como Mastercard, Visa, Thrive Capital e Andreessen Horowitz.

Apesar de o Facebook não ter dado pistas de quando a moeda estará disponível, a presença de empresas tradicionais de pagamentos, como a Visa e a Mastercard, sugere que a companhia de Zuckerberg deixará que os usuários comprem a moeda em um mercado digital livre. No entanto, a rede social também deve pôr em prática o que é chamado de "air drop": entregar pequenas quantidades de dinheiro digital aos usuários para que eles deem o pontapé inicial no ecossistema financeiro. Isso será crucial se conseguir dar conta do objetivo de levar serviços financeiros a pessoas sem contas bancárias.

Em longo prazo, a expectativa é que os fundadores da moeda ofereçam aos seus empregados salários ou parte dos pagamentos em Libra.

Quando a moeda for lançada, os usuários poderão usá-la por meio de uma carteira digital chamada Calibra, que permitirá o envio e o recebimento do dinheiro até mesmo por meio de um aplicativo de smartphone. Ainda não se sabe quais países farão parte do primeiro momento da Libra, apesar de o Facebook dizer que "quase todo mundo" no planeta com um celular terá como baixar o app. 

Empresas de transporte privado, como Uber e Lyft, investidoras da moeda, sugeriram que podem permitir aos seus usuários pagarem os serviços com a Libra, apesar de não ser uma informação confirmada. 

O Facebook afirma que espera rentabilizar a nova moeda em seu favor por meio de uma pequena tarifa cobrada a cada transação feita com a Libra - muitas dessas cobranças serão transferidas aos fornecedores, que podem usar a moeda para outros fins ou repassá-las aos seus usuários.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Olimpíada brasileira de robótica acontece neste final de semana em Salvador
Bahia

Olimpíada brasileira de robótica acontece neste final de semana em Salvador

A competição recebe 53 equipes do interior, as maiores delegações são das regiões sudoeste e este baiano

JS Day movimenta a tecnologia um dia inteiro no campus da FTC
Educação

JS Day movimenta a tecnologia um dia inteiro no campus da FTC

O evento que reuniu estudantes, professores e curiosos sobre o desenvolvimento tecnológico FTC Feira de Santa...

Tecnologia

Microsoft muda políticas de privacidade para monitorar áudios

A nova redação das políticas de privacidade da Microsoft agora admite que ela usa pessoas no processamento ...

Vídeo

Veja vídeo em 3D de como ficará o Centro de Educação, no prédio do FTC Veja mais Vídeos ›

Podcast

CDL realiza entrega dos prêmios da campanha Liquida Feira 2019
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram