Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
17 de Julho de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Concursos

Todas as notícias
Publicado em 08/07/2019 17h53.

MP pede à Justiça que determine ao Município de Amélia Rodrigues a nomeação de aprovados em concurso

Ação pede que se determine o encerramento de todos os contratos temporários que versem sobre funções semelhantes às atribuições dos cargos previstos no edital
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
MP pede à Justiça que determine ao Município de Amélia Rodrigues a nomeação de aprovados em concurso
Foto: Divulgação

Acorda Cidade

O Ministério Público estadual, por meio do promotor de Justiça Marcel Bittencourt ajuizou ação civil pública e pediu que a Justiça determine a nomeação de todos os candidatos aprovados dentro do número de vagas no concurso previsto pelo edital 02/2014, para o provimento de cargos públicos vagos na administração municipal de Amélia Rodrigues.

Na ação, o promotor de Justiça pede ainda que se determine o encerramento de todos os contratos temporários que versem sobre funções semelhantes às atribuições dos cargos previstos no edital do concurso. Além disso, requer a nomeação de tantos candidatos aprovados quantos forem os contratos temporários encerrados.

Marcel Bittencourt salienta na ação que, passados quase quatro anos desde a homologação do concurso, em 6 de julho de 2015, o Município de Amélia Rodrigues não nomeou todos os candidatos aprovados dentro do número de vagas, tampouco encerrou os numerosos contratos temporários com terceiros em funções semelhantes às atribuições dos cargos previstos em edital.

De acordo com o promotor, a manutenção e celebração desses contratos temporários, mesmo após a homologação do concurso, é uma prova da necessidade de servidores efetivos para tais áreas. Ele acrescenta que esses contratos precários criam direito subjetivo de nomeação para os servidores aprovados fora do número de vagas previstas no edital.

O promotor de Justiça resaltou que " a contratação precária de terceiros, alheios ao concurso público, traduz ofensa à moralidade administrativa, e não mero exercício de discricionariedade na gestão da coisa pública", acrescenando que "o princípio da moralidade administrativa obriga o Estado a atuar estritamente conforme a ética, visando aproximá-lo da justiça na consecução de todos os interesses que lhe são afetos". Marcel Bittencourt resaltou ainda que "ao publicar o edital do certame, foi o próprio Município de Amélia Rodrigues que optou por vincular-se às regras do instrumento convocatório, diga-se de passagem, unilateralmente criadas. Por isso é que, encerrada a fase de seleção dos candidatos, não pode a Administração afastar-se do princípio da segurança jurídica, das cláusulas gerais da boa-fé objetiva e da proteção da confiança". 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Câmara aprova direito de mãe amamentar filho durante concurso público
Concursos

Câmara aprova direito de mãe amamentar filho durante concurso público

Para garantir o direito, mãe deve fazer solicitação prévia à banca

Curso de formação dos aprovados no concurso da Guarda Municipal começa dia 8
Concursos

Curso de formação dos aprovados no concurso da Guarda Municipal começa dia 8

Na publicação também consta o cronograma atualizado e a relação dos candidatos devidamente matriculados.

Vídeo

Encontrando o PM que salvou a vida de garotinha; veja como foi o reencontro com a avó Veja mais Vídeos ›

Podcast

Prefeitura vai investir cerca de R$ 40 milhões em centro educacional na área do Feira Tênis Clube
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram