Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
15 de Setembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Cinema e Séries

Todas as notícias
Publicado em 12/06/2019 15h02.

O que é real e o que não é na série Chernobyl, da HBO

Produção hollywoodiana está fazendo sucesso entre os espectadores brasileiros desde a sua estreia na América Latina, no mês passado
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
O que é real e o que não é na série Chernobyl, da HBO
Foto: Divulgação

Acorda Cidade

A primeira coisa a saber sobre a série Chernobyl, que a HBO lançou há algumas semanas na América Latina e que já faz um sucesso tremendo entre os espectadores brasileiros, é que muitas coisas são inventadas. No entanto -- e mais importante --, esse aspecto não importa.

A explosão e o incêndio no reator da Unidade 4 de Chernobyl, em abril de 1986, foi uma bomba suja radioativa que caiu em um lugar e se espalhou em uma escala que nenhum país do mundo estava preparado para conceber, como foi o caso da União Soviética à época.

É até hoje o pior desastre nuclear da história do planeta, não apenas porque 30 pessoas morreram no ato da explosão (muitas outras morreram nos anos posteriores e outras sofrem as consequências da contaminação até hoje), mas porque a radioatividade que estava concentrada ali se expandiu para grandes áreas do território soviético e europeu.

O processo de lacração do reator com a construção de uma espécie de sarcófago de concreto e aço que encapsulou o reator destruído também foi traumático: centenas de pessoas que trabalharam no projeto ficaram com consequências irreversíveis para a vida. Os produtores da minissérie não suavizaram o desastre real que aconteceu em Chernobyl, apesar de alguns exageros -- como pessoas cobertas de sangue em um acidente que não teve efeitos dessa ordem.

A série apresenta três personagens determinantes para a história de Chernobyl: Valery Legasov, Boris Shcherbina e Ulana Khomyuk. No entanto, apenas os dois primeiros existiram, de fato, e ainda assim tiveram seus papéis aumentados para criar um fluxo narrativo mais fácil aos espectadores. Khomyuk, por sua vez, é uma personagem fictícia, criada pelos produtores para representar todos os cientistas que ajudaram a investigar o desastre.

Outra invenção que não muda o teor da série é que os bombeiros, ainda que desconhecessem os perigos da radiação a que estavam expostos durante os trabalhos de resgate, não escalaram o reator como a produção aparece. Segundo uma reportagem do jornal britânico The Guardian, a verdade é que eles trabalharam no teto do dispositivo destruído para evitar que os incêndios chegassem à Unidade 3, o que resultaria em uma segunda explosão radioativa, usando uma grande bomba d'água para apagar o fogo.

"A série retrata muito bem uma verdade básica: o desastre de Chernobyl teve mais a ver com mentiras, enganos e um sistema político putrefato do que com a engenharia deficiente ou uma capacitação medíocre dos administradores", escreveu o jornalista Henry Fountain, especialista em temas científicos do jornal New York Times.

"Os espectadores podem ver na série como, juntas, pessoas e máquinas podem fazer coisas espantosas, como criar uma catástrofe nuclear histórica", completou.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Produção audiovisual baiana é finalista do Festival Internacional FanChile
Cinema

Produção audiovisual baiana é finalista do Festival Internacional FanChile

Olivas Filmes é a única do norte-nordeste no festival, que acontece de 9 a 14 de setembro, no Chile.

'Meu público está no Brasil, quero que o país dê certo', diz ator Leandro Hassum
Cinema nacional

'Meu público está no Brasil, quero que o país dê certo', diz ator Leandro Hassum

Ator mora nos Estados Unidos, mas afirma que não abandona sua terra.

Filme A Vida Invisível é indicado pelo Brasil para concorrer ao Oscar
Cinema

Filme A Vida Invisível é indicado pelo Brasil para concorrer ao Oscar

A première do filme será nesta sexta-feira (30), em Fortaleza, no 29º Cine Ceará – Festival Ibero-America...

Vídeo

Semana Espírita reúne centenas de pessoas em Feira Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta Sexta-Feira 13.09 (Parte 01):
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram