Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
20 de Julho de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Variedades

Todas as notícias
Publicado em 02/05/2019 15h22.

Mães de filhos com doenças raras se desafiam a cursar o ensino superior

Mulheres concorrem a bolsas de estudo para driblar a falta de oportunidade e construir um futuro melhor
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Mães de filhos com doenças raras se desafiam a cursar o ensino superior
Foto: Reprodução

Tunísia Cores

Há aproximadamente quatro anos, Eulina Silva Farias, 38 anos, levava uma vida ativa até receber a notícia que transformou completamente a sua vida: estava grávida. Descobriu, pouco tempo depois, que o futuro Deividy Farias Batista apresentava sintomas da Síndrome Congênita do Zika Vírus. “Descobrir o diagnóstico foi terrível e desesperador. Ainda hoje é tudo muito difícil porque, apesar de o pai dele conviver comigo, não me ajuda nas atividades. Eu sou sozinha para praticamente tudo. É como se eu tivesse perdido a minha identidade”, conta.

Hoje, com apenas três anos de idade, Deividy depende da mãe nas sessões de fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia no Centro de Prevenção e Reabilitação da Pessoa com Deficiência (Cepred); nas consultas com neuropediatras, pediatra, oftalmologista e nutricionista, no Hospital Geral Roberto Santos; além das sessões de fisioterapia e hidroterapia na Organização não-Governamental (ONG) aBRAÇO a Microcefalia.

Sem trabalhar desde então, devido aos cuidados em tempo integral exigidos pela condição do filho, a mãe ousa sonhar em montar o próprio negócio para dar uma vida melhor à família e entende que dar continuidade aos estudos é um passo importante na própria trajetória. “Acredito que o Ensino Superior é importante pra que eu possa me capacitar, ingressar novamente no mercado de trabalho e ser útil à sociedade. Penso em ser uma microempreendedora e a graduação em Logística vai me ajudar a gerir o negócio, ou até mesmo conseguir emprego, e ter como dar uma qualidade de vida melhor ao meu filho”, afirma.

Mães Produtivas

Apesar do sonho, Eulina não imaginou que por meio de um aplicativo de mensagens instantâneas conheceria o projeto Mães Produtivas, o qual oferta bolsas de estudo integrais específicas para mulheres que têm crianças com síndromes e doenças raras. O projeto foi idealizado pela ONG Alianças de Mães e Famílias Raras (AMAR) e o grupo Ser Educacional/UNINASSAU, em 2016, em Pernambuco, devido à grande incidência de casos de Microcefalia. A iniciativa, no entanto, foi ampliada para contemplar casos de crianças com outras condições.

Em 2019, são 250 bolsas de estudo gratuitas em graduações e pós-graduações na modalidade Educação a Distância (EAD). “A ação foi criada para levar a qualificação profissional para essas mães, que não podem fazer aulas presenciais, pois são cuidadoras dos filhos. Mais de 70% das mães foram abandonadas pelos companheiros, muitas estão desempregadas e em processo de depressão”, ressalta o presidente do grupo Ser Educacional, Jânyo Diniz. As inscrições estarão abertas até 10 de maio. As candidatas devem buscar informações por meio do telefone 4020-9734 (ligação local) e, em seguida, entrar em contato com o Núcleo de Atendimento ao Educando (NAE) da unidade de ensino para agendar o atendimento presencial.

As oportunidades estão disponíveis nas seguintes instituições: a Universidade UNIVERITAS/UNG, em Guarulhos; a Universidade da Amazônia (UNAMA), em Belém; os Centro Universitários Maurício de Nassau – UNINASSAU em Recife, Salvador e Maceió; o Centro Universitário Universus Veritas (UNIVERITAS), no Rio de Janeiro; as Faculdades UNAMA em Boa Vista, Porto Velho e Rio Branco; as Faculdades UNINASSAU em Fortaleza, Natal, João Pessoa, Manaus, São Luís, Teresina e Aracaju; e as Faculdades UNIVERITAS em Belo Horizonte, Anápolis, Cuiabá e Palmas.

Oportunidade e Cidadania

Se existem mães que estão em busca de participar do projeto pela primeira vez, a estudante Valéria Santos foi selecionada na primeira edição, em 2016, e já está no 6º semestre da graduação. “Escolhi Pedagogia porque estar com crianças é um aprendizado para mim. Me identifico com a ideia de formar, não só bons alunos, que sejam capazes de tirar boas notas, mas que também possam ser cidadãos críticos e construtores dos seus conhecimentos”, afirma a mãe de Larissa Vitória Santos Ferreira, menina de cinco anos de idade que sofre de Microcefalia e paralisia cerebral.

A universitária acredita que o fato de ser uma graduação a distância é um fator de incentivo. “Considero o projeto [Mães Produtivas] uma oportunidade única de ter de volta minha cidadania. Ser mãe de criança especial nos deixa à margem. E quando que eu poderia imaginar fazer ensino superior se não fosse EAD? Presencial seria impossível pois Larissa tem uma rotina extensa em centros de reabilitação, então é um grande diferencial”, avalia.

Se o acompanhamento realizado por diversos profissionais faz a diferença para a formação, a proatividade é uma característica importante em toda caminhada. “O suporte que temos dos tutores e guardiões para nos atentarmos aos prazos e/ou dúvidas é fundamental. Somos construtores do nosso aprendizado, precisamos ser autodidatas. E isso irá mudar o percurso da minha vida, em relação aos meus filhos, pois o estudo nos prepara para diversas boas oportunidades que não teríamos sem a graduação ou pós-graduação”, destaca ao planejar o próximo passo: buscar a especialização em Neuroeducação ou Psicopedagogia.

Valéria conheceu as bolsas de estudo Mães Produtivas por meio da Aliança de Mães e Famílias Raras (AMAR), que atende atualmente 420 famílias de Pernambuco e idealizou o projeto em parceria com o grupo Ser Educacional/UNINASSAU. A ideia nasceu dos atendimentos feitos pela ONG às mulheres afetadas pelo surto da Síndrome Congênita do Zika Vírus. Segundo a fundadora e presidente da AMAR, Pollyana Dias, geralmente eram mães muito jovens, não tinham rede de apoio – ou foram abandonadas pelos companheiros ou estes não cumpriam com as responsabilidades de pai – e questionavam sobre como voltariam a estudar, já que precisavam estar disponíveis para os filhos.

Por estes motivos, a essência do projeto está em devolver a cidadania plena a essas famílias, na opinião de Dias. “É poder dizer às mães que, sim, elas podem, mesmo depois de a vida dizer tantos nãos, das faltas de inclusão social e da falta de respeito por parte de alguns governantes. E uma faculdade que enxerga essa necessidade e pode desenvolver um projeto como esse, pensa em um futuro melhor”, complementa.

Redescoberta de sonhos

Devido ao alcance social e humanitário, Mães Produtivas é uma das mais belas e importantes iniciativas na área educacional, na opinião de Jânyo Diniz. “O projeto contribuirá com o processo de reencontros e redescoberta dos sonhos, de projetos deixados de lado; com o aumento da autoestima destas mães; com a possibilidade de melhorar sua qualidade de vida; e com o empoderamento que impulsionará a sua luta pela inclusão social do seu filho”, acredita. As candidatas deverão participar do processo seletivo entre os dias 13 de maio e 10 de junho de 2019. Serão levados em consideração critérios como o grau de doença da criança; a situação acadêmica e socioeconômica das mães e famílias; as motivações e também as condições de estudo de cada mulher.

O início das aulas está previsto para 1º de agosto. Haverá assistência prestada por tutores para as futuras graduandas, acompanhamento humanizado que leva em consideração as individualidades, possibilidade de cursar a pós-graduação e a inserção no mercado de trabalho. “Sinto gratidão pelo fato de o projeto existir, pela oportunidade e confiança. De certa forma, alguém está acreditando e dizendo que nós somos capazes de fazer o que quisermos. Espero que muitas outras mulheres consigam ser ajudadas a crescer e progredir, pois estudar é isto: é subir, cada dia, um degrau”, destaca Valéria.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

 'Risco de infestações de pragas urbanas não diminui no inverno', alerta biólogo
Variedades

'Risco de infestações de pragas urbanas não diminui no inverno', alerta biólogo

Vale lembrar que o controle de pragas só pode ser feito por profissionais ou empresas devidamente capacitadas...

Variedades

Saúde animal: os pets também sentem frio

Os pets também sentem frio e algumas dicas simples fazem a diferença no bem-estar do animal.

Pesquisa mostra as tendências das comidas do futuro
Gastronomia

Pesquisa mostra as tendências das comidas do futuro

73% dos brasileiros gostam de provar novas texturas alimentares, 59% buscam 'pratos bonitos aos olhos' e 57% b...

Vídeo

Cachorro destrói quarto da dona, deixa ela uma fera e viraliza; assista Veja mais Vídeos ›

Podcast

Moradores do bairro Campo Limpo reclamam da situação das ruas e fazem equilibrismo para não caírem na lama
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram