Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM G NEWS
  • SECOM BA METAS
19 de Maio de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Dom Itamar Vian

Todas as notícias
Publicado em 08/04/2019 09h33.

Por que jejuar?

Essa palavra nos traz a lembrança de sofrimento e muitas vezes nos é apresentada como privação inútil de doces, bebidas alcoólicas, refrigerantes, chocolates, alimentos saborosos...
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

A palavra jejum não é bem aceita em nossa realidade tão ligada ao bem-estar e ao conforto. Essa palavra nos traz a lembrança de sofrimento e muitas vezes nos é apresentada como privação inútil de doces, bebidas alcoólicas, refrigerantes, chocolates, alimentos saborosos...

DO PONTO de vista da natureza, o jejum é um contra-senso, pois parece ser a negação de meios de sobrevivência ao corpo. Somente do ponto de vista religioso e das convicções pessoais, o jejum é uma renúncia a um bem importante em prol de uma transformação espiritual. Está presente em todas as religiões como forma de purificação e de solidariedade. Simplesmente privar-se de comer ou beber sem uma atitude interior de conversão, de nada vale.

OS SANTOS insistem em dizer que aquilo que você não comeu, praticando o jejum, não pertence mais a você, mas aos pobres. Essa dimensão solidária refere-se, não somente a comidas e bebidas, mas a todos os bens. Há tantas coisas que podemos repartir! Abrir o guarda-roupa e distribuir o que está sem ser usado, pode representar um significativo desapego.

O PAPA Francisco indica outros tipos de jejum: Jejum do descontentamento: encher-se de gratidão. Jejum da raiva: encher-se de mansidão e paciência. Jejum do pessimismo: encher-se de esperança e otimismo. Jejum de preocupações: encher-se de confiança em Deus. Jejum de queixas: encher-se com coisas simples da vida. Jejum de tensões: encher-se de orações. Jejum de amargura e tristeza: encher o coração de alegria. Jejum de egoísmo: encher-se de solidariedade pelos outros. Jejum de falta de perdão: encher-se de reconciliação. Jejum de palavras: encher-se de silêncio para ouvir os outros.

JESUS nos ensina que o jejum deve ser a expressão da conversão e da caridade e não apenas uma prática hipócrita que não transforma nossa vida, mas nos enche de vaidade e presunção, como ocorria com muitos fariseus. O jejum torna-se fonte de alegria quando a finalidade é nobre. O jejum bíblico encontra a sua razão na profunda necessidade de partilha e de conversão. A alegria sempre surge quando sabemos nos privar de algo, por amor e com amor, para vermos o outro feliz.

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Crônica

Armar as famílias?

Muitos acreditam que possuir uma arma é o melhor caminho para se defender. Mas é uma falsa sensação.

Crônica

O poder da mãe

Celebra-se o Dia das Mães como forma de expressar todo o carinho para com aquela que gera e multiplica a vida...

Artigo

Doar sangue

A ciência, ainda, não conseguiu descobrir um composto químico que possa substituir o sangue humano.

Vídeo

Bolsonaro diz que bloqueia verba da educação porque precisa e chama manifestantes de idiotas úteis Veja mais Vídeos ›

Podcast

Defensoria Pública discute orçamento participativo com a sociedade civil
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram