Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • BAHIA AQUI É TRABALHO JUNHO 2
  • BAHIA AQUI É TRABALHO JUNHO 1
16 de Junho de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Vladimir Aras

Todas as notícias
Publicado em 21/01/2019 09h26.

Justiça pela metade

O réu tinha 18 anos quando matou uma pessoa e feriu outras quatro.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Justiça pela metade
Foto: Divulgação

O réu tinha 18 anos quando matou uma pessoa e feriu outras quatro.

Em qualquer país do mundo, esse réu teria sido julgado e condenado e cumpriria uma pena equivalente à gravidade dos crimes de que foi acusado.

No entanto, esse réu tinha um bom advogado e recursos sem fim ao seu dispor. Melhor do que isso: tinha a lei penal a seu favor.

A lei que deveria proteger a todos, neste caso só serviu aos interesses do acusado e de seu cúmplice.

Em 25 de maio de 2000, os dois participaram de um churrasco com amigos. Na madrugada, após a festa, já sob influência de álcool, ambos se engajaram num racha ou pega.

A “inaceitável disputa automobilística” foi realizada nas ruas da cidade de Adamantina/SP, entre elas a Avenida da Saudade, sentido “Cemitério-Centro”. Depois de passar por ali, os rachadores enviaram uma pessoa no sentido Centro-Cemitério. Os veículos que eles conduziam se chocaram, e a universitária Taisa Tondinelli Emerich, de 18 anos, morreu ali mesmo de traumatismo craniano.

Os caronas Daiel Lima, Fabiano Morita Borri, Marlon Edjan Teixeira e Edilson Roberto dos Reis ficaram feridos.

Quase duas décadas após os fatos, o STF pôs fim ao caso e livrou definitivamente o Sr. Réu das consequências de seus atos.

Em 11 de dezembro de 2018, ao julgar o HC 1.653.76/SP, relatado pela Min. Cármen Lúcia, a 2ª Turma do STF decretou a prescrição da pretensão punitiva do Estado de São Paulo em relação a um dos responsáveis pelos fatos que tiraram a vida de uma jovem mulher e feriram outros quatro indivíduos.

Não adiantou a condenação pelo tribunal do júri em 2007, na comarca de Adamantina/SP.

As provas da autoria e da materialidade não serviram.

O que valeu foi o tempo, com cláusula benéfica, de uma lei anacrônica, feita para um País dos anos 1940, no qual a idade adulta começava aos 21 anos, e não aos 18, como é entre nós desde 2002. Um país no qual a criminalidade era infinitamente menor.

Mas esse tempo prescricional, considerado pelo STF, foi fixado a partir de uma ficção jurídica, que impede a reformatio in pejus indireta, em caso de recurso exclusivo da defesa. Como o réu fora condenado no primeiro julgamento pelo tribunal popular a 12 anos de reclusão, um novo júri, ainda que garantida a soberania dos vereditos dos sete jurados, não poderia resultar em pena maior do que 12 anos. Esta tem sido a posição do STF desde 2001, em caso relatado pelo min. Celso de Mello:

HABEAS CORPUS – TRIBUNAL DO JÚRI – REFORMATIO IN PEJUS INDIRETA – RECURSO EXCLUSIVO DA DEFESA – EXASPERAÇÃO DA PENA DETERMINADA PELO JUIZ-PRESIDENTE – INADMISSIBILIDADE – PEDIDO DEFERIDO. – O Juiz-Presidente do Tribunal do Júri, quando do segundo julgamento, realizado em função do provimento dado a recurso exclusivo do réu, não pode aplicar pena mais grave do que aquela que resultou da anterior decisão, desde que estejam presentes – reconhecidos pelo novo Júri – os mesmos fatos e as mesmas circunstâncias admitidos no julgamento anterior. Em tal situação, aplica-se, ao Juiz-Presidente, a vedação imposta pelo art. 617 do CPP” (STF, 1ª Turma, HC n. 73.367/MG, Rel. Min. Celso de Mello, j. em 12/03/1996).

Entende o STF que a condenação anterior – mesmo que anulada (e este é um ponto crucial no caso concreto) – fixa o novo patamar para a determinação da prescrição. O julgamento do júri foi anulado pelo STJ (HC 101.610/SP, rel. Min. Og Fernandes) porque o réu foi pronunciado pela 1ª Câmara Criminal “A” do TJ/SP, que fora composta com violação à Constituição e à Lei Complementar Estadual 646/1990. Foi esta câmara irregular que, em 2006, proveu o recurso em sentido estrito do MP paulista para que os réus fossem a júri.

Com a anulação da pronúncia, desapareceu um marco interruptivo da contagem do curso do prazo prescricional. Novo acórdão de pronúncia foi proferido em 2009, agora pela 4ª Câmara Criminal do TJ/SP.

O júri foi remarcado apenas para 5 de dezembro de 2018, mas, em novembro deste ano, a ministra Cármen Lúcia concedeu liminar em habeas corpus e determinou a suspensão da sessão do júri até o julgamento do mérito deste HC pelo STF.

Na ocasião, disse a ministra:

Este caso patenteia, mais uma vez, a gravidade das consequências da mora judiciária. Mais que lamentável, chega a ser vexatório para o sistema de justiça num Estado de Direito, que crime supostamente cometido e denunciado há dezoito anos, com autoria do fato identificada e materialidade comprovada, não tenha tido a finalização do julgamento devido. Envergonha cada integrante do poder judiciário vermos o não funcionamento devido do sistema, impedindo que se conclua julgamento como resposta punitiva ou absolutória, mas a prestação devido do serviço da jurisdição.

No crime de homicídio, a prescrição se dá em 20 anos. Porém, como a pena fixada no júri que acabou anulado foi de 12 anos, o novo marco prescricional passou a ser de 16 anos, não mais 20.

Então, veio a pá de cal no destino do processo e da vítima que perdeu a vida. Como o Sr. Réu tinha mais de 18 e menos de 21 anos na data dos fatos, a prescrição é reduzida da metade, passando a ser de 8 anos. É seu direito, previsto em lei, mas uma lei que já devia ter sido revogada pelo menos desde 2002.

Essa soma de eventos fulminou a vida de uma pessoa – matamos mais de 37 mil concidadãos todos os anos em eventos relacionados a trânsito – e no final desta história tipicamente brasileira, o culpado continuou inocente, mesmo após prova em contrário. A vítima continuará estirada no chão até que o tempo leve todos os vestígios de sua existência. E sua família entrará mais um ano à espera de Justiça, mas agora sabendo que não a terá.

A lei que corta o prazo da prescrição por idade não produz justiça pela metade; não produz justiça alguma e racha a imagem da Justiça.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Um diálogo com 12 homens
Blog do Vlad

Um diálogo com 12 homens

No júri brasileiro, os sete jurados não dialogam. Lumet teria de filmar o seu debate noutro lugar.

O inquérito K
Blog do Vlad

O inquérito K

"O STF é o mais alto tribunal do País, merece o respeito da nação e tem uma importante missão constitucio...

Blog do Vlad

A pax narcotica

'Favela com PCC tem menos crimes violentos', diz a manchete do jornal, refletindo o resultado de um estudo fei...

Vídeo

Senado Aprova (10 a 14 de junho) — O mais importante que o Senado aprovou nesta semana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Contrato de namoro, já ouviu falar?
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram