Acorda Cidade - Dilton Coutinho

02 de Junho de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Dilton e Feito

Todas as notícias
Publicado em 11/01/2019 10h01.

Gleisi vai à posse de Maduro para marcar posição 'contra grosseira relação de Bolsonaro' com a Venezuela

Ela justifica a presença no ato por "vários motivos" como "marcar posição contra grosseira relação do governo Bolsonaro com a Venezuela".
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Gleisi vai à posse de Maduro para marcar posição 'contra grosseira relação de Bolsonaro' com a Venezuela
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A presidente do PT, senadora e deputada eleita, Gleisi Hoffmann, está na Venezuela onde participa, nesta quinta-feira (10), da posse de Nicolás Maduro em segundo mandato como presidente do país. Em conversa com o blog da Andréia Sadi, ontem (11), ela justifica a presença no ato por "vários motivos" como "marcar posição contra grosseira relação do governo Bolsonaro com a Venezuela". Maduro foi reeleito em maio do ano passado, com quase 70% dos votos, em eleição que foi boicotada pela oposição, teve alta abstenção e denúncias de fraude. A posse de Maduro em novo mandato não é reconhecida pela Assembleia Nacional e por dezenas de países. "Vamos [à posse] por vários motivos. Para marcar posição desta grosseira relação do governo Bolsonaro com a Venezuela; fala fino com os Estados Unidos (EUA) e grosso com a Venezuela", declarou a deputada eleita. Questionada sobre a presença na posse, a presidente do PT não quis entrar no "mérito" sobre a ditadura instalada no país. "Não entramos no mérito, ele foi eleito dentro do marco constitucional não nos cabe dar opinião. Ele foi eleito", afirmou a Gleisi Hoffmann ao blog. Gleisi disse que não concorda com a postura do governo de Jair Bolsonaro com a Venezuela. Maduro não foi convidado para a posse de Bolsonaro, que ocorreu em 1º de janeiro deste ano. Na ocasião, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, publicou no Twitter que "não há lugar para Maduro numa celebração da democracia e do triunfo da vontade popular brasileira". O ministro disse, ainda, que "todos os países do mundo devem deixar de apoiá-lo e unir-se para libertar a Venezuela". "Não concordamos com essa agressividade. Política de boicote", disse Gleisi Hoffmann. Segundo a presidente do PT, Maduro foi eleito "dentro dos marcos constitucionais" e o Brasil tem relações diplomáticas com a Venezuela. "Não achamos que é de bom tom o PT ficar comprando briga com vizinhos", declarou. "Temos que ter solidariedade", disse a senadora. As informações são do G1.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

TSE cassa mandato de Pastor Tom por falta de comprovação de filiação em 2018
Política

TSE cassa mandato de Pastor Tom por falta de comprovação de filiação em 2018

O parlamentar baiano não terá o afastamento imediato. Ainda cabe a publicação do acórdão além de recurs...

Alexandre de Moraes assume vaga efetiva no TSE
Política

Alexandre de Moraes assume vaga efetiva no TSE

O TSE é composto por sete ministros, sendo três do STF.

'Diligência não é devolução de recurso', afirma secretária de Saúde em resposta a Zé Neto
Coronavírus

'Diligência não é devolução de recurso', afirma secretária de Saúde em resposta a Zé Neto

O deputado afirmou que município pode perder cerca de R$ 5 milhões em emendas parlamentares para combate a c...

Vídeo

Manifestantes protestam contra o fechamento do comércio em frente a Hospital de Campanha e pedem informações sobre obra Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta terça-feira 02.06:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram