Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • BAHIA AQUI É TRABALHO JUNHO 1
  • BAHIA AQUI É TRABALHO JUNHO 2
16 de Junho de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Economia

Todas as notícias
Publicado em 10/01/2019 19h02.

Reduzir encargos trabalhistas é prioridade, diz secretário da Receita

Ele citou o índice de 13 milhões de desempregados para defender um estímulo fiscal para contratações trabalhistas.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Reduzir encargos trabalhistas é prioridade, diz secretário da Receita
Foto: Agência Brasil

Acorda Cidade

Agência Brasil - O secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, afirmou hoje (10) estuda medidas para reduzir os encargos trabalhistas, incluindo a incidência de tributos sobre a folha salarial de empregados. Ele citou o índice de 13 milhões de desempregados para defender um estímulo fiscal para contratações trabalhistas.

"A incidência muito pesada de tributos sobre a folha de salários é uma primeira preocupação que se coloca como um dos primeiros itens da nossa pauta. Estamos trabalhando muito nisso, como desonerar a folha de salários, como reduzir os encargos trabalhistas e fazer com que a economia brasileira gere empregos", afirmou Cintra, ao sair de uma reunião com o ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU). Eles conversaram sobre sistemas de governança na administração pública.

Perguntado sobre a pouca efetividade que as desonerações tributárias tiveram na geração de emprego em gestões anteriores, Cintra ponderou que a proposta em análise é diferente, mais ampla e abrangente. Segundo ele, tudo é qiestão de como as coisas são feitas. "A desoneração das folhas de salário aconteceu [nos governos anteriores] muito em cima de demandas específicas, pontuais, mas queremos fazê-las de maneira geral, ampla, sistêmica. Exatamente essas simulações que estamos tentando fazer."

Para compensar eventuais perdas de arrecadação com a desoneração sobre a folha de salários, Cintra disse que poderia haver uma "tributação adicional em outras bases", inclusive sobre tributos indiretos. Ele citou também o aumento da arrecadação com maior faturamento das empresas.

Sem CPMF
Questionado, Cintra descartou totalmente a hipótese de resgatar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

"A CPMF é um tributo que tem uma característica que nós evitamos. O presidente já disse que não haverá CPMF. É um tributo que foi implantando de maneira equivocada, veio como um tributo a mais, para aumentar a carga tributária. [Queremos] a racionalização do sistema tributário e, tendo em vista o esforço de ajuste fiscal, a redução da carga tributária, e não o incremento dela", afirmou.

Alíquotas do IR
Sobre a possibilidade de mexer na tabela do Imposto de Renda (IR), para reduzir o número de alíquotas incidentes no tributo, Marcos Cintra disse que o assunto está em pauta, mas que será trabalhado com um prazo maior, já que a prioridade imediata da equipe econômica é a reforma da Previdência.

"A reforma do Imposto de Renda está na nossa pauta, mas não é ainda uma prioridade imediata. A prioridade do governo, hoje, é trabalhar na reforma previdenciária, o que me dá, envidentemente, algum tempo para desenvolver um projeto que envolva não só Imposto de Renda, mas reforma tributária como um todo. A Receita Federal está muito empenhada nisso", acrescentou.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Brasil

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará

A norma valerá para aqueles estados e municípios que não tiverem regras próprias.

Petrobras vai rever periodicidade de reajustes de diesel e gasolina
Economia

Petrobras vai rever periodicidade de reajustes de diesel e gasolina

Na visão da diretoria, a aplicação imediata da revisão permitirá à Petrobras, no momento, reduzir os pre...

Caixa já renegociou dívida de 125 mil clientes após lançar campanha
Economia

Caixa já renegociou dívida de 125 mil clientes após lançar campanha

A expectativa da Caixa é receber até o final da campanha, que dura 90 dias, R$ 1 bilhão.

Vídeo

Senado Aprova (10 a 14 de junho) — O mais importante que o Senado aprovou nesta semana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Contrato de namoro, já ouviu falar?
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram