Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
13 de Outubro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Educação

Todas as notícias
Publicado em 25/09/2018 11h28.

Professores ocupam prédio da prefeitura em protesto por recurso do Fundef

Mais de 200 professores aderiram à manifestação logo cedo, e a expectativa é que ao longo do dia mais pessoas participem.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Professores ocupam prédio da prefeitura em protesto por recurso do Fundef
Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Laiane Cruz

Em paralisação por 24 horas, os professores da rede municipal de Feira de Santana ocuparam, na manhã desta terça-feira (25), o prédio da prefeitura para cobrar mais uma vez o pagamento do precatório, recurso que liberado pelo Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério).

De acordo com o professor Paulo Di Tarso, que faz parte da APLB- sindicato. Mais de 200 professores aderiram à manifestação logo cedo, e a expectativa é que ao longo do dia mais pessoas participem. O objetivo é novamente tentar sensibilizar o prefeito Colbert Martins a negociar o pagamento com a categoria.

Fotos: Paulo José/Acorda Cidade

“Ele sabe que 60% dos recursos do precatório são destinados aos professores da educação, e isso já é comprovado. Existem experiências aqui na Bahia exitosas de prefeitos que negociaram e pagaram, como em Baixa Grande, que já começou a pagar à categoria e a gente não entende por que tanta resistência do prefeito Colbert”, afirmou o educador.

Segundo ele, na última audiência, o prefeito teria solicitado aos professores que retirassem a causa da Justiça acerca do assunto, mas também não garantiu que negociaria.

“Nós temos compromisso, responsabilidade com a educação e com a categoria, e a consciência e convicção que esse dinheiro é da educação. Estamos tentando sensibilizar o prefeito para que a gente não venha a tomar medidas mais extremas e cause mais prejuízos a estudantes, como uma paralisação definitiva por tempo indeterminado. O que a categoria está tentando fazer é minimizar os prejuízos”, destacou Paulo Di Tarso.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Ele acrescentou que, uma vez liberado, o dinheiro deverá ser pago aos professores ativos, aposentados, funcionários de escola, todos os profissionais envolvidos na educação. E que por isso não há uma estimativa de quanto cada trabalhador deverá receber. “Mas na verdade não é o valor, e sim o direito, que conquistado, não podemos abrir mãos”, disse.

Até o fechamento desta reportagem, o prefeito Colbert Martins não se encontrava na prefeitura, por isso uma comissão de professores se reuniu com o secretário de governo, Paulo Aquino.

Com informações e fotos do repórter Paulo José do Acorda Cidade. 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Materiais online podem ajudar estudante a se preparar para o Enem
Educação

Materiais online podem ajudar estudante a se preparar para o Enem

Provas serão nos dias 3 e 10 de novembro em 1.727 municípios

Educação

UFRB abre inscrição para residências em Nutrição e em Enfermagem

Os candidatos selecionados receberão bolsa mensal no valor bruto de R$ 3.330,43 (três mil trezentos e trinta...

Educação

UFRB seleciona alunos para Mestrado em Comunicação, em Cachoeira

O público-alvo são graduados ou graduandos de qualquer área. Candidatos estrangeiros somente poderão parti...

Vídeo

Prefeitura derruba barracões de fogos na Avenida Noide Cerqueira Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta Sexta-Feira 11.10:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram