Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
20 de Julho de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 18/09/2018 06h41.

Maniçoba: um dos sabores marcantes de Feira de Santana 🍲

A comida faz parte da lista de sabores marcantes de Feira de Santana e é, sem dúvida, uma das preferidas das pessoas que apreciam a gastronomia local.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Maniçoba: um dos sabores marcantes de Feira de Santana 🍲
Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

Rachel Pinto

Feira de Santana é a cidade da diversidade. De gente, de cores, lugares e sabores. O fato de ser entroncamento rodoviário fortalece essa característica e cria um universo multicultural de várias identidades. A figura do vaqueiro é a grande referência histórica, mas dá passagem para o comerciante, o cordelista, à sambadeira e gente de todo lugar que passa pelos caminhos da Princesa do Sertão. A culinária é fruto dessa mistura e não há um prato específico que possa ser considerado a cara da cidade, como, por exemplo, o acarajé, que é a principal comida que faz referência a Salvador.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

O multiculturalismo trouxe pra Feira de Santana pratos de todo o estado e ainda de norte a sul do Brasil. A carne de sertão (carne de charque), que é ingrediente fundamental em vários preparos, traz significados sobre a história da cidade, principalmente porque era uma das bases alimentares dos tropeiros que por aqui passavam e construíram história. Além da carne salgada, que podia ser conservada em longas viagens, outros sabores que passavam foram crescendo raízes, fazendo novas adaptações e incrementando nos temperos.

A proximidade de territórios e limites trouxe para essa terra fortes características do Recôncavo e a peculiaridade do sabor da maniçoba. A comida faz parte da lista de sabores marcantes de Feira de Santana e é, sem dúvida, uma das preferidas das pessoas que apreciam a gastronomia local.

O prato está presente nos diversos restaurantes, assim como nos almoços e ocasiões especiais em família. Já virou até sobrenome de pessoas que são especialistas no preparo, e é o carro-chefe do estabelecimento de Djalma Leandro Lopes.

Ele conta que a maniçoba está em primeiro lugar entre as refeições mais pedidas em seu restaurante e faz questão de caprichar no preparo para agradar os clientes. Usa ingredientes de qualidade e quem come uma vez da maniçoba logo se fideliza.

"Aqui eu tenho feijoada, dobradinha, sarapatel, mocofato, carne de charque, mas a maniçoba está em primeiro lugar. É o prato mais pedido pelos clientes e eu tenho muito carinho em fazer. É trabalhoso e tem que saber preparar. As folhas têm que ser bem lavadas e, além disso, tem que colocar pouca água até chegar ao ponto”, explicou.

Djalma diz que a maniçoba é como uma feijoada. No entanto, ao invés do feijão, a base do prato é a folha da mandioca moída. São utilizadas as carnes salgadas e carnes frescas, temperos secos e verdes como coentro e cebolinha. O processo de lavagem e cozimento das folhas requer muita atenção, pois as folhas tem uma substância chamada ácido cianídrico. Essa substância é tóxica e se não for eliminada das folhas pode fazer muito mal para a pessoa que ingerir a maniçoba.

Desta forma, o preparo de uma boa maniçoba envolve o cuidado e o manejo com as folhas da mandioca, que são o principal ingrediente, usar produtos de qualidade e cozinhar com amor.

O prato é exótico e pesado. Não dá pra comer uma maniçoba e sair por aí correndo ou agitando-se, por exemplo. Os apreciadores dessa iguaria geralmente escolhem degustá-la no fim de semana, ou em momentos de mais tranquilidade. É bom comer a maniçoba sem pressa, acompanhada principalmente de farinha ou arroz e uma pimentinha. As bebidas que são sugestivas para acompanhar a comilança ficam a critério do cliente. Mas, o sabor torna-se ainda mais inconfundível se para abrir o apetite tiver uma cachaça ou uma cerveja gelada. Para quem não consome bebida alcoólica, o refrigerante ou a água mineral também não podem faltar.

A maniçoba de Djalma, depois de cozida, só é liberada para os clientes de um dia para o outro. Segundo ele, o sabor fica mais apurado e quando ela vai para a mesa, não há quem não fique com vontade de raspar o “tacho”.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

Natural de São Gonçalo, ele chegou a Feira de Santana ainda criança. Aqui cresceu, formou família e trabalha com restaurante há 25 anos aproximadamente. Conta que aprendeu a cozinhar sozinho, testando e experimentando. O segredo da boa comida, para ele, é acima de tudo estar com a cabeça tranquila. Enquanto a maniçoba já vai ficando no ponto,  a fervura e o cheiro sobem, os passarinhos cantam como se anunciassem o produto aos clientes.

A melhor propaganda sem dúvida é essa e o boca a boca dos clientes de Djalma. O estabelecimento abre de terça-feira a domingo das 10h até a meia-noite e a refeição custa R$ 17 .

Ele relata ao Acorda Cidade que através do restaurante já conheceu muita gente, fez muitos amigos e vê a todo momento gente chegando e passando por Feira de Santana.

“Eu gosto de cozinhar tranquilo e sem estresse. Gosto de organização e sou até um pouco sistemático. Sou um cara apaixonado por Feira de Santana e tudo que eu adquiri foi aqui. Eu quero que, cada vez mais, Deus me dê vida e saúde para trabalhar e eu veja o sucesso de outras pessoas. Feira é uma cidade maravilhosa, é um polo de todo o Brasil e quem passa por aqui quer ficar”, comentou.

Origem da Maniçoba

Embora tenha se consolidado como um prático típico baiano, especialmente do Recôncavo e da região de Feira de Santana, a maniçoba é um prato de origem indígena e muito popular na culinária paraense e região Norte do Brasil. É uma das atrações do tradicional almoço do Círio de Nazaré, que acontece em Belém no segundo domingo de outubro.

Foto: Rachel Pinto

O prato saiu do Norte do Brasil até o Sertão da Bahia em virtude de todo o processo migratório brasileiro e hoje é comida preferida de muitos feirenses de carteirinha e daqueles que gostam de se aventurar pela culinária, cultura e história.

O restaurante de Djalma fica localizado na Rua Sabino Silva, esquina com a Rua Juracy Magalhães, próximo a feirinha da Estação Nova.

Leia também

Saiba por que Feira de Santana vai comemorar mais um aniversário sem feriado

O mistério e o folclore sobre a história da 'má fama' de Feira de Santana

Maniçoba: um dos sabores marcantes de Feira de Santana

História de Feira: como 18 de Setembro foi instituído o Dia da Cidade

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Feira de Santana

Colégio lamenta morte de estudante enquanto brincava na casa de amigo

O garoto chegou a ser socorrido para uma unidade de pronto atendimento, mas não resistiu.

Centro de Controle Operacional de transporte público é apresentado a Colbert Filho
Feira de Santana

Centro de Controle Operacional de transporte público é apresentado a Colbert Filho

O equipamento, que está sendo construído na avenida Rio de Janeiro, na Pedra do Descanso, vai acompanhar em ...

Prefeitura identifica 344 imóveis em situação irregular nos empreendimentos do Minha Casa, Minha Vida
Feira de Santana

Prefeitura identifica 344 imóveis em situação irregular nos empreendimentos do Minha Casa, Minha Vida

Deste total são 89 imóveis invadidos, 173 abandonados, 26 cedidos, 31 alugados, 19 vendidos e seis depredado...

Vídeo

Cachorro destrói quarto da dona, deixa ela uma fera e viraliza; assista Veja mais Vídeos ›

Podcast

Moradores do bairro Campo Limpo reclamam da situação das ruas e fazem equilibrismo para não caírem na lama
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram