Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • ELEIÇÕES
  • Educa Mais Brasil
16 de Outubro de 2018
Dólar: R$ 4,09 Euro: R$ 4,78
24º 35º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Ciência e Tecnologia

Todas as notícias
Publicado em 13/02/2018 10h15.

Nasa desenvolverá comida feita de urina e fezes para astronautas

Cientistas garantem que alimento é seguro para a saúde.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Nasa desenvolverá comida feita de urina e fezes para astronautas
Foto: Reprodução/Nasa

Acorda Cidade

A Nasa planeja elaborar um alimento feito a partir das fezes e urina dos astronautas. O método, desenvolvido pela Universidade da Pensilvânia, promete transformar dejetos humanos em uma biomassa comestível. Segundos os pesquisadores, isso é possível graças a reações microbianas e o objetivo da criação é viabilizar alimentação em longas missões espaciais.

"É um conceito um pouco estranho", admite Christopher House, professor de Geociências na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. 

O projeto, financiado pela Nasa, foi encomendado para que os astronautas possam garantir alimento por meses ou anos, sem ocupar muito espaço de armazenamento nos foguetes. Segundo a agência espacial americana, o transporte de alimentos para viagens longas, como a Marte, por exemplo, ocuparia espaço de armazenamento em excesso, aumentando o peso da espaçonave, o que implica em maior necessidade de combustível, o que torna a missão complicada de ser executada.

Caso o alimento seja desenvolvido, House afirma que o problema estará resolvido e, de quebra, outra questão será sanada. Atualmente, os tripulantes da Estação Espacial Internacional reciclam parte da água da sua urina, o que exige um alto consumo de energia, e lançam suas fezes no espaço. Isso não aconteceria mais.

"Testamos o conceito de simultaneamente tratar os resíduos dos astronautas com micróbios, (para) produzir uma biomassa comestível direta ou indiretamente, dependendo das preocupações com a segurança (alimentar)", diz o pesquisador em um comunicado divulgado por sua universidade.

A Universidade garante que o alimento é seguro e não trará mal à saúde, já que os micróbios responsáveis pela transformação serão criados em ambientes alcalinos ou de altas temperaturas, impedindo a proliferação de doenças.
 

Fonte: Correio 24h

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Twitter teve 2,7 milhões de postagens sobre divergências políticas
Redes sociais

Twitter teve 2,7 milhões de postagens sobre divergências políticas

De 7 de setembro a 7 de outubro, foram publicados 1,1 milhão de tweets sobre agressões.

Hackers roubaram dados de 29 milhões de usuários do Facebook
Internet

Hackers roubaram dados de 29 milhões de usuários do Facebook

Rede social deu detalhes sobre invasão ocorrida há duas semanas.

Ciência e Tecnologia

Feira de Santana sedia importante evento nacional sobre teoria e ciência de redes

O objetivo geral do evento é promover discussões sobre questões que emergem da Teoria e Ciência das Redes ...

Vídeo

Documentário Os Guardiões da Lagoa Veja mais Vídeos ›

Podcast

Entrevista com José Ronaldo - Parte I
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram