Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  •  Reserva Lumiere
  • Gov BA modelo de gestão
26 de Agosto de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Feira de Santana

Todas as notícias
Publicado em 29/10/2015 18h17.

Liminar proíbe prefeitura de Feira de retirar árvores em obras do BRT

A prefeitura de Feira de Santana está sujeita a multa de R$ 5 mil por árvore derrubada para a implantação do BRT.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Liminar proíbe prefeitura de Feira de retirar árvores em obras do BRT
Foto: Ed Santos/Acorda Cidade |Avenida Maria Quitéria

Ney Silva e Danillo Freitas

A juíza Karim Almeida, que responde interinamente pela 3º Vara da Justiça Federal, ao apreciar uma ação popular que pedia a suspensão por completo das obras do BRT, julgou uma liminar determinando que a prefeitura de Feira de Santana não retire árvores com a finalidade de realizar o projeto. A ação foi movida pelo advogado Sizino Oliveira, em nome de quatro cidadãos de Feira.

De acordo com a decisão, a prefeitura está sujeita a multa de R$ 5 mil por árvore derrubada para a implantação do sistema de transporte rápido de ônibus. Vale ressaltar que a liminar não suspende as obras, que poderão prosseguir parcialmente.

“Essa ação popular visa à invalidação do projeto BRT como um todo, porque o projeto não atende a política urbana traçada na Constituição Federal e as diretrizes do Estatuto das Cidades, que regulamenta essa estrutura urbana”, afirmou Sizino. Ele explicou ainda que uma cidade como Feira de Santana precisa ter um plano diretor, de transportes integrado e de mobilidade urbana.

Ainda segundo Oliveira, só dessa forma que o município poderia incrementar qualquer inovação na política urbanista da cidade. Sizino disse ainda que teve acesso a documentos do Ministério das Cidades atestando que Feira de Santana, quando apresentou o projeto do BRT, não anexou os projetos dos planos citados.

De acordo com Sizino Oliveira, quando a prefeitura se habilitou junto ao Ministério das Cidades com o projeto do BRT, apresentou apenas uma lei complementar de 2009 acompanhada com um mapa intitulado de plano diretor. Na opinião dele, apenas a lei complementar não pode substituir o plano diretor porque ela precisa ser uma lei municipal específica.

A ação popular alega que a implantação do sistema pode causar danos irreversíveis ao meio ambiente e ao patrimônio da cidade. Os autores da ação destacam também que o projeto do BRT no centro da cidade não atende aos interesses da população que usa o transporte público.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Feira Itinerante conquista público e garante lucro a feirantes
Feira de Santana

Feira Itinerante conquista público e garante lucro a feirantes

A feira móvel é realizada uma vez por semana.

Funcionários da Sustentare avaliam proposta de reajuste de 21,4% no tíquete refeição
Feira de Santana

Funcionários da Sustentare avaliam proposta de reajuste de 21,4% no tíquete refeição

A proposta foi definida entre comissão dos trabalhadores, sindicato da categoria e direção da empresa, dura...

Centro Comercial Popular convida ambulantes cadastrados para sorteio de boxes
Feira de Santana

Centro Comercial Popular convida ambulantes cadastrados para sorteio de boxes

O sorteio será no próprio empreendimento, à rua Olímpio Vital, s/n, centro, ao lado da passarela que liga ...

Vídeo

Veja vídeo em 3D de como ficará o Centro de Educação, no prédio do FTC Veja mais Vídeos ›

Podcast

CDL realiza entrega dos prêmios da campanha Liquida Feira 2019
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram