Acorda Cidade - Dilton Coutinho

Governo da Bahia
  • São João
  • São João
Programação São João
23 de Junho de 2018
Dólar: R$ 3,68 Euro: R$ 4,34
19º 28º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Educação

Todas as notícias
Publicado em 30/04/2015 12h50.

Professores fazem manifestação em frente a prefeitura

Durante o protesto, que faz parte de uma mobilização nacional e contou com professores de outras cidades da Bahia, os profissionais realizaram uma caminhada pela Avenida Getúlio Vargas.
Professores fazem manifestação em frente a prefeitura
Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Daniela Cardoso 

Professores das redes estadual e municipal realizaram um protesto em frente a prefeitura de Feira de Santana durante a manhã desta quinta-feira (30) contra a PL 4330 (PL das Terceirizações) e o reajuste do governo do estado para os professores da rede estadual, que ainda não foi liberado. Durante o protesto, que faz parte de uma mobilização nacional e contou com professores de outras cidades da Bahia, os profissionais realizaram uma caminhada pela Avenida Getúlio Vargas.

Marlede Oliveira, que faz parte da APLB Sindicato de Feira, afirmou que essa é uma manifestação vitoriosa. De acordo com ela, participaram do protesto professores dos municípios de Ipirá, Irará, Santo Estevão, Itatin, Rafael Jambeiro, Antônio Cardoso, Coração de Maria, Ipecaetá e Anguera.

“Hoje é um dia de paralisação nacional. Os trabalhadores ouviram o chamado da nossa entidade e estão aqui presentes para que a gente diga que não aceitamos o reajuste que o governo do estado mandou para a assembeia, que é de 6,41%, parcelado para março e novembro. Nós também queremos que os prefeitos de toda a Bahia cumpram a lei do piso e a reserva da carga horária”, afirmou.

Além disso, de acordo com Marlede, a categoria protestou contra a lei da terceirização e a forma como a educação no Brasil é tratada. “Estamos aqui em repúdio a aqueles que querem tirar os direitos adquiridos, pois essa lei da terceirização é a volta da escravidão. Se essa lei passar, as empresas vão contratar professores e não vão mais querer fazer concurso. Com isso, os direitos trabalhistas serão diferenciados”, destacou.

As informações são do repórter Paulo José do Acorda Cidade 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Uninassau abre seleção para contratação de corpo docente
Educação

Uninassau abre seleção para contratação de corpo docente

As inscrições devem ser realizadas até o dia 1 de julho.

Dia do Mídia: conheça mais sobre o profissional estratégico para campanhas publicitárias
Educação

Dia do Mídia: conheça mais sobre o profissional estratégico para campanhas publicitárias

O mídia faz a ponte entre o desejo do cliente e o alcance da marca junto ao público ideal.

Coreografias de Papel convoca obras de dança da Bahia para transposição em livro infanto-juvenil
Educação

Coreografias de Papel convoca obras de dança da Bahia para transposição em livro infanto-juvenil

Artistas gráficos e coreógrafos desenvolveram uma coleção de livros-objetos que proporcionam relação cor...

Vídeo

Coletivo de artesãs na Feira do Semiárido da Uefs Veja mais Vídeos ›

Podcast

Segunda etapa do concurso da Câmara Municipal será realizada neste domingo (24)
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram