Artigo

Educação pós-pandemia

Se tudo está interligado, é difícil pensar que esta crise mundial não tem a ver com nossa educação.

19/04/2022 10h08, Por Kaio Vinícius

image image image image image

Compartilhe essa notícia

image image image image image

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Aprender lições com a vida é dever de todos os educadores: pais, professores, lideranças comunitárias e religiosas. Educar, antes de dar lições, é aprender com a vida cotidiana e com as crises. Da pandemia da Covid-19 nos cabe tirar lições e compromissos para o presente e para o futuro. Não nos esqueçamos que a historia é a mestra da vida.

APRENDER é uma capacidade humana e condição da nossa própria humanidade. A tribulação, a incerteza, o medo e a consciência dos próprios limites, que a pandemia despertou, fazem ressoar o apelo a repensar nossos estilos de vida, nossas relações, a reorganização da nossa sociedade e, sobretudo, o sentido da nossa existência. Se tudo está interligado, é difícil pensar que esta crise mundial não tem a ver com nossa educação.

O QUE PODEMOS aprender com a pandemia? Como iniciar novos processos que contribuam para o nascimento de uma nova realidade educacional? Não existe solução fácil para problemas difíceis. Priorizar a educação supõe empenho concreto que vai desde a família até a elaboração de políticas públicas. Isso porque educar, é também, cuidar e ajudar a ver a realidade para nos colocar a serviço do próximo.

A PANDEMIA nos colocou de volta ao ambiente familiar. Nunca estivemos tanto tempo em casa. Esse ambiente possibilitou a redescoberta da disciplina, da ajuda mutua, da corresponsabilidade e dos limites da convivência familiar. Os pais são os primeiros educadores de seus filhos e, quando a família não cumpre sua missão, fica exposta aos contra valores oferecidos pela sociedade.

O BOM USO das redes sociais e sua utilização para favorecer a partilha do conhecimento ficou ainda mais evidenciado com a pandemia. É preciso acompanhar e utilizar de forma adequada essa bela oportunidade de proximidade virtual que jamais supera ou exclui o presencial. Agora, é preciso ousadia e criatividade em nossa capacidade de educar em tempos pós-pandêmicos.

ESSA PANDEMIA está passando. Essa tempestade mundial, já não assusta e devemos preparar uma nova geração pós-pandêmica, mais humana, fraterna, justa e mais solidaria. Jesus, o melhor de todos os educadores, o Mestre dos mestres, que “crescia em sabedoria, idade e graça diante de Deus e dos homens” (Lc 2,52), abençoe e recompense os que assumem a nobre missão de educar.

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]
 

Compartilhe essa notícia

image image image image image image

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mais Notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

image

Rádio acorda cidade