Acorda Cidade - Dilton Coutinho

28 de Janeiro de 2022
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Economia

Todas as notícias
Publicado em 07/01/2022 14h26.

R$ 112 foi um bom aumento no salário mínimo? Economista afirma que o brasileiro deveria receber em torno de R$ 5 mil

Para o profissional, o reajuste está defasado.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
R$ 112 foi um bom aumento no salário mínimo? Economista afirma que o brasileiro deveria receber em torno de R$ 5 mil
Foto: Daniel Isaía/Agência Brasil

Gabriel Gonçalves

Desde o último sábado (1º), o salário mínimo no Brasil já está valendo R$ 1.212. A mudança foi oficializada na última sexta-feira (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

A reportagem do Acorda Cidade foi ao centro da cidade, buscar a opinião dos feirenses sobre a nova mudança, se o novo valor foi justo ou não.

Para Paloma Santos, o valor deveria ser em torno de R$ 2 mil, já que todos os produtos estão tendo aumento.

"Eu acho que esse valor de R$ 1.212 é muito pouco, porque referente a quantia que o povo brasileiro necessita nesse momento, é baixo o valor. Temos o gás para pagar, energia, coisas do dia a dia e depois que teve a pandemia, aí que as coisas aumentaram mais ainda. Acredito que no mínimo, o salário deveria ser de R$ 2 mil", afirmou.

Para a dona de casa Laura Ribeiro Oliveira, com tantos gastos que estão acontecendo atualmente a exemplo do preço da carne, do gás e da gasolina, seria necessário que o valor fosse de R$ 1.400.

"A gasolina já subiu novamente, o botijão de gás no meu bairro custa R$ 105, como é que a gente sobrevive com um salário desse de R$ 1.212? O quilo da carne já subiu novamente, hoje fui comprar, estava de R$ 16, então na minha opinião, o valor tinha que ser de R$ 1.400. Há poucos instantes por exemplo, deixei ali R$ 80 na farmácia, porque peguei essa gripe, tive que comprar dois xaropes, e os medicamentos continuam caros também", alertou.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Morador do distrito de Jaíba, o senhor Carlito de Oliveira informou à reportagem do Acorda Cidade que o valor do salário mínimo deveria ser de R$ 1.500.

"Não dá para nada esse valor aí que foi atualizado. Se a pessoa morar só, ainda dar para dar um jeito, mas se tiver família, não sobra nada e ainda falta. Olha o preço da gasolina como está, quem tem carro, precisa deixar o salário todo no posto porque não tem condições. Eu acho que o salário tinha que ser pelo menos de R$ 1.500. Hoje uma pessoa mora de aluguel, só nisso aí já é R$ 500, e o restante é para pagar as contas e comprar comida", disse.

Em entrevista ao Acorda Cidade, o economista Renê Becker, explicou como é calculado o reajuste do salário mínimo e destacou que o ideal para o povo brasileiro, seria um salário de R$ 5.400.

"Essa atualização se dá com base no IPCA, que é um índice determinado pelo IBGE, que denomina pelo Índice de Preços ao Consumidor Ampliado, e no exercício de 2021, a inflação ainda não estava totalmente definida, então a variação do salário foi com base nos últimos 12 meses, considerando o mês de novembro que foi equivalente a 10,18%. Então na realidade, não houve um ganho real no salário mínimo. O salário deste ano de 2022 está defasado com relação ao exercício passado, então consequentemente, o salário mínimo vem sendo defasado ao longo do tempo e se nós fossemos tomar por base, o índice do Dieese, o salário mínimo deveria ser em torno de R$ 5.400. Mas entra o questionamento, seria possível fazer o pagamento neste valor? Existem várias vinculações ao salário mínimo, como a pensão alimentícia, aposentadoria, Auxílio-Doença, Benefício de Prestação Continuada que chamamos de BPC, pago as pessoas maiores de 65 anos ou aqueles que possuem deficiência e sejam de baixa renda, então consequentemente, não teria como pagar este valor", explicou.

Foto: Paulo José/Acorda Cidade

Para o economista, o aumento de R$ 112 não acompanha o reajuste dos preços dos produtos que estão sendo comercializados.

"A inflação é tomada por base da variação média dos preços da economia que consequentemente, o salário vincula-se sobre aquela classe que tem o menor poder aquisitivo e os preços dos gêneros básicos tiveram um aumento no exercício passado. Mais de 30% se consideramos o preço do feijão, o preço do arroz, que são produtos básicos e consequentemente, o poder de compra do assalariado está totalmente defasado e se fizermos uma avaliação atualmente do salário mínimo que hoje é de R$ 1.212, é apenas suficiente para comprar apenas duas cestas básicas. Imagine então as pessoas que já possuem os gastos com energia, água e outras coisas, o salário não cobriria tudo. Então em nossa avaliação, este valor encontra-se defasado", concluiu.

 

Com informações do repórter Paulo José do Acorda Cidade

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Petrobras registra recorde de produção e venda de diesel S-10 em 2021
Economia

Petrobras registra recorde de produção e venda de diesel S-10 em 2021

O diesel S-10 é um combustível com baixo teor de enxofre

Emprego com carteira cresce 4% no trimestre encerrado em novembro
Economia

Emprego com carteira cresce 4% no trimestre encerrado em novembro

Mercado formal de trabalho tem 1,3 milhão de pessoas a mais

Comércio comemora boas vendas após anúncios de promoções em Janeiro
Feira de Santana

Comércio comemora boas vendas após anúncios de promoções em Janeiro

Vendedora de loja, Flávia acredita que esse ritmo de vendas já vem desde dezembro e agora com muitas pessoas...

Vídeo

Covid-19: com poucos funcionários, drive-thru da prefeitura gera longas filas na Ayrton Sena Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta sexta-feira 28.01.22:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram