Acorda Cidade - Dilton Coutinho

29 de Novembro de 2021
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Polícia

Todas as notícias
Publicado em 24/11/2021 12h32.

Em depoimento à PF, secretário nega ter recebido R$ 400 mil por consultoria à UPA e atribui denúncia a 'interferências políticas'

A denúncia foi protocolada no dia 15 de setembro pelo presidente da Câmara de Vereadores, Fernando Torres.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Em depoimento à PF, secretário nega ter recebido R$ 400 mil por consultoria à UPA e atribui denúncia a 'interferências políticas'
Foto: Aldo Matos/ Acorda Cidade

Laiane Cruz

Acompanhado do advogado Guga Leal, o secretário de saúde de Feira de Santana, Marcelo Britto, compareceu na manhã desta quarta-feira (24) à sede da Polícia Federal para prestar depoimento, acerca da denúncia de suposto esquema de superfaturamento em serviços prestados por sua empresa à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Queimadinha.

Foto: Aldo Matos/ Acorda Cidade

A denúncia foi protocolada no dia 15 de setembro pelo presidente da Câmara de Vereadores, Fernando Torres. Ele compareceu à sede da PF junto com uma comitiva formada pelos vereadores Luiz da Feira, Paulão do Caldeirão e a vereadora Eremita Mota. (Relembre aqui)

Na ocasião foram entregues ao delegado documentos e notas fiscais, que supostamente comprovariam o recebimento do valor de R$ 200 mil mensais pela empresa do secretário Marcelo Brito, por serviços de consultoria prestados à UPA, na época em que ainda não estava à frente da pasta municipal.

Em coletiva à imprensa, após o depoimento na sede da PF, o secretário Marcelo Britto negou que tivesse recebido o total de R$ 400 mil por dois meses de consultoria à UPA. Segundo ele, o valor foi de pouco mais de R$ 200 mil.

Foto: Aldo Matos/ Acorda Cidade

“Eu recebi pouco mais de R$ 200 mil por serviços de consultoria e atendimento. Eu acho barato. Depende muito da assessoria que você presta. Tem serviços que talvez 1 mil reais seja muito caro, e tem serviços de R$ 1 milhão que acho que sai barato. Vai depender muito da avaliação do resultado dos serviços que foram prestados”, justificou.

Ele disse que durante o depoimento o delegado fez perguntas específicas acerca da denúncia, de maneira educada e sem nenhum tipo de agressão. “Se tiver provas contra mim vou ser sancionado conforme a lei. Se não tiver, arquiva-se o processo”, resumiu.

Ainda de acordo com Marcelo Britto, os serviços prestados foram para a área de saúde, os quais já são realizados por ele há cerca de 20 anos, em grandes hospitais, como o Hospital Português, em Salvador, hospitais de Recife, do interior de Minas Gerais, com valores que são até superiores.

Questionado se, diante da investigação, irá permanecer à frente da Secretaria de Saúde, Brito afirmou que ainda não recebeu nenhum ultimato do prefeito Colbert Martins a esse respeito.

“Enquanto o Diário Oficial não publicar minha exoneração, continuo secretário. No dia que publicar, deixo de ser secretário e continuo médico. Ser secretário eu diria que é uma missão. No momento em que eu fui convidado para assumir a Secretaria Municipal de Saúde eu sabia que 'você' termina se envolvendo indevidamente em questões políticas. Eu não sou político, não sou candidato a nada, estou apenas para fazer uma boa gestão na Secretaria de Saúde, e esse é o papel que estamos fazendo, mas tudo na vida tem esses percalços, e tudo na vida é uma missão.”

Interferências políticas

O secretário Marcelo Britto atribuiu também que a investigação contra ele a interferências políticas, em virtude de interesses que poderiam ter sido contrariados.

“Eu diria que não há perseguição, eu diria que são interferências políticas, porque a gente faz uma série de mudanças na secretaria e que desagradam as pessoas. Quem poderia levar algum tipo de vantagem deixa de levar, e infelizmente, na nossa cultura, percebe-se que se quer levar vantagem em tudo e isso não é o ideal”, justificou.

Em relação à possibilidade de ser convocado a depor durante a CPI da Saúde, instaurada na Casa Legislativa, o secretário disse que está à disposição de todos os vereadores.

“O dia que eles desejarem. Já fui chamado duas vezes e já mandei ofício duas vezes marcando a data, e um dia antes cancelaram. Estou à disposição de qualquer um dos vereadores e da imprensa, para dar respostas honestas e claras, como sempre faço quando dou entrevistas”, concluiu.

 

Com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade.

 

Leia também:

Prefeitura diz que denúncia de Fernando Torres contra secretário de Saúde é irresponsável

Presidente da Câmara denuncia suposto desvio de verbas pela Secretaria de Saúde

 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Idoso e homem de 33 anos são presos por estupro de adolescentes; todos são da mesma família
Polícia

Idoso e homem de 33 anos são presos por estupro de adolescentes; todos são da mesma família

Um terceiro envolvido nos crimes também teve a prisão decretada e está sendo procurado. Ele é o pai de uma...

Vídeo

Persistência: vendedor de água mineral passa em concurso da PM Veja mais Vídeos ›

Ouça Agora

Programa desta sexta-feira 26.11:
Mais áudios ›

Facebook

Instagram