Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Thayane Pinheiro
  • SECOM CLERISTON
28 de Março de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Dom Itamar Vian

Todas as notícias
Publicado em 09/12/2019 08h58.

Foi sorte ou azar?

Recusou muitas vezes propostas por ele. Não venderia por preço algum.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

Numa pequena aldeia vivia um senhor muito sereno. Ele amava seu sítio, sua horta, seu pomar, o pequeno riacho, as árvores e as flores. Amava sobretudo um cavalo branco que recebeu de seu pai. Recusou muitas vezes propostas por ele. Não venderia por preço algum.

UM DIA O CAVALO foi roubado ou fugiu e os vizinhos solidarizar-se com ele. Comentavam: é muito azar! E ele perguntava: Será que foi azar ou sorte? Não sei. Passou-se algum tempo e o cavalo retornou acompanhado de seis belos cavalos selvagens. Que sorte, exclamavam os vizinhos. E lá vinha a sentença: sorte ou azar, não sei.

O TEMPO foi passando e os cavalos selvagens iam sendo domados. Foi nessa tarefa que ele caiu e fraturou uma perna. Que azar, voltaram a repetir os vizinhos. Se foi ruim ou bom eu não sei, explicou ele. Semanas depois, rompeu uma guerra e todos os jovens do povoado tiveram de se alistar, menos ele, porque estava com a perna quebrada. Foi sorte, comentavam em coro os vizinhos. Eu ainda não sei se foi sorte ou azar.

A VIDA é feita de sonhos, mas nem todos se tornam realidade. Aparecem muitas surpresas. Num primeiro momento podemos passar da euforia para o desânimo. Inteligente é esperar. A situação muda a cada instante. E contra os fatos pouco adiante reclamar. Devemos dar tempo ao tempo e assimilar a nova situação. Não importa o que a vida fez de nós, mas o que nós fazemos com a vida. O que nos parece sorte pode transformar-se em azar. O que parece ruim pode trazer frutos bons.

FOI UMA DOENÇA que ajudou Francisco de Assis escolher seu luminoso caminho. Foi um ferimento, em uma batalha perdida, que abriu os olhos de Inácio de Loyola. Foi uma visita que a Irmã Dulce dos Pobres fez a uma comunidade de pobres que a levou a dedicar toda vida aos cuidados dos excluídos e doentes. Foram problemas familiares que levaram pais e filhos a buscar o caminho do diálogo. Na linguagem do mar, eles ajustaram suas velas diante da tempestade

PARA AQUELE que tem fé, que acredita em Deus, todos os acontecimentos, a partir dos mais negativos, tem alguma sinalização humana e divina. Já o profeta Isaías fazia um chamamento à esperança: “Criai ânimo, não tenhais medo, nosso Deus vem para nos salvar!” Nossa situação pode mudar de um momento para outro, mas Deus não muda. “Tudo passa, mas as minhas Palavras não passarão”.(Mt 24,35).

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Artigo

Por que sofremos?

Piores ainda são outros sofrimentos: medo, traição, calúnia, ingratidão, injustiça e solidão.

Artigo

Remédio milagroso

A água é um bem natural que precisa de cuidados.

Artigo

Quanto vale a vida?

Somente no Brasil, acontecem, por ano, aproximadamente, 50 mil homicídios, 40 mil mortes no trânsito e 15 mi...

Vídeo

Médico relata fatos históricos em Feira de Santana relacionados a pandemias, epidemiarias e endemias Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta sexta-feira 27.03
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram