Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
20 de Setembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 13/09/2019 18h18.

Setembro Amarelo: como está a saúde mental e emocional de seus funcionários?

Assunto pouco discutido, o aumento de tentativas do autoextermínio chama a atenção de especialistas. A meta da OMS é reduzir em 10% a mortalidade por suicídio até 2020.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Setembro Amarelo: como está a saúde mental e emocional de seus funcionários?
Foto: Divulgação

Acorda Cidade

O mês de setembro marca a luta contra um problema de saúde mundial considerado grave: o suicídio. Por vários anos evitava-se falar sobre isso. Era um assunto rodeado de tabus, o que não permitia enxergar quem estava mais vulnerável. A Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) alerta que o suicídio é responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo e é a segunda principal causa de morte entre as pessoas de 15 a 29 anos de idade.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano. Desse número, aproximadamente 65 mil casos acontecem anualmente em todo o continente americano.

No Brasil, de acordo com a cartilha do Ministério da Saúde, cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida por ano. Confirmando essa estatística, o Santa Genoveva Complexo Hospitalar atendeu, de janeiro até o início de setembro desse ano, 27 tentativas de autoextermínio. Estes números foram apurados por meio dos registros do Serviço Social e da Psicologia do Hospital.

As taxas de suicídio vêm crescendo ano após ano, em quase todas as faixas etárias, inclusive no Brasil. Ainda assim, pouco se fala sobre o assunto em ambientes de trabalho. Com a era de cumprir metas, prazos e gerar lucros, muitas empresas acabam esquecendo da importância de manter e garantir a saúde mental e bem-estar de seus colaboradores.

De acordo com a psiquiatra do Santa Genoveva Complexo Hospitalar, Ana Carolina Chaves Alucio, é importante que as empresas e funcionários estejam preparados para lidar com a saúde mental das pessoas. “As empresas têm que criar ambientes mais saudáveis, com comunicação efetiva, gerando sentimento de pertencimento ao grupo de trabalho, e evitar marginalizar pessoas que estão passando por algum problema ou momento de dor. É preciso pregar empatia à dor humana", afirma.

“Mesmo que o ambiente de trabalho esteja associado à pressão, quando estão diante de uma situação de desequilíbrio da saúde mental ou risco de suicídio, as empresas devem assegurar que o funcionário seja assistido por um médico ou psicólogo. É importante, também, criar conexão empática, com laços, para que seja um ambiente de apoio e não apenas associado como ambiente de risco. Nesses momentos, é importante que a empresa seja suporte e não a causa de mais estresse aos funcionários em situação de alerta”, completa a médica.

Para a psiquiatra, ter pensamentos de morte como única saída frente a algumas situações de dor ou impotência extrema, é comum ao ser humano e envolvem uma série de fatores biológicos, emocionais, culturais, filosóficos e religiosos. “É difícil definir o que leva uma pessoa a se matar. Acredito que não haja uma única causa, mas um conjunto de fatores que levam o indivíduo ao extremo. Estudos sugerem que 90% das vítimas de suicídio tinham alguma doença mental, o que pode não ser determinante, mas expõe a pessoa a uma vulnerabilidade maior ao ato”, avalia.

Segundo a gestora de recursos humanos do Santa Genoveva Complexo Hospitalar, Giselle do Carmo, o hospital está empenhado em realizar eventos e ações que contribuam positivamente na vida e realidade de seus colaboradores.

“É de suma importância que a empresa desenvolva programas e projetos que promovam a qualidade de vida e que sejam voltados para a saúde física, social e emocional dos colaboradores. Nosso Programa de Qualidade de Vida contempla ações como palestras temáticas, massoterapia, yoga laboral, ginástica laboral, liberação do Gympass, Diálogo de Saúde e Segurança, acompanhamento nutricional e acompanhamento psicológico. Tudo pensando na importância de garantir um ambiente mais saudável para nossos colaboradores”, explica a gestora.

“Este é um tema de saúde pública grave, que demonstra o maior grau do sofrimento humano. É importante cada vez mais falarmos sobre isso para levarmos informação e, principalmente, solidariedade às pessoas”, finaliza Ana Carolina Chaves Alucio.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Ministério da Saúde registra 570 novos casos de sarampo no Brasil
Saúde

Ministério da Saúde registra 570 novos casos de sarampo no Brasil

Conforme os registros, há 17 estados na lista de transmissão ativa da doença.

Saúde

Setembro Vermelho alerta sobre o cuidado com as doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares, afecções do coração e da circulação são as principais causas de mortes no...

Contratações no setor de planos de saúde aumentam 3,4% em um ano
Saúde

Contratações no setor de planos de saúde aumentam 3,4% em um ano

Número de beneficiários de planos de saúde teve queda no mesmo período

Vídeo

Carro desgovernado invade clínica em Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta Quinta-Feira 19.09 (Parte 01):
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram