Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM
17 de Setembro de 2019
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Economia

Todas as notícias
Publicado em 11/09/2019 06h44.

Governo avalia imposto sobre pagamentos com alíquota de 0,40% para saques e depósitos

Segundo a Receita Federal, tributo deve incidir sobre saques e depósitos em dinheiro, além de pagamentos nos cartões de crédito e débito.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Governo avalia imposto sobre pagamentos com alíquota de 0,40% para saques e depósitos
O secretário-adjunto da Receita Federal, Marcelo de Sousa Silva, apresentou na terça-feira (10) as alíquotas em estudo pelo governo federal do imposto sobre pagamentos, que vem sendo comparado à antiga Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira

Acorda Cidade

O secretário-adjunto da Receita Federal, Marcelo de Sousa Silva, apresentou na terça-feira (10) as alíquotas em estudo pelo governo federal do imposto sobre pagamentos, que vem sendo comparado à antiga Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Segundo ele, cada saque e cada depósito em dinheiro deverá ser taxado com uma alíquota inicial de 0,40%. Cada operação de débito e de crédito deve ser submetida a uma alíquota de 0,20%.

A proposta foi apresentada durante o Fórum Nacional Tributário, organizado pelo SIndifisco Nacional.

A ideia da equipe econômica é que a contribuição sobre pagamentos substitua gradativamente a contribuição patronal sobre salários (folha de pagamentos), a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) e, também, o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

"É uma alíquota de 0,20% no débito e crédito para poder desonerar parcialmente a folha em algo equivalente a um FGTS [7%]", disse o secretário-adjunto ao final do evento.

A área econômica do governo avaliou que a tributação atual sobre a folha de pagamentos (patrão e empregado juntos), que soma atualmente 43,5%, é “muito acima” de outros países da região, como México (19,7%) e Chile (7%), representando um “desestímulo à contratação de mão de obra”.

Por outro lado, o secretário-adjunto da Receita Federal afirmou que a reforma proposta pelo governo deve propor benefícios como ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), e o reembolso de impostos às pessoas com baixa renda.

A reforma tributária a ser apresentada pelo governo também deve prever a unificação de impostos. O novo imposto deve se chamar Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS) e unificará PIS, Cofins, Cide e IPI.

Pela proposta divulgada nesta terça pela Receita Federal, a unificação seria gradual e começaria pela unificação de PIS e Cofins. O novo tributo teria um regime não cumulativo por valor agregado com uma alíquota única de 11%. A CIDE e o IPI seriam incorporados posteriormente.

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, foi questionado nesta terça sobre o novo imposto, que vem sendo chamado de "nova CPMF".

"É imposto sobre movimentações financeiras... É uma ideia que o governo tem. Conversei com o Cintra, mas não foi apresentado ao governo ainda. Quem decide é o presidente", respondeu.

Há duas propostas de reforma tributária em discussão no Legislativo, uma na Câmara e outra no Senado. A sugestão do governo, quando apresentada, deve ser incluído no texto em discussão na Câmara.O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), já declarou que o governo e o Congresso devem tentar elaborar, em conjunto, uma proposta de reforma tributária.

Fonte: G1

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Como ingressar no mercado financeiro?
Economia

Como ingressar no mercado financeiro?

Pré-requisito é se formar em algum curso de administração, finanças ou economia

Petrobras diz que não há previsão para reajuste de preços
Economia

Petrobras diz que não há previsão para reajuste de preços

Os ataques aéreos à refinaria de Abqaiq resultaram na elevação dos preços internacionais do petróleo.

Caixa credita quase R$ 5 bi para pagamento do saque imediato do FGTS
Economia

Caixa credita quase R$ 5 bi para pagamento do saque imediato do FGTS

Mais de 12 milhões de trabalhadores tiveram acesso aos recursos

Vídeo

Motocicleta é furtada próximo a Shopping em Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta Terça-Feira 17.09 (Parte 01):
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram