Acorda Cidade - Dilton Coutinho

24 de Janeiro de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Polícia

Todas as notícias
Publicado em 14/08/2019 14h43.

Acusado de tríplica tentativa de homicídio é julgado no Fórum Filinto Bastos

O conselho de sentença condenou Kleidson Luan Souza Barreto e a juíza Márcia Simões Costa aplicou uma pena de seis anos e nove meses de reclusão.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Acusado de tríplica tentativa de homicídio é julgado no Fórum Filinto Bastos
Foto: Aldo Matos/Acorda Cidade

Acorda Cidade

Foi julgado na terça-feira (13) no Fórum Filinto Bastos, em Feira de Santana, Kleidson Luan Souza Barreto, acusado de ter praticado triplica tentativa de homicídio no município. Consta na denúncia do Ministério Público que no dia 30 de dezembro de 2016, por volta das 16h, na Rua Frei Hermenegildo, bairro Capuchinhos, em um lava jato de propriedade de Eduardo Sacramento Teixeira, o acusado chegou com o intuito de matar João Vitor Bittencourt Teixeira, filho do proprietário, deflagrando vários tiros, atingindo Eduardo Sacramento Teixeira e Alexsandra Bittencourt Teixeira.

O conselho de sentença condenou Kleidson Luan Souza Barreto e a juíza Márcia Simões Costa aplicou uma pena de seis anos e nove meses de reclusão, sendo dois anos pela tentativa de homicídio contra João Vitor, quatro anos e quatro meses pela tentativa contra Eduardo Sacramento Teixeira e cinco meses contra a Alexsandra Bittencourt Teixeira, que foi transformado em lesão corporal.

O promotor de justiça Antonio Luciano, disse em entrevista ao Acorda Cidade que esperava uma pena maior. Segundo ele, ainda há prazo para recorrer, o que será avaliado pela promotora titular, que depois decidirá se irá recorrer ou não da decisão específica em relação a uma das vítimas.

“Foi reconhecida a tentativa de homicídio a duas vítimas e lesão corporal em relação a outra. Esperávamos uma pena maior desde que reconhecida também a tentativa de homicídio em relação a terceira vítima, mas o júri é soberano, é uma pena relativamente baixa, mas que ainda garante um tempo de cumprimento ao réu para que ele possa refletir sobre o que fez. Ele foi condenada a seis anos e o regime de cumprimento semiaberto, mas ele continua preso por esse processo também, pois tem uma prisão preventiva decretada por outra tentativa de homicídio, então vai permanecer preso”, destacou.

A defensora pública Fernanda Morais, que trabalhou na defesa do acusado, destacou que esse não é um resultado que favorece a Defensoria Pública, mas que favorece o sentimento de justiça da sociedade.

“A gente quer uma sociedade pacífica e isso não se constrói em cima de penas injustas, não se constrói paz em cima da injustiça. A Defensoria Pública acredita que o resultado dessa sessão foi justa, muito embora a gente tenha optado por recorrer por conta de algumas teses jurídicas no cálculo da pena, mas a gente entende que a maneira como os jurados decidiram reflete o sistema de justiça que permeia a sociedade”, afirmou.

Com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

SSP promove 310 policiais militares à patente de sargento
Polícia

SSP promove 310 policiais militares à patente de sargento

Os formandos, durante três meses, fizeram o Curso Especial de Formação de Sargentos Policiais Militares, co...

Polícia Civil apreende parte de carga de medicamentos avaliada em mais de meio milhão de reais
Polícia

Polícia Civil apreende parte de carga de medicamentos avaliada em mais de meio milhão de reais

Segundo Gustavo Coutinho, a carga inclui diversos tipos de medicamentos como analgésico e anti-inflamatórios...

Acusado de matar promotor de eventos Christy Helmayd é condenado a 17 anos de prisão
Polícia

Acusado de matar promotor de eventos Christy Helmayd é condenado a 17 anos de prisão

Gladson Bezerra de Lima foi condenado a 17 anos de prisão em regime fechado a ser cumprindo no Conjunto Penal...

Vídeo

Mulher perde móveis após chuva em Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta sexta-feira 24.01:
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram