Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Acorda Folia
  • GOV BA Nota Premiada
25 de Abril de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Dilton e Feito

Todas as notícias
Publicado em 08/02/2019 15h22.

Câmara analisa projetos antagônicos sobre o que pode ser ensinado na escola

Os deputados Pastor Eurico (Patri-PE) e Bia Kicis (PSL-DF) apresentaram projetos para impedir professores de usarem a sala de aula para influenciar alunos com suas preferências ideológicas, religiosas, morais e políticas.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Câmara analisa projetos antagônicos sobre o que pode ser ensinado na escola
Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Estabelecer ou não regras para o debate sobre determinados assuntos em sala de aula? Política, religião e questões de gênero ou apenas português, matemática e ciências? Com o reinício dos trabalhos legislativos, pelo menos quatro propostas devem reacender esse debate na Câmara dos Deputados (PLs 258/19, 246/19, 502/19 e 375/19). Os deputados Pastor Eurico (Patri-PE) e Bia Kicis (PSL-DF) apresentaram projetos para impedir professores de usarem a sala de aula para influenciar alunos com suas preferências ideológicas, religiosas, morais e políticas. Já os deputados Talíria Petrone (Psol-RJ) e Alexandre Padilha (PT-SP) entendem que o papel do professor é exatamente outro: mostrar diferentes visões de mundo e garantir a formação de indivíduos tolerantes e com capacidade de decidir sobre suas vidas.

Escola Sem Partido

O Projeto de Lei 246/19, da deputada Bia Kicis, por exemplo, cria o Programa Escola Sem Partido, retomando o nome pelo qual o debate ficou conhecido na última legislatura (2015-2019). A proposta de Kicis proíbe o uso de técnicas de manipulação psicológica pelos professores com o objetivo de obter a adesão dos alunos a determinada causa. Além disso, assegura ao estudante o direito de gravar aulas para que pais e responsáveis tenham ciência do processo pedagógico. O projeto também veda a promoção de atividade político-partidária pelos grêmios estudantis.A ideia, segundo a deputada, é que, ao tratar de questões políticas, socioculturais e econômicas, o professor seja obrigado a apresentar aos alunos as principais teorias, versões e opiniões sobre o assunto, evitando que ele utilize a audiência cativa dos alunos para promover seus próprios interesses, opiniões e concepções. De acordo com o projeto, as novas determinações deverão ser aplicadas a políticas e planos educacionais, currículos, projetos pedagógicos, materiais didáticos e às avaliações. Leia mais na Agência Câmara

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Bacelar protesta contra sigilo de dados na reforma da Previdência
Política

Bacelar protesta contra sigilo de dados na reforma da Previdência

'Essa decisão do ministro Guedes é estapafúrdia', afirmou.

Cármen Lúcia suspende decisão sobre reorientação sexual
Política

Cármen Lúcia suspende decisão sobre reorientação sexual

Ao atender um pedido do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Cármen Lúcia entendeu que o juiz de primeiro g...

Seis em cada 10 órgãos públicos criaram plano de integridade no prazo
Política

Seis em cada 10 órgãos públicos criaram plano de integridade no prazo

Ao fim do prazo, 63% das instituições designadas cumpriram a meta.

Vídeo

Pais invadem batalhão com recém-nascido desfalecido e PM salva a vida do bebê Veja mais Vídeos ›

Podcast

Projeto de leitura em escola pública de Feira de Santana é destaque nacional
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram