Acorda Cidade - Dilton Coutinho

11 de Julho de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Cultura

Todas as notícias
Publicado em 03/12/2018 18h32.

Documentário conta a história do sanfoneiro feirense Bié dos 8 Baixos

Bié aprendeu a tocar sanfona sozinho aos dez anos de idade e desde então nunca parou.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Documentário conta a história do sanfoneiro feirense Bié dos 8 Baixos
Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

Rachel Pinto

Toda segunda-feira o Centro de Abastecimento em Feira de Santana sempre está agitado. Tem a movimentação das compras, dos feirantes, dos clientes, dos ônibus, vans, carros de mão e do famoso Samba de Bié, que acontece por volta das 10h na barraca de Dona Santinha, próximo ao galpão dos peixes e mariscos.

O samba de Bié tem percussão, zabumba, sanfona de oito baixos e toda a musicalidade já acontece há mais de dez anos. É ponto de encontro de amigos, comerciantes, ativistas culturais e quem passa, mesmo que esteja com pressa para ao menos um minuto que seja para apreciar o movimento. Nesta segunda-feira chuvosa, o samba estava ainda mais especial com o lançamento do documentário curta-metragem sobre Bié dos 8 baixos.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

Produzido por Uyatã Rayra e com direção de Eduarda Gama, o filme conta a história do sanfoneiro Francisco da Silva Sena (Bié), de 75 anos, morador da comunidade de Sete Portas. Bié aprendeu a tocar sanfona, sozinho, aos dez anos de idade e desde então nunca parou. Seus ídolos são Luiz Gonzaga e Dominguinhos, e a música é o que lhe traz vitalidade e alegria.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

“O filme é um registro de minha vida e do samba que acontece aqui. Quando eu não venho o povo vai me buscar. É uma alegria, eu me sinto muito feliz em participar, conhecer gente, fazer amigos e colocar o povo para dançar”, disse ao Acorda Cidade.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade | O Samba de Bié acontece na barraca de Dona Santinha

O ativista cultural, tatuador e artista plástico Márcio Antônio Santos, conhecido como Márcio Punk é um dos divulgadores e apoiadores do Samba de Bié e também do curta-metragem. Para ele, o Samba de Bié é uma das expressões culturais mais lindas que acontecem em Feira de Santana.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

“É uma festa que é de graça. Para o povo da roça, do Centro de Abastecimento que acorda cedo, que vem vender, comprar, batalhar, é um evento livre para todos. Eu acho um movimento lindo, perfeito, as pessoas vibram de alegria e vamos lutar para que esse movimento continue. O filme me deixa arrepiado, traz a sensibilidade de Uyatã que registrou toda a força e energia de Bié. Esse documentário é um grande presente para a cidade e também para o artista.

Márcio Punk informou também que atualmente o samba não tem acontecido com tanta frequência porque foi proibido pelas autoridades e sob as alegações do som alto e atos de violência que ocorreram no Centro de Abastecimento. Ele afirma que o Samba de Bié é alegria, é paz e nada tem a ver com esses acontecimentos. Punk reforça que o objetivo é que a festa continue com a mesma frequência todas as segundas feiras e faça a alegria das pessoas como sempre foi.

Uyatã Rayra produtor do filme, considera Bié dos 8 baixos um patrimônio imaterial. Um símbolo da cultura popular da vida, música e alegria. Ele destaca que o samba é "Diferenciado", diferente e de Feira de Santana.

“Bié não só é a pessoa física, como também a ideia. O documentário traz a sua vivência, suas relações e o samba dele é diferenciado, tocado com 8 baixos, sanfona, algo que não é tão comum em se ver. É um samba rural”, declara.

Foto: Rachel Pinto/Acorda Cidade

O produtor disse ao Acorda Cidade que se emociona com o artista Bié e o movimento cultural do Centro de Abastecimento, principalmente a participação do povo de forma livre e espontânea.

A diretora do filme Eduarda Gama, ressaltou a participação coletiva na elaboração do documentário e também o movimento do samba que é retratado nas imagens.

“Traz esse acontecimento do samba, no meio da feira e isso marca. Não sei de o samba vai continuar acontecendo, mas o samba é o registro dessa cultura rural que existe e resiste”, concluiu.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Brasil

ABL firma parceria para distribuição de 4,5 mil livros

Doações serão entregues aos mais carentes junto com cestas básicas

Cultura

Governo publica MP que libera R$ 3 bilhões para o setor cultural

A medida foi publicada hoje no Diário Oficial

Adelmario Coelho lidera audiência de lives entre os forrozeiros baianos
Música

Adelmario Coelho lidera audiência de lives entre os forrozeiros baianos

Os principais destaques do artista, em termos de engajamento, foram as lives exibidas pela produtora Macaco Go...

Vídeo

Paciente do município de Ruy Barbosa recebe homenagem em Centro de Hemodiálise após vencer Covid-19 Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram