Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Governo Sefaz
23 de Março de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Dom Itamar Vian

Todas as notícias
Publicado em 29/10/2018 10h55.

Rezar pelos mortos

Rezamos pelos nossos familiares, amigos e conhecidos que nos deixaram. Mas, por que rezamos pelos falecidos?
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra

É no dia 2 de novembro – Dia de Finados – que mais lembramos os falecidos de nossa família e de nossa comunidade. Visitamos os cemitérios. Levamos flores. Acendemos velas. Rezamos pelos nossos familiares, amigos e conhecidos que nos deixaram. Mas, por que rezamos pelos falecidos? 

A BÍBLIA, no segundo livro de Macabeus, afirma: “Judas Macabeus homem justo e piedoso, após uma luta contra o inimigo, fez uma coleta e mandou ao Templo de Jerusalém para que os Sacerdotes oferecessem sacrifícios pelas almas dos soldados que acabavam de morrer na batalha. É um pensamento santo e salutar rezar pelos mortos para que sejam livres dos seus sofrimentos”. (2º Mc 12,42-45).

JESUS fala de uma prisão, donde não se sairá enquanto não se tem pago até o último centavo, isto é, a purificação de todos os pecados. A Igreja lhe dá o nome de Purgatório. Santo Ambrósio diz aos familiares duma jovem recente falecida: “Chorai menos e rezai mais por ela”. Santo Agostinho pede aos fiéis que rezem pela alma da sua querida mãe. São Paulo diz que quem morre com faltas leves será salvo, mas deve antes passar por um fogo purificador.

EM NÁPOLES, Itália, uma senhora devota das almas do Purgatório, ficou desempregada. Mandou celebrar e participou de uma missa pelas almas. Terminada a missa, ao sair da Igreja, encontrou-se com um jovem, que lhe perguntou: a senhora está procurando um emprego? Sim, respondeu ela. O jovem disse à senhora: Vai à rua São Benedito nº 124. Lá, uma família, está precisando duma empregada.

CHEGANDO lá a patroa perguntou: quem disse a você que eu estou precisando duma empregada? Ela respondeu: Um moço na frente da igreja. Mandei celebrar uma missa pelas almas, sai da igreja e me encontrei com ele. Entrando na casa viu na parede uma fotografia. A senhora olhou, olhou e depois disse: “Foi este moço. É ele mesmo”.

O JOVEM havia falecido há alguns dias. Era filho daquela família. A missa que aquela senhora mandou celebrar libertou o filho do Purgatório. A referida senhora foi aceita na casa, não como empregada, mas como filha. Por isso, é importante rezar pelos falecidos. As pessoas que rezam pelas almas do purgatório recebem de Deus muitas graças.

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
[email protected]

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Artigo

As lições de Suzano

O que Suzano nos faz pensar? Que lições podemos tirar desse acontecimento? .

Artigo

Caminhada do Perdão

O evento faz parte do calendário religioso da cidade e, sempre, é realizado no segundo domingo da Quaresma.

Artigo

Políticas públicas

O lema foi inspirado no versículo bíblico: “Serás libertado pelo direito e pela justiça”(Is, 1,27).

Vídeo

Feira: estudantes fazem manifestações contra calor e cobram melhorias na estrutura de escolas estaduais Veja mais Vídeos ›

Podcast

Dia da Felicidade
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram