Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Educa Mais Brasil
  • Nota Premiada
19 de Janeiro de 2019
Dólar: R$ 3,84 Euro: R$ 4,39
-17º -17º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Vladimir Aras

Todas as notícias
Publicado em 18/09/2018 13h24.

'Forum shopping' e acesso a jurisdições estrangeiras em tutela coletiva

Com a intensa globalização econômica, o Direito também se globaliza.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
'Forum shopping' e acesso a jurisdições estrangeiras em tutela coletiva
Foto por Porapak Apichodilok em Pexels.com

Chegará a hora em que o Ministério Público brasileiro e os demais legitimados para as ações de tutela de direitos coletivos e difusos terão de pensar em levar casos como o do desastre de Mariana a solução (settlement) em jurisdição estrangeira, especialmente no juízo da matriz ou no juízo da bolsa de valores onde a companhia global negocia suas ações.

Com a intensa globalização econômica, o Direito também se globaliza, diante do evidente aumento dos conflitos nas grandes questões de meio ambiente, de ciberespaço, de licitações e contratos internacionais (public procurement) e de corrupção transnacional, estamos prestes a entrar num novo modelo de persecução e negociação multijurisdicional, com a participação de atores estatais brasileiros.

Não me refiro a práticas de forum shopping ilícito, mas a estratégias, coordenadas pelos órgãos estatais legitimados, para eleição do foro apto à resolução do conflito quando estejamos diante de jurisdição internacional concorrente.

Grandes corporações globais, que buscam seus lucros em vários continentes, podem lesar direitos humanos globalmente (meio ambiente, direitos trabalhistas, comunidades tradicionais etc). Podem também violar regras de privacidade (Direito da Internet) e de integridade (Direito anticorrupção e outros marcos regulatórios) nas interações transnacionais. Logo, devem responder também globalmente, na jurisdição mais adequada à reparação dos danos às coletividades atingidas ou às regras de conformidade violadas.

Nenhum órgão público brasileiro tem legitimidade para atuar, por direito próprio, perante órgãos jurisdicionais estrangeiros, mas este não é um obstáculo para soluções negociadas. Em havendo a necessidade de judicialização de demandas, isto se daria mediante a atuação coordenada com símiles locais, se existir, ou mediante a contratação de advogados habilitados a postular no exterior.

No âmbito da cooperação jurídica internacional para extradição e para a recuperação de ativos, o Ministério Público Federal (MPF/PGR) e a Advocacia Geral da União (AGU) já vêm explorando essas possibilidades.

A economia global nos conduzirá à compliance transnacional e a necessidade de integração e coordenação de jurisdições.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

O caso Battisti e a rota para Roma
Blog do Vlad

O caso Battisti e a rota para Roma

Parece estar no fim a trajetória do múltiplo homicida Cesare Battisti.

As mudanças da Lei Orgânica da Justiça Militar da União
Blog do Vlad

As mudanças da Lei Orgânica da Justiça Militar da União

A Lei 13.774/2018, já em vigor desde o dia 20 de dezembro de 2018, alterou vários dispositivos processuais e...

O Procurador-Geral 'ad hoc' da Colômbia para o caso Odebrecht
Blog do Vlad

O Procurador-Geral 'ad hoc' da Colômbia para o caso Odebrecht

Conta o jornal El Tiempo, de Bogotá, que a Colômbia terá um procurador-geral ad hoc para conduzir as invest...

Vídeo

Câmera registra momento em que ônibus colide em van em Feira de Santana Veja mais Vídeos ›

Podcast

Rui garante nomeação de coordenadores pedagógicos
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram