Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Educa Mais Brasil
  • Educa Mais Brasil
25 de Setembro de 2018
Dólar: R$ 4,09 Euro: R$ 4,78
20º 31º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Polícia

Todas as notícias
Publicado em 14/09/2018 09h05.

Direito de Resposta

Em nota de Esclarecimento
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Direito de Resposta
Foto: Arquivo pessoal

Eu, Kaony Marques Moreira, servidor público do Estado da Bahia e estudante do curso de licenciatura em Geografia da Universidade Estadual de Feira de Santana, pessoa consciente e elucidada sobre os meus Direitos, verso, através desta nota, explicações sobre o equívoco narrado na reportagem que julgo ser infeliz do veículo de comunicação ACORDA CIDADE, na data 09/09/2018, na qual apresenta-me como sujeito preso e privado dos meus direitos e veicula uma fotografia minha com meu colega Helder Santos Souza. O que foi informado NÃO é verdade, visto que fui conduzido e apresentado, juntamente com meu referido colega, por policiais da Rondesp, que nos conduziram de imediato à delegacia do Bairro Jardim Cruzeiro, na qual foi feito um termo circustanciado e logo fomos liberados pelo simples fato de, além de não termos ocorrências alguma, sermos apenas usuários de Cannabis. Isso não se constitui crime pelo Estado constitucional democrático de direito.

Em razão de vivermos iludidos com padrões estéticos que fazem alusões a valores difundidos pelo capital, e que preconiza o enfrentamento do preconceito, da discriminação, do racismo e nega a prevalência do princípio da dignidade da pessoa, do respeito aos direitos fundamentais e coletivos, senti-me violado em todos os meus direitos fixados na carta Magna e em leis atinentes do nosso país quando, descuidosamente , foi vinculada pela mídia a minha imagem, NÃO autorizada. Além disso, a reportagem continha, a meu ver, um texto ultrajante que , inferiorizava, humilhava e feria de morte a minha integridade moral, física, psicológica e espiritual. Tudo em razão da espetacularização das informações não verificadas de forma responsável.

Muitas vezes ouvimos e assistimos a transformação da vida humana em um “espetáculo” mal instalado no qual famílias são expostas ao ridículo, através dos jornais, TV e rádios que buscam altos índices de audiência. Me compadeço por essas vidas ceifadas arbitrariamente, sem a mínima responsabilidade e idéia do grau de horror e prejuízos por elas sofridos. Ao sermos vítimas deste tipo de espetacularização, somos lançados injustamente numa experiência de extrema vulnerabilidade e exposição, marcada por uma dor incalculável que transpassa nossa alma. Esclareço que eu não sou e nunca fui bandido, vagabundo, mal caráter e drogado, como tentaram construir essa imagem sobre mim, ao invés, sou um cidadão de bem, trabalhador, contribuinte, pai, filho que honra os pais e nunca me envolvi em escândalo algum. Esta exposição a qual fui submetido, gerou danos inenarráveis e irreparáveis à minha família, muito mais à minha mãe e à minha filha, pessoas que nunca quis magoar em minha vida.

Por todo o exposto e pelo que fui vítima, acredito que precisamos lutar por uma mídia minimamente responsável, séria, dotada de comprometimento com a verdade dos fatos. Lutar para frear a sanha de tornar a vida humana um espetáculo para consumo voraz. Claro que sei que a liberdade de expressão é um direito inviolável, consagrado, e que a mídia deve exercê-lo sem censura, porém, o direito à intimidade e à vida privada, também são consagrados e invioláveis. É preciso que os veículos de comunicação gozem seus direitos de expressão sem violar a dignidade da pessoa humana, já que a liberdade da imprensa não é absoluta. Em função disso, e muito educadamente, estou exercendo o meu direito de resposta e apresento à toda a sociedade a VERDADE. Quem leu a matéria de 09/09/2018 pode notar que fui colocado na reportagem como um sujeito perigoso, quando, na verdade, apenas faço o uso recreativo de maconha, e somente isso. Tal produto já foi descriminalizado em muitos lugares do mundo e existe uma tendência da ordem política, legislativa e social de descriminalizar o uso no Brasil.

Para finalizar, solidarizo-me com todas e todos que tiveram suas vidas expostas nas redes sociais e de comunicação e vivenciou um , constrangimento sem igual em seu ambiente de trabalho e social. A maneira como a reportagem foi disseminada, causou a mim danos morais, existenciais e até mesmo laborais. É desumano destruir significativamente a reputação de dois estudantes que embora portassem uma substância análoga à maconha, para uso próprio – conforme pode ser constatado no próprio Boletim de Ocorrência – não se enquadravam no perfil criminoso. Fomos submetidos a uma operação de rotina, em que fomos conduzidos, averiguados e logo em seguida liberados; todo esse procedimento durou pouco mais de uma hora.

Agradeço o apoio de familiares, amigos e colegas de trabalho. Agradeço profunda e imensamente a coragem força e acolhimento que recebemos por parte de vários coletivos de Feira de Santana que se dedicam à proteção dos direitos humanos em defesa das minorias, eles : COLETIVO AVALOM- MULHERES NA TEIA, COLETIVO VERSOS DE MULHER, PSYAQUERR PROJECT, CHUPANÚYMETENOPRODUÇÕESARTISTICAS, DA de GEOGRAFIA da UEFS.
Deixo aqui registrado o meu sentimento de tristeza e decepção por terem sidos violados meus direitos, sobretudo a presunção de inocência e espero que outros casos como esse jamais voltem a se repetir. Acredito que as minhas palavras representam o sentimento do colega que estava comigo no momento e foi alvo da mesma reportagem. 

Kaony Marques Moreira.

(SIC)

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Homem é preso com drogas, arma e munição em Feira de Santana
Polícia

Homem é preso com drogas, arma e munição em Feira de Santana

À polícia, ele disse que é morador de Salvador e que trouxe as drogas para serem revendidas no bairro Aviá...

Polícia

Bandidos usam a internet para vender dinheiro falso em Salvador

Entre os anos de 2010 e 2018, cerca de 350 mil notas falsas foram apreendidas na Bahia, segundo levantamento d...

Suspeito morre após tentar roubar carro e outro é preso
Feira de Santana

Suspeito morre após tentar roubar carro e outro é preso

Três homens tentaram praticar um assalto e uma pessoa que passava pelo local e presenciou o fato, reagiu atir...

Vídeo

Renovar e seguir: Feira do Livro 2018 Veja mais Vídeos ›

Podcast

Feira do Livro 2018 será aberta nesta terça-feira (25)
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram