Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • Educa Mais Brasil
  • Educa Mais Brasil
16 de Outubro de 2018
Dólar: R$ 4,09 Euro: R$ 4,78
24º 35º Feira de Santana
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Brasil

Todas as notícias
Publicado em 11/07/2018 12h20.

Conheça as ativistas brasileiras serão patrocinadas pelo Fundo Malala

A paquistanesa Malala conhece pela primeira vez o Brasil
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Conheça as ativistas brasileiras serão patrocinadas pelo Fundo Malala
Foto: Divulgação

Vanessa Casaes

Esta semana, a paquistanesa Malala, 20 anos, símbolo da luta pela educação de meninas no mundo, esteve no Brasil para anunciar o patrocínio a três ativistas brasileiras da área de educação. As mulheres selecionadas são as primeiras sul-americanas a integrar a Rede Gulmakai, iniciativa do Fundo Malala que reverte verba a pessoas que trabalham em prol educação de meninas. “Educação é mais do que ler e escrever. Educar garotas ajuda a construir economias, fortalecer democracias e traz estabilidade aos países”, defende Malala.

A baiana Ana Paula Ferreira de Lima, é uma das ativistas escolhidas por Malala. Ela é professora e realiza um trabalho educacional focado em meninas indígenas por meio da Associação Nacional de Ação Indigenista (Anaí). O projeto atua desde 1979 e tem como objetivo “promover e respeitar a autonomia cultural, política e econômica e o direito à autodeterminação dos povos indígenas”.

A segunda ativista é Denise Carreira, de São Paulo. Formada pela Universidade de São Paulo, ela é ativista de direitos humanos há 30 anos e trabalha pela promoção de igualdade de gênero nas escolas e nas redes educacionais do país como coordenadora adjunta da Ação Educativa. Fundada em 1994, a instituição tem como objetivo “promover os direitos educativos e da juventude, tendo em vista a justiça social, a democracia participativa e o desenvolvimento sustentável no Brasil”.

Denise considera a vinda de Malala ao Brasil e o reconhecimento das três ativistas que atuam com a educação um reforço de peso. “Ao se calarem sobre as desigualdades de gênero, as escolas acabam se omitindo com relação a um problema social que é enorme no Brasil. A desigualdade entre mulheres e homens existe e a importância da igualdade gênero está prevista, inclusive, na Lei Maria da Penha que define que o país deve implementar programas de promoção da educação e gênero nas escolas, justamente para que possamos avançar contra a violência contra as mulheres e meninas, que é imensa no nosso país” declara.

Sylvia Siqueira Campos também teve o trabalho percebido e reconhecido por Malala. Ela presidente do Movimento Infanto-juvenil de Reivindicação (Mirim), de Recife, Fundado em 1990. O projeto se propõe a “defender e promover os direitos humanos com foco na infância, adolescência e juventude, a fim de combater as desigualdades, estimular a cidadania ativa e radicalizar a democracia”. Em sua conta no Instagram, Sylvia postou foto ao lado de Malala com a seguinte legenda. “O momento marca o começo de uma parceria que, ideologicamente, já deu certo”.

A história da paquistanesa Malala é marcada pela garra de quem quase perdeu a vida ao ter que lutar pelo simples direito de estudar. Malala estudava em um país dominado pelos Talibãs, onde culturalmente não era permitido que meninas estudassem. Viveu e cresceu nesse contexto, mas fez a diferença. Aos 15 anos, foi baleada na cabeça quando voltava da escola, por ter desafiado, defendido e influenciado a educação e presença feminina nas escolas do seu país. 

Prestes a completar 21 anos nesta quinta-feira, Malala não desistiu e conquistou o mundo com sua coragem e perseverança. Aos 17 anos, ganhou o prêmio Nobel da Paz, de 2014, passando a ser a mais jovem mulher a conquistar um título como esse. Hoje, ela busca incentivar de todas as formas a importância dos estudos e igualdade de gênero. "Nossos livros e nossos lápis são nossas melhores armas", disse Malala durante um discurso na Assembleia de Jovens da ONU. Agora, no Brasil, a jovem que enxerga a educação como solução, declarou: “Educação é o maior e mais sustentável investimento de longo prazo”. 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Modelos são comparadas a escravas em desfile de moda
Brasil

Modelos são comparadas a escravas em desfile de moda

Ofensas, escritas por três homens em um grupo da rede social, foram fotografadas e publicadas em páginas da ...

Brasil

Suspeita de fazer procedimento que matou mulher tem prisão decretada

A decisão foi da juíza Lívia Bechara de Castro, do Plantão Judicial do Tribunal de Justiça do Rio, que ta...

Jornalista Gil Gomes morre aos 78 anos em São Paulo
Brasil

Jornalista Gil Gomes morre aos 78 anos em São Paulo

Famoso na crônica policial, ele passou mal em casa na noite de segunda.

Vídeo

Documentário Os Guardiões da Lagoa Veja mais Vídeos ›

Podcast

Entrevista com José Ronaldo - Parte I
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram