Acorda Cidade - Dilton Coutinho

31 de Maio de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Coronavírus (COVID-19) - Feira de Santana

Entrevista

Todas as notícias
Publicado em 23/02/2018 13h15.

Coordenador da 3ª Ciretran esclarece dúvidas sobre as novidades da Lei Seca

O condutor que sopra o bafômetro e fica registrado um pequeno valor de álcool expelido pelo ar dos pulmões recairá na multa, suspensão da CNH e no âmbito do direito administrativo entra como infração de trânsito.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Coordenador da 3ª Ciretran esclarece dúvidas sobre as novidades da Lei Seca
Foto: Orisa Gomes/Acorda Cidade

Rachel Pinto

O coordenador da 3ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), Silvio Dias, participou do quadro Sala do Povo do Programa Acorda Cidade, na manhã de quinta-feira (22), e explicou algumas mudanças na Lei Seca. Ele tirou dúvidas de ouvintes e esclareceu como funciona a fiscalização para os condutores. Segundo o coordenador, as leis de trânsito estão se tornando cada vez mais rígidas, principalmente em relação a quem bebe e dirige.

“É importante salientar que apesar de ter esse nome, Lei Seca, não há nenhuma proibição para que se faça uso de bebida alcoólica no nosso país. O problema está em somar a direção veicular ao uso de bebida alcoólica. Se tiver um acidente com vítima e ficar constatado que o condutor bebeu, ele será preso e enquadrado em crime inafiançável. Poderá ser liberado, a prisão poderá ser cancelada, ou relaxada pelo juiz, mas não mais pelo delegado, e então será preso e já cumprirá a sua prisão até o julgamento”, disse.

Sílvio Dias relatou que dirigir no Brasil pode ser interpretado como uma concessão do estado. Não é um direito natural, como por exemplo, o direito ao voto. Ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) passa por alguns critérios e muitas exigências. Uma dessas exigências é o condutor passar a ser obrigado a soprar o bafômetro caso seja solicitado pelo agente fiscalizador.

“Se o condutor não sopra o bafômetro, essa concessão do direito de dirigir está suspensa. Hoje não soprar o bafômetro já é motivo da suspensão do direito de dirigir. O agente vai recolher a habilitação naquele momento e vai extrair um auto de infração, uma multa de R$ 2.900 e um processo administrativo que será gerado a partir dessa multa, que vai levar à suspensão da carteira por 12 meses”, afirmou.

O coordenador ressaltou que só o fato do condutor não se submeter ao teste, ele já é multado, tem a habilitação suspensa, recolhida e deverá apresentar um condutor habilitado para que o veículo seja recolhido.

Pessoas que não apresentam sinais de embriaguez devem soprar o bafômetro?

Uma dúvida muito comum da população é em relação à pessoa que não apresenta sinais de embriaguez ou de consumo de bebida alcoólica, se essa pessoa é obrigada a soprar o bafômetro. De acordo com Silvio Dias, com as alterações da Lei Seca, esses condutores também são obrigados a soprar o bafômetro. Caso haja recusa, há a penalidade de multa.

“Mas, se apresenta sinais de embriaguez e há recusa, existem meios de prova, como por exemplo, uma filmagem, testemunhas, o próprio policial atestando que aquela pessoa está embriagada. Estes são meios de prova para o crime de embriaguez ao volante. A pessoa será conduzida à delegacia e lá entendendo o delegado esses requisitos, este indivíduo também cairá nas penalidades envolvidas ao crime de trânsito. Aí nesse momento, ele, além da multa, da suspensão da carteira, responderá a um processo penal de estar dirigindo embriagado. A multa segue e no futuro o processo de suspensão segue. Poderá causar suspensão por 12 meses. Ele tem o direito de defesa e é aberto um processo. A pessoa será notificada e caso ela não consiga rebater ao que está no processo administrativo terá então a carteira suspensa por 12 meses”, relatou.

Soprando o bafômetro

Sílvio Dias detalhou também algumas situações relacionadas a soprar o bafômetro. Ele ressaltou que se o condutor soprar o aparelho e não apresentar nenhum nível de álcool no ar expelido dos pulmões, ele não será multado e em seguida será liberado.

O condutor que sopra o bafômetro e fica registrado um pequeno valor de álcool expelido pelo ar dos pulmões, recairá na multa, suspensão da CNH e no âmbito do direito administrativo entra como infração de trânsito.

“Se ultrapassa de 0,30%, ainda é infração de trânsito. Ele não poderia estar fazendo o uso de álcool. Será a mesma penalidade para aquele que não soprou. A pessoa que não soprar terá a mesma penalidade de quem soprar e ter consumido uma pouca quantidade de álcool. Retenção da carteira, suspensão por 12 meses e a multa de R$2.900”, salientou.

O coordenador observou também que se o condutor beber um pouco mais e no bafômetro ficar registrado além de 0,30% de álcool no ar expelido pelos pulmões, a lei já o considera embriagado. É um caso de crime de trânsito e essa pessoa além de responder administrativamente será conduzida para a Polícia Civil para o delegado fazer o inquérito policial, estipular uma fiança e essa pessoa terá obrigatoriedade de pagar a fiança. Caso não pague será recolhida ao presídio e ficará a disposição do judiciário para que o judiciário entenda se haverá ou não a liberação do mesmo.

Há ainda as pessoas que se envolvem em acidentes com vítimas fatais. Nesses casos, o condutor é preso imediatamente e fica à disposição do judiciário.

É proibido beber e dirigir

O coordenador da 3ª Ciretran observou que, independente da quantidade de bebida alcoólica ingerida, é proibido beber e dirigir. Não há um parâmetro a repeito da menor quantidade de álcool ingerida e se poderá acusar ou não.

“Uma cerveja, por exemplo, é muito variável, porque depende do metabolismo da pessoa, da sua massa corporal. Tudo vai variar de pessoa a pessoa e não existe uma regra única, existe um cálculo que a gente faz, baseado no tipo da bebida que a depender da quantidade ingerida vai levar horas para ser absorvida”, acrescentou.

Para o coordenador, o bafômetro é um aparelho bastante eficiente em seu funcionamento e suas funções são verificadas anualmente. A quantidade de álcool ingerida por uma pessoa é relacionada tanto ao uso de bebidas, como alimentos que têm bebida alcoólicas em seu preparo e substâncias que possuem álcool em sua composição.
 

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Dayane Pimentel diz que Bolsonaro mente e engana a população na frente das câmeras
Política

Dayane Pimentel diz que Bolsonaro mente e engana a população na frente das câmeras

Pimentel disse que o presidente mudou muito de 2019 para cá.

Superintendente da Caixa em Feira tira dúvidas e destaca que não é necessário se dirigir as agências
Auxílio emergencial

Superintendente da Caixa em Feira tira dúvidas e destaca que não é necessário se dirigir as agências

Ele esclareceu algumas dúvidas sobre o auxílio emergencial.

Médica reumatologista tira dúvidas sobre os perigos do coronavírus para quem tem baixa imunidade
Saúde

Médica reumatologista tira dúvidas sobre os perigos do coronavírus para quem tem baixa imunidade

Para esclarecer se essas pessoas precisam realmente de cuidados a mais e tirar outras dúvidas sobre o assunto...

Vídeo

Manifestantes protestam contra o fechamento do comércio em frente a Hospital de Campanha e pedem informações sobre obra Veja mais Vídeos ›

Facebook

Instagram