Acorda Cidade - Dilton Coutinho

  • SECOM CLERISTON
  • SECOM CLERISTON
  • SECOM CLERISTON
03 de Abril de 2020
Facebook Twitter WhatsApp
WhatsApp 75 98297 4004
Rádio Acorda Cidade

Saúde

Todas as notícias
Publicado em 21/02/2017 09h57.

Remédios em falta na rede pública representam rombo de até R$ 116 em orçamento familiar

Levantamento inédito do Cliquefarma com medicamentos mais usados para diabetes e pressão alta mostra tamanho do prejuízo causado pela escassez de produtos no SUS.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Remédios em falta na rede pública representam rombo de até R$ 116 em orçamento familiar
Foto: Arquivo/Agência Brasil

Acorda  Cidade


Diabetes e pressão alta são dois dos males mais comuns enfrentados por brasileiros. No entanto, não é raro faltar remédio para seu tratamento na rede pública de saúde. Nesses casos, o prejuízo no orçamento pode chegar a até R$ 116 a cada ida à farmácia, segundo levantamento da plataforma de comparação de preços do setor Cliquefarma (www.cliquefarma.com.br).

A pesquisa considerou os três medicamentos mais usados para tratar os dois problemas. A situação é mais complicada para quem tem diabetes – 16 milhões de brasileiros, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o equivalente a 8,1% da população. De acordo com o Cliquefarma, uma caixa com 28 comprimidos do Januvia 50 mg sai entre R$ 81,90 e R$ 116,84, uma variação de 42,66%.

"O ideal é que se tenha acesso a esse tipo de medicamento na rede pública; no entanto, quando estão em falta, ficar sem tomar não é uma opção", diz Ângelo Alves, fundador do Cliquefarma. "Nesses casos, fazer uma pesquisa extensa para encontrar o menor preço pode ajudar a diminuir o prejuízo", recomenda.

A menor variação encontrada entre os seis medicamentos avaliados foi quanto ao mais usado para o controle da diabetes, o Aglucose 100mg com 30 comprimidos. No valor mais alto, chega a custar R$ 40,56, 30,25% a mais do que o preço mais baixo, de R$ 31,14.

Como 25% de toda a população brasileira sofrer com pressão alta – segundo pesquisa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) –, o custo dos medicamentos para tratar o problema é mais baixo. O mais procurado deles, o Losartana 50 mg com 30 comprimidos, por exemplo, pode ser encontrado por até R$ 2,44. “Mesmo com um valor menor, vale a pena a pesquisar. Em alguns locais, o Losartana custa algo próximo a R$ 17, quase seis vezes mais caro", afirma Alves.


*Preços pesquisados em 14/02 e sujeitos a alterações.

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.



Mais Notícias

Brasil

Investigação aponta que 1ª morte por coronavírus no Brasil ocorreu em janeiro, diz ministério

Investigação aponta que 1ª morte por coronavírus no Brasil ocorreu em janeiro, diz ministério

Governo vai capacitar profissionais da saúde para combate à covid-19
Saúde

Governo vai capacitar profissionais da saúde para combate à covid-19

Inscrições em cursos a distância podem ser feitas na internet

Bahia registra terceira morte pelo novo coronavírus
Bahia

Bahia registra terceira morte pelo novo coronavírus

Paciente tinha 88 anos e morreu em um hospital particular de Salvador.

Vídeo

Prefeito Colbert Martins confirma prorrogação de fechamento do comércio Veja mais Vídeos ›

Podcast

Ouça o Programa desta quinta-feira 02.04
Veja mais PodCasts ›

Facebook

Instagram