vai para o início: Alt+i vai para o conteúdo: Alt+c vai para o menu: Alt+m vai para o fim: Alt+f Acessibilidade Brasil Acessibilidade Brasil
Dilton Coutinho
@acordacidade no Twitter
Prefeito esclarece motivos por não ter participado de evento para assinatura da duplicação das BRs 116 e 101 http://t.co/TkmGtIp6yK
Ouvir Programa
sábado, 23 de agosto de 2014
Hora certa:
Editoriais
Colunistas
Links
RSS

Banhistas dividem praia com cachorros em Cabuçu

Uma das doenças transmitidas através do contato com as fezes de cães e gatos infectados, e frequentemente adquirida por pessoas na praia, é a Larva Migrans Cutânea, mais conhecida como 'Bicho geográfico'.

02/01/2012 08:19
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letraDiminuir letra
Ed Santos/Acorda Cidade

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

Ed Santos


Muitas pessoas costumam levar seus cães à praia enquanto outras detestam ver os animais próximo ao mar. A presença deles continua sendo motivo de grandes discussões, principalmente na praia de Cabuçu, uma das mais frequentadas pelos feirenses no final e início do ano.


As chances dos cães transmitirem doenças e atacarem os banhistas são as mais comentadas. Na praia é possível ver os animais tomando banho e passeando normalmente com os donos sem nenhuma fiscalização por parte da vigilância sanitária.


“O meu cachorro é bem tratado. Levo com frequência ao veterinário e não tem nenhum risco de transmitir doença”, disse o dono de um cão que não quis se identificar. Questionado pelo Acorda Cidade sobre o risco do animal atacar o banhista, ele respondeu: “Meu cachorro é dócil e não morde ninguém”, finalizou.


Uma das doenças transmitidas através do contato com as fezes de cães e gatos infectados, e frequentemente adquirida por pessoas na praia, é a Larva Migrans Cutânea, mais conhecida como "Bicho geográfico". Uma doença de pele transmitida por larvas de um parasita intestinal, chamado Ancylostoma caninum, comum nestes animais.


O animal infectado ao defecar na areia, libera ovos desse verme que se transformam em larvas podendo penetrar na pele das pessoas causando feridas na pele e uma forte coceira. As partes do corpo mais afetadas são os pés, pernas e mãos.


Estas larvas são muito resistentes às ações do meio ambiente tais como calor, frio, umidade e seca e podem permanecer no ambiente por até um ano.

Comente no Facebook

 

Leia também:

Feirenses reclamam de dificuldades para ir à praia

Lixo e engarrafamento são problemas predominantes em Cabuçú

Terreno baldio causa transtorno para moradores da rua Cabuçu

Cabuçu: Sol, mar e lixo

Fotos: Ed Santos/Acorda Cidade

Banhistas dividem praia com cachorros em Cabuçu
Banhistas dividem praia com cachorros em Cabuçu
Banhistas dividem praia com cachorros em Cabuçu
  • Recomendar
É muito importante a sua participação. Envie para nós a sua sugestão de correção.


Envie esta notícia por e-mail.


É muito importante a sua participação. Em breve entraremos em contato.