Acorda Cidade | Dilton Coutinho | Portal de notícias de Feira de Santana - Bahia

22º 34º Feira de Santana
13 de dezembro de 2017

Notícias

Esportes

Empregos

Lazer

Especial

Todas as notícias Política

Tiririca faz primeiro discurso na Câmara para dizer que está 'abandonando a vida pública'

06/12/2017 17h43
Segundo a assessoria, deputado não pretende disputar novas eleições. Tiririca está no segundo mandato e diz estar 'bem chateado' com a política.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Tiririca faz primeiro discurso na Câmara para dizer que está 'abandonando a vida pública'
Foto: Alexandra Martins/Câmara dos Deputados)

Tiririca discursa pela primeira e última vez na tribuna da Câmara; ele não será candidato em 2018

Acorda Cidade

O deputado federal Tiririca (PR-SP) subiu à tribuna da Câmara nesta quarta-feira (6) para fazer um discurso no qual disse estar com "vergonha" da política e, por isso, está "abandonando a vida pública".

No discurso, o deputado não esclareceu se a afirmação significa que ele renunciará ou que deixará de disputar eleições. Procurada, a assessoria de Tiririca informou que ele não pretende mais se candidatar.
Este foi o primeiro discurso de Tiririca desde que ele foi eleito pela primeira vez, em 2010. O deputado está no segundo mandato e afirmou que deixará a vida pública por estar "bem chateado" com a política.
"Subo nesta tribuna pela primeira vez e pela última vez, não por morte, [mas] porque estou abandonando a vida pública", disse.

O deputado também acrescentou: "É triste e o que vi nesses sete anos, saio totalmente com vergonha, não vou generalizar, não são todos, tem gente boa como em qualquer profissão".

Assiduidade

Tiririca ressaltou ainda ser, segundo ele, um dos deputados mais assíduos na Câmara. No discurso, ele afirmou não ter feito "muita coisa", mas atribuiu isso à "mecânica louca" do Congresso Nacional.

"Estou saindo triste para caramba, estou muito chateado, muito chateado mesmo com a nossa política, com o nosso parlamento. Eu, como artista popular que sou e político que estou, estou bem chateado. Não com os meus sete anos aqui na política. Não fiz muita coisa, mas, pelo menos, fiz o que sou pago para fazer, estar aqui e votar de acordo com o povo", declarou.

Para Tiririca, o Congresso brasileiro "trabalha muito e produz pouco".

Preconceito

A um plenário esvaziado, com poucos deputados presentes, Tiririca disse ter sofrido preconceito no período em que esteve na Câmara. Na opinião dele, esse preconceito aconteceu por ele ser "humilde, do povo".
"Sofri preconceito. Ontem mesmo, ao chegar, um colega... colega, não. A gente discutiu, pensei até que ele ia me agredir. Depois, fui levantar a ficha dele e o cara é mais sujo do que pau de galinheiro, tem mais de cinco processos por desvio de dinheiro público. E aí vem falar o que, por eu ser um cara humilde, um cara do povo?”, questionou.

Tiririca também avaliou que os parlamentares são bem pagos, têm "mordomia" e, por isso, devem fazer jus à remuneração que recebem.

Tiririca afirmou, ainda, andar de cabeça erguida pelos aeroportos, o que, na opinião dele, muitos parlamentares não fazem com receio da população.

"Ando nos aeroportos de cabeça erguida, mas eu acho que muitos dos senhores não têm essa coragem, de dizer que são parlamentares, porque é uma vergonha, é vergonhoso", disse.

Fonte: G1

É muito importante a sua participação. Envie para nós a sua sugestão de correção.



É muito importante a sua participação. Em breve entraremos em contato.



Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Veja também

PodCast

Procurador da República Vladimir Aras diz como foi seu trabalho na operação Lava Jato

mais podcast ›

Videos

População recebe PM com aplausos após morte de assaltantes de banco em Olindina