Acorda Cidade | Dilton Coutinho | Portal de notícias de Feira de Santana - Bahia

19º 29º Feira de Santana
17 de outubro de 2017

Notícias

Esportes

Empregos

Lazer

Especial

Todas as notícias Feira de Santana

Cerca de 70 animais soltos são recolhidos por mês em Feira de Santana

11/10/2017 10h52
De acordo com a médica veterinária Mirza Cordeiro, coordenadora do Centro de Zoonoses, a prática de deixar animais soltos pelas ruas ainda persiste.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Cerca de 70 animais soltos são recolhidos por mês em Feira de Santana
Foto: Ney Silva/Acorda Cidade

Laiane Cruz

Atualizada às 16:33

O Centro de Zoonoses de Feira de Santana, órgão da Secretaria Municipal de Saúde, já recolheu 695 animais soltos pelas ruas em diversos bairros da cidade até o início de outubro este ano. A média de recolhimentos é de 70 por mês, em sua maioria de cavalos, que após um dia trabalho são liberados por seus donos para buscarem seu próprio alimento.

De acordo com a médica veterinária Mirza Cordeiro, coordenadora do Centro de Zoonoses, a prática de deixar animais soltos pelas ruas ainda persiste, apesar de todo o trabalho do órgão para sensibilizar os proprietários. Segundo ela, os bairros com maior incidência são Feira IX, entrada do Sobradinho, entrada do Campo Limpo, Feira X, Muchila, Mangabeira e Conceição, além de diversos locais da Avenida de Contorno, onde o risco de acidentes é muito alto.

“Feira já é uma grande cidade e não comporta mais ter esse tipo de animal nem na periferia. A cidade cresceu muito, e os donos têm que cuidar dos seus animais, deixar presos, ter um local para guardar no final do dia, e não deixar os animais soltos, principalmente na Avenida de Contorno”, alertou.

A médica veterinária informou ainda que o número de animais soltos aumentou muito em 2017, em comparação com o ano passado, quando 659 foram levados para o Centro de Zoonoses.

“Houve um aumento significativo da quantidade de animais. E nós estamos em outubro ainda. Então nós vamos ultrapassar muito a quantidade desses animais apreendidos. Infelizmente, a gente observa que é uma prática que ainda persiste de pessoas que não têm consciência e não tem cuidado com seus animais”, afirmou.

Mirza Cordeiro explicou que o animal quando é recolhido para o Centro, é feita uma resenha sobre a condição do animal. Mas, devido a uma lei que existe no órgão, ele é liberado após o pagamento de uma taxa de 100 reais pelo proprietário, que geralmente volta a deixá-lo solto pelas ruas.

“Infelizmente as pessoas retornam, pois já têm o costume de deixar seus animais soltos, por mais que a gente tente sensibilizar essas pessoas, não estamos atingindo nossos objetivos. As pessoas continuam com essa prática, mesmo a gente orientando sobre todos os riscos que esses animais podem ter, como causar um acidente. Continuam achando que após o trabalho, o animal tem que ficar solto em busca do seu próprio alimento”, disse.

A denúncia de animais soltos pode ser feita através da Central 156.


 

Com informações e fotos do repórter Ney Silva do Acorda Cidade.

É muito importante a sua participação. Envie para nós a sua sugestão de correção.



É muito importante a sua participação. Em breve entraremos em contato.



Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Veja também

PodCast

2º lugar – Categoria de 11 a 14 anos

mais podcast ›

Videos

17ª Edição do Repórter Mirim do Acorda Cidade