Acorda Cidade | Dilton Coutinho | Portal de notícias de Feira de Santana - Bahia

20º 33º Feira de Santana
20 de novembro de 2017

Notícias

Esportes

Empregos

Lazer

Especial

Todas as notícias Dilton e Feito

Deputados pedem à Comissão de Ética Pública o afastamento de oito ministros do Governo Temer

19/04/2017 15h37
O documento recomenda, com urgência, o afastamento dos ministros por atos de improbidade administrativa e que ferem a ética pública.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Deputados pedem à Comissão de Ética Pública o afastamento de oito ministros do Governo Temer
Foto: Divulgação

Os deputados baianos Robinson Almeida e Afonso Florence protocolaram nesta quarta-feira (19), na Comissão de Ética Pública da Presidência da República, uma representação contra oito ministros do atual governo de Michel Temer. São eles: Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Bruno Cavalcanti De Araújo (Cidades), Eliseu Padilha ( Casa Civil), Wellington Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência da República), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia), Helder Barbalho (Integração Nacional), Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Marcos Antonio Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços). O documento recomenda, com urgência, o afastamento dos ministros por atos de improbidade administrativa e que ferem a ética pública. A representação pede ainda a adoção de providências legais pertinentes contra os representados. Para Robinson Almeida, a lista divulgada pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, revela que “ há indícios gravíssimos de que os ministros investigados estejam envolvidos em condutas aberrantes”. O deputado reafirma que “este comportamento é incompatível com a ética e probidade públicas”, já que os representados, segundo o parlamentar, “perderam a capacidade de atuação moral para o exercício dos cargos de ministros de Estado”. Outro argumento exposto na representação é o de que mesmo que os fatos divulgados nas delações tivessem ocorrido quando os representados ainda não exerciam os cargos a que hoje estão investidos, o deputado Afonso Florence sustenta que “as graves suspeitas tornam insustentável a permanência dos investigados à frente das pastas”. A representação afirma que, por apresentar todas as condições para a continuidade dos delitos, os ministros representados, também “apresentam enorme potencial e grandes possibilidades de interferência no processo investigativo da Operação Lava Jato”, afetando, segundo o texto, “todo e qualquer esforço para promover a moralidade do serviço público, primado dessa Comissão de Ética Pública”. 

É muito importante a sua participação. Envie para nós a sua sugestão de correção.



É muito importante a sua participação. Em breve entraremos em contato.



Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Veja também

PodCast

Cartas para o Papai Noel dos Correios podem ser entregues até o dia 30 de novembro

mais podcast ›

Videos

Reforma trabalhista: Entenda as novas regras e formas de contratação