Acorda Cidade | Dilton Coutinho | Portal de notícias de Feira de Santana - Bahia

20º 33º Feira de Santana
20 de novembro de 2017

Notícias

Esportes

Empregos

Lazer

Especial

Todas as notícias Dilton e Feito

Governo tenta avançar nas reformas previdenciária e trabalhista em meio à ressaca da lista de Fachin

17/04/2017 09h58
A empreiteira liderou o mercado da propina no país no últimos anos e agora expõe as vísceras da relação promíscua entre políticos e iniciativa privada.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Governo tenta avançar nas reformas previdenciária e trabalhista em meio à ressaca da lista de Fachin
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom

Depois de uma interrupção forçada no meio da tarde da última terça-feira (11), Câmara e Senado retomam hoje (17) as respectivas atividades com a pauta cheia, mas em meio à dúvida: haverá condições de votação em meio à turbulência causada pela divulgação de filmes e arquivos de texto com as delações de quase 80 executivos e ex-executivos da Odebrecht, empreiteira que liderou o mercado da propina no país no últimos anos, e que agora expõe as vísceras da relação promíscua entre políticos e iniciativa privada – os doadores de campanha de sempre? Seja qual for o impacto do novo – e, até agora, mais impactante – desdobramento da Operação Lava Jato, o governo aposta na estratégia de que tentar aprovar reformas pendentes como a previdenciária e trabalhista, valendo-se do amplo apoio que até agora tem no Congresso, é a melhor maneira de enfrentar o agravamento da crise. De olho no ajuste fiscal e ele mesmo citados em delações premiadas, o presidente Michel Temer tratou logo de reunir, neste domingo (16), sua articulação política com lideranças da Câmara para aprovar, já a partir desta terça-feira (18), o texto da reforma trabalhista – e, segundo os planos do governo, com relatório pelo fortalecimento do negociado sobre o legislado nas relações entre patrão e empregado e fim do imposto sindical obrigatório, por exemplo. O parecer foi lido na última quarta-feira (12), com pedido de deliberação plenária em regime de urgência. Também sob o rito de prioridade regimental será encaminhado ao plenário, depois de votação na comissão especial instalada para a tarefa, o relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) sobre a reforma da Previdência (Proposta de Emenda à Constituição 287/16). A leitura do parecer está prevista também para a próxima terça-feira (18), às 14h, em um auditório ainda a ser definido no corredor das comissões. Na semana passada, uma versão preliminar já com recuos do governo foi apresentada aos líderes da base aliada. De acordo com Maia, a receptividade às alterações operadas com o aval do Planalto foi boa. Entre outros pontos, o relator fez mudanças como a que elimina a idade mínima para que uma pessoa entre na regra de transição da reforma (45 anos para mulheres e 50 anos para homens, no texto original). Como este site mostrou em 7 deste mês, uma das mudanças que chegaram a ser consideradas por um grupo de parlamentares foi abortada depois da repercussão: deputados rejeitaram o pedido de juízes e membros do Ministério Público para ficar de fora das mudanças nas regras de aposentadoria. A tentativa foi vista como a concessão de um privilégio inaceitável. Leia mais no Congresso em Foco

É muito importante a sua participação. Envie para nós a sua sugestão de correção.



É muito importante a sua participação. Em breve entraremos em contato.



Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Veja também

PodCast

Cartas para o Papai Noel dos Correios podem ser entregues até o dia 30 de novembro

mais podcast ›

Videos

Reforma trabalhista: Entenda as novas regras e formas de contratação