Acorda Cidade | Dilton Coutinho | Portal de notícias de Feira de Santana - Bahia

22º 35º Feira de Santana
27 de novembro de 2014

Notícias

Esportes

Empregos

Lazer

Especial

Lucidata
Top Bahia
Vitalab  novo
CHARMANT
Centro Mdico dos Remdios
Todas as notícias Brasil

'Ele é um doente', diz jovem que foi violentada dentro de hospital em SP

26/11/2013 07h20
Abusada sexualmente em junho, mulher falou pela 1ª vez sobre o caso. Ela estava grávida quando foi atacada e entrou em coma.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
'Ele é um doente', diz jovem que foi violentada dentro de hospital em SP
Reprodução/ Rodrigo Martins/ G1
Acorda Cidade

Bruna Emiliana Pereira Menezes, de 22 anos, foi abusada sexualmente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital em Santos, no litoral de São Paulo, quando estava internada por conta de problemas pulmorares e grávida de quatro meses. Agora, meses depois de ter sido estuprada, a jovem, ainda debilitada por conta do longo tempo internada, comemora o nascimento de João Davi. Bruna falou pela primeira vez sobre o caso e, apesar da felicidade pela chegada do primeiro filho, não consegue esquecer a violência que teve que enfrentar.
 
Segundo a mulher, o agressor, um auxiliar de enfermagem, de 47 anos, ainda causa repugnância. “Ele não é um humano. É um bicho. Uma pessoa que faz isso com alguém que pode se defender já é um criminoso. Imagina quando a pessoa está debilitada, indefesa, não podendo fazer nada? É pior ainda. Ele é uma pessoa doente”, diz.
 
A vítima relembrou como foi a madrugada do dia 29 de junho, quando o abuso sexual aconteceu. “Eu estava dormindo quando, por volta das 2h, ele entrou no meu quarto. O enfermeiro começou a mexer comigo e me acordou. Eu pensei que ele ia me dar medicamento, pois eu estava tomando remédio para dor. Porém, ele começou a fazer os gestos obscenos. Tirou o órgão para fora e queria que eu pegasse. Eu puxava a minha mão, me debatia nas grades da cama e virava o rosto. Eu também estava com uma faixa, já que tinha feito exames de manhã e, na UTI, você não pode ficar com roupa. Ele chegou a colocar os meus seios para fora”, lembra.
 
Bruna revela que a ação do homem causou perplexidade. “Ele tirou a minha máscara para colocar o dedo na minha boca e eu não sabia o que fazer. Não tinha força para nada e eu temia que ele pudesse desligar os aparelhos, porque eu não conseguiria respirar. Fiquei desesperada. Eu pensava: o que esse homem está fazendo comigo? Ele é louco, eu aqui nesse estado e ele fazendo isso. Quando ele saiu do quarto, peguei o telefone celular que tinham deixado para mim e liguei para a minha mãe”, destaca.
 
Após avisar a mãe, a vítima lembra que as horas seguintes foram de pânico, com medo do que poderia acontecer na sequência. “A minha mãe e o meu tio foram até o hospital. Nessa hora eu consegui gritar e a enfermeira veio me ver, mas ela não acreditava no que eu falava. Ela dizia: ‘Bruna, você não sonhou?’ Eu dizia que não, que era verdade. Falei para ela não sair dali, pedi pelo amor de Deus, pois ele poderia voltar e desligar os meus aparelhos. Tinha medo de morrer. Quando a minha mãe chegou, falei para ela não sair de perto de mim. Eu chorava, desesperada”, recorda.
 
O agressor, que tinha passagem pela polícia por estupro e atentado violento ao pudor, tentou se defender, como relata Bruna. “No mesmo dia ele entrou no quarto e me chamou de louca. Comecei a gritar que louco era ele. Ele falou que eu estava sedada. Mas eu disse que não, porque não tinha tomado nenhuma sedação, só remédio para dor. Ele chorou, disse que tinha um filho para criar e não podia ser preso. Só que ele deveria ter pensado nisso antes. Se ele tem filho vai mexer com uma pessoa grávida, indefesa?”, questiona.

O suspeito foi preso pela polícia. Dias depois, uma outra vítima surgiu e contou que também havia sido abusada sexualmente pelo auxiliar de enfermagem. O homem continua preso, mas isso não traz tranquilidade para Bruna. “Ainda não me sinto segura. Sei que a Justiça daqui é difícil. Fiquei sabendo que ele não perdeu a carteirinha do Conselho Regional de Enfermagem (Core). Meu medo é que ele volte a trabalhar lá. Com a carteirinha, ele pode voltar a trabalhar. Esse é meu medo. Nunca vou querer voltar naquele lugar se ele estiver lá ou em qualquer outro hospital que ele esteja”, afirma.
 
Enquanto luta para que o seu agressor não volte para as ruas, Bruna cuida de João Davi, que nasceu na última quinta-feira (21), com 50 centímetros e pesando três quilos. Os dois estão na casa da avó da criança, em Bertioga, no litoral de São Paulo. Orgulhosa, a mulher não esconde a alegria por ter conseguido dar à luz ao seu filho, mesmo depois de todos os problemas enfrentados. Vale lembrar que Bruna, após ter sido estuprada, ficou em coma. “Me emociono com essa história, com os detalhes que a minha mãe conta. Depois do que aconteceu, como havia gastado as minhas energias e me sentia sem fôlego, pois não podia fazer força, fiquei muito debilitada. Não conseguia dormir direito. Por isso tive que ser entubada”, ressalta. Após todo o drama vivido por Bruna e sua família, a jovem pretende seguir a vida normalmente. 
 
Fonte: G1

É muito importante a sua participação. Envie para nós a sua sugestão de correção.



É muito importante a sua participação. Em breve entraremos em contato.



Comentários

MATIZ BLACK
CONCURSOS

Veja também

Vídeos

Funcionários encontram jiboia em concessionária de Feira de Santana

PodCast

Cabeça de jovem é encontrada dentro de saco plástico em Feira de Santana

mais podcast ›

Canta Passarinho

De: funcionario da coofsaude
Para: sr.Prefeito
Local: Feira x

"Bom dia toda equipe do acorda cidade! Gostaria de saber do sr.Prefeito sobre os funcionários da coofsaude q não deixa de ser funcionarios da prefeitura. Se teremos direito ao decimo.desde ..."

envie seu recado mais recados ›